na pré-estréia do Homem de Ferro 3

Esse post tem que começar com uma pequena historinha.

Era uma vez uma mocinha que é apaixonada por histórias em quadrinhos, principalmente de super heróis, principalmente do Homem de Ferro. Ela estava muito animada para ver o 3º filme do seu herói favorito no cinema, e já tinha até comprado, há meses atrás, numa viagem, um blusão especial para a ocasião. A tal mocinha vinha pedindo há vários dias aos seus amiguinhos que a acompanhassem na pré-estréia  do dito filme, mas seus amiguinhos a enrolaram bastante, e ela já estava desesperançosa, convencida de que só veria o tal filme alguns dias depois da estréia. No dia que antecedia a pré-estréia, ela ainda tentou por horas falar com seus amiguinhos pra tentar ir na tal sessão da meia noite. Como não teve sucesso e estava cansada, lá pelas tantas tirou as lentes de contato, vestiu o pijama, e já ia ler algum livro antes de ver a novela e dormir.

Aí eis que os amiguinhos resolvem retornar as ligações feitas e todo mundo resolveu ir pro cinema. EEEEE!

Compramos os ingressos pela internet, e era só trocar de roupa e ir pro shopping esperar a hora do filme. Mas aí eu 1) já tava de pijama, 2) já tava morrendo de preguiça, 3) já tinha usado lente o dia inteiro e não ia colocar de novo pra não irritar mais os olhos.

Eu devo admitir que a lógica que guiou o look foi o conforto (ou a continuação do pijama, se preferir). E, já que eu morro de frio no cinema, tinha que ficar quentinha, é claro. O look geek preguiçoso foi inevitável.

iron man

Mas ser preguiçoso não precisa ser largado! A esperança fashion é a última que morre. Então combinei o blusão do Homem de Ferro (alguém tinha dúvida de que ela seria a estrela do look? <3) com legging de oncinha e botinha de cano curto (aquela que já apareceu aqui). A legging de oncinha deixou a coisa menos tomboy e mais perua feminina! E, já que eu tava assumindo (quase) tudo de geek que há dentro de mim, me pareceu adequado usar os óculos de aro grosso.

Iron Man

daí pra frente só tirei foto palhaçada. reparem.

Dentro da sala de projeção, entrou em cena (hã? hã?) a parka (que também já apareceu aqui!)! Não preciso dizer o quanto tô apaixonada por ela, né?

Iron Man

eu avisei!

Achei que, ao combinar a botinha com a bolsa, consegui chegar mais perto de atingir esse equilíbrio entre o geek e o fashion, e não fiquei parecendo simplesmente uma maluca. A bolsa foi obviamente escolhida pra deixar tudo com jeitinho mais classy, e o batom vermelho é aliado quase sempre certo dos óculos de aro grosso. Ok, chama atenção pro aparelho, mas fazer o quê, né?

Iron Man

Dá pra ver como as peças conversam entre si e tudo acabou ficando harmonioso?

O filme é incrível, eu amei, e dei até pulos da poltrona de susto em alguns momentos. Achei melhor do que Homem de Ferro 2, mas o primeiro continua sendo o melhor, sem dúvida.

E, por favor, fiquem até depois dos créditos. Tem uma cena genial que fez todo mundo rolar de rir. Confiem em mim.

Ah! Claro! Obrigada aos amiguinhos que me acompanharam na projeção cinematográfica deste filme sensacional e moram no meu coração!

  • Parka: Cantão
  • Blusão: Forever 21
  • Legging: Farm
  • Botinha: Converse All Star
  • Bolsa: Louis Vuitton
  • Óculos: Ray Ban
  • Batom: Ruby Woo

pensa rápido

Você acorda em tempo, mas enrola tomando café da manhã. Quando vê, já tá mais do que na hora de sair de casa, mas ainda tá de pijama. Além de tudo, sabe que vai pegar trânsito pra chegar na aula.

Ontem eu tive uma manhã assim. Aí me vesti correndo e rezei pra dar certo!

pensa rápido

Como era dia de apresentar seminário no mestrado, queria uma roupinha mais formal (pero no mucho), e nada como uma camisa social pra resolver esse problema rapidinho. Combinei com a saia com pregas macho, slipper de tachinhas, e mochila!

Sim, mochila!

Achei que o look pedia uma peça dessas que faz diferença, pra não deixar tudo muito óbvio. Sem contar que não tem nada mais prático nesse mundo do que mochila.

acessórios

E um pulso foi ~adornado~ por pulseirinhas e um relógio. Pronto. Consegui chegar na aula arrumadinha e só um tiquinho atrasada – mas aí a culpa foi do trânsito mesmo.

  • Camisa: Maria Filó para C&A
  • Saia: Farm
  • Slipper: Santa Lolla para C&A
  • Mochila: TopShop
  • Óculos escuros: Forever 21
  • Pulseiras: Urban Outfitters, Asos, e Maria Filó
  • Relógio: Casio

comprando um presente de aniversário pra mamãe

de todas as pessoas que eu conheço, a mais difícil de se comprar um presente é a minha mãe. quando vai chegando o aniversário dela (que é hoje!!), ou dia das mães, ou Natal, eu sempre fico doida. o que raios eu vou comprar pra ela?

pro meu pai, é sempre muito mais fácil: toda vez que eu viajo, trago uns uísques bacanas pra ele do Duty Free e ele já toma isso como presente. tá ótimo, ele diz. ele não liga pra presente, mas não liga mesmo. aliás, ele prefere não ganhar nada. ou então ganhar meias, escovas de dentes, essas coisas que são fundamentais.

mas a mamãe gosta de um mimo. e não seria pra menos. e ela merece. e eu fico sempre querendo agradar, e comprar alguma coisa bem bacana pra ela. mas é difícil, viu.

perguntei pro meu pai o que ele ia dar de presente pra ela. ele disse “não sei”. ficou semanas matutando, até que resolveu comprar uma rosa. ele disse que não conseguia pensar em nada mais singelo e delicado pra ela.

a mamãe já tem tudo, e não faz questão de nada. ela não é muito fã de acessórios, e eu tenho que insistir bastante pra ela usar as jóias e relógios comprados ao longo dos anos. ela não liga muito pra roupas, porque prefere as que já estão no armário. são atemporais, ela diz. ela diz que não precisa seguir os “modismos”, as tendências – ela deixa tudo isso pra mim.

pra esse aniversário, eu quebrei a cabeça, mas acho que vai dar certo. escolhi um livro pelo qual ela demonstrou interesse numa das nossas muitas idas à Saraiva, um suéter de tricot com aplicação de pérolas, uma blusa azul ~klein~, e alguns outros pequenos mimos que tomam significado com o bilhetinho de aniversário que escrevi pra ela.

nem a mamãe nem o papai gostam que eu gaste dinheiro com cartões; preferem os bilhetes em qualquer pedacinho de papel sobrando em casa. eles dizem que tem muito mais valor.

bilhetinho escrito em 22/01/1995, quando eu tinha 5 anos e 1 mês de vida

bilhetinho escrito em 22/01/1995, quando eu tinha 5 anos e 1 mês de vida

jantar e cineminha (frustrado)

Ontem eu acabei não conseguindo fotografar o look de um dia daqueles que começa sem hora pra acabar, com muitas atividades diferentes pra preencher todos os minutinhos do dia. Hoje é feriado estadual, então já coloquei os estudos em dia e posso contar pra vocês como eu saí no domingo de noite.

Pois é, eu estava ainda morta com farofa do sábado incrível que eu tive, mas estava doida pra ir no cinema e comer umas porcarias (#junkfoodlover). Foi aí que eu venci a preguiça e fui pro shopping, rezando pra ter ingresso pro filme que eu queria ver.

E é claro que não tinha. O Plaza estava cheio demais, e me fez sentir saudade dos tempos em que ainda era possível pegar um cineminha domingo sem muito planejamento.

Já que eu já tinha vencido a preguiça, pelo menos comer umas porcarias eu consegui comer – o que eu achei o máximo, já que tava achando que não ia mais mastigar frituras por algum tempo (#dramas). Além de tudo, foi uma vitória conseguir uma mes(inh)a no Outback naquele shopping lotado.

O look escolhido pra esse passeio foi pensado no friozinho que faz no cinema, e na chuva que caía quando saí de casa. Aliás, o clima de domingo de noite não poderia estar mais diferente do clima de hoje: sol e céu azul! Enfim. No domingo, a combinação certa pra preguiça e friozinho era o combo casaco + tricot + jeans + botinha.

~momento Samara na foto da direita ~

~momento Samara na foto da direita ~

Mas aí, como não rolou o cinema, o casaco foi pra mão(zinha), e deixou o tricot ~brilhar~ sozinho. Esse tricot é bem beeem beeeeem fininho, quase transparente, então eu sempre uso uma blusa de manga comprida por baixo – o que acaba dando uma bossa a mais pro look.

sem casaco

Achei que tava precisando de um pouquinho de cor, então peguei essa bolsa verde militar (<3) e solucionei esse problema. A botinha é muito muito muito confortável, e foi um achado daqueles indescritíveis numa loja outlet da Converse.

bolsa e bota

Ornando com a preguiça, a maquiagem foi mega simples, só com lápis preto na linha d’água e um pouquinho de corretivo/iluminador pra (tentar) disfarçar as olheiras.

make simples

Continuo querendo ir ao cinema. O domingo tinha sido conveniente demais, já que eu não estava em condições de estudar, porque não tinha dormido o suficiente e não conseguia raciocinar direito. Agora é preciso achar outra brecha nos estudos, e que, de preferência, não coincida com horários de pico de frequência do Plaza!

  • Jaqueta: H&M
  • Tricot: Billabong
  • Blusa listrada: Espaço Fashion
  • Calça: Lucky Brand Jeans
  • Bolsa: Tommy Hilfiger
  • Botinha: Converse All Star
  • Relógio: Casio

batucando samba com rock n roll

Tem sábados que são tranquilos demais, e tem sábados que são corridos demais – e acabam sendo incrivelmente divertidos. E ontem foi um desses sábados.

Há algumas semanas, comprei ingressos pra ir com meu amigão no show do Barão Vermelho, no Citibank Hall. Por diversos motivos, perdemos a chance de vê-los na Fundição Progresso, no Circo Voador, e até mesmo aqui em Niterói, nessa turnê “+1 Dose”. Eu já estava super triste por não ver um show do Barão nessa turnê comemorativa dos 30 anos do lançamento do 1º disco deles, quando foi anunciada “A Última Dose” no Citibank. Na mesma hora comprei o ingresso, é claro.

Estava com tudo planejado pra ir (lá) pra Barra em horário oportuno pra fazer um lanchinho antes do show com calma, e entrar no Citibank Hall com tempo suficiente pra ficar próximo o bastante do palco pra ver a minha banda favorita.

Só que as coisas planejadas demais, às vezes, não dão certo. E aí o meu amigão (beijo, best friend Príncipe Regente do Império das Capas Crivo Gabriel!), que trabalha com Carnaval, ficou sabendo às pressas que precisaria ir na quadra do Império Serrano ontem, lá(ááá) em Madureira (lá lá iá), pra feijoada da escola. Era uma coisa divertida, mas não deixava de ser um compromisso de trabalho. Diante disso, nós tínhamos duas opções: ou abríamos mão do show do Barão Vermelho, ou íamos pro Império Serrano e seguíamos de lá pro show.

É claro que nós escolhemos a segunda opção!

Mas aí todos os meus planos fashionísticos pro show foram por água abaixo. Eu precisava de uma roupa que fosse do samba pro rock n roll suavemente, contando com o apoio do super carro do Gabriel. Ou seja: eu precisava de dois looks em um, pra duas ocasiões razoavelmente diferentes entre si.

E aí toda a solução veio na minha cabeça muito rápido (ainda bem, porque eu precisei ficar pronta em menos de meia hora, já que eu estudei até o último segundo).

"fim de semana eu viro batuqueira, pego meu pandeiro, vou pra Madureira, pro meu glorioso Império Serrano, que vai ganhar e subir esse ano!"

“fim de semana eu viro batuqueira, pego meu pandeiro, vou pra Madureira, pro meu glorioso Império Serrano, que vai ganhar e subir esse ano!”

Sempre que a gente vai pro samba (seja em quadra de escola ou na Sapucaí), o All Star é companheiro certo. Pra mim não há nada mais confortável, e ele ainda confere uma proteção extra pros pés, que só querem sambar. Raramente eu opto por uma sandália rasteira, já que ela não protege tanto o pé contra pisões, eventuais cacos de vidro, etc.  Também gosto de ir de short, mas sempre uso uma meia-calça pra ficar mais segura e me divertir a vontade. A escolha da blusa foi pensada pro ambiente: o povo do samba, que é muito acolhedor (<3), é de muita fé, então não tinha uma opção melhor. No todo, ficou um look simples e bacana pra ocasião, me deixando livre pra aproveitar a tarde de samba.

Império Serrano 01

visão parcial da quadra do Império Serrano

Império Serrano 02

outra visão parcial da quadra, e o fim da feijoada

Quando a feijoada acabou, era hora de sair de Madureira (lá lá iá) rumo à Barra da Tijuca. O trajeto foi marcado pela comprovação de que é possível fazer milagre com um lápis de olho e um batom. A intenção era pegar um batom vermelhão, tipo Ruby Woo ou Russian Red, mas, na pressa, peguei o Lady Danger, também da MAC. No final das contas, achei que ele ficou bem legal!

o make feito no carro!

o make feito no carro! e tá na hora de cortar a franja.

E aí eu deixei o look do samba com uma carinha mais rock n roll com a jaqueta de couro, bota de cano curto com tachinhas, bolsa prateada e meia calça preta. Pois é, eu rasguei a meia-calça que eu tava usando no samba (foi a 3ª que eu rasguei nessa semana), e precisei trocar – daí optei por essa preta!

Poderia ter sido uma escolha óbvia demais, envolvendo couro e tachinhas pra um look de show de rock, mas acho que o vermelho da jaqueta mostrou que eu me esforcei – pelo menos um pouquinho – pra deixar tudo menos óbvio e com mais interessância (amo/sou neologismos).

momentos antes do show

eu tentei deixar meu cabelo com um ar mais bagunçadinho, tanto que prendi numa trança pro samba, mas não rolou o efeito que eu queria (#dramas). 

É claro que o carro foi o grande propiciador das “mudanças” do look, pois foi lá onde deixei guardadinhas a jaqueta, a bota e a bolsa enquanto curtia o samba. Ok, eu poderia ter ido pro show de All Star, porque, né, rola toda uma referência grunge quando se fala nesse tênis icônico, mas eu quis trocar pra deixar uma coisa um pouquinho mais elaborada.

As tachinhas do short também deram mais bossa nova e rock n roll ao look. E a blusa de malha ficou ali, como quem não quer nada, deixando as outras peças darem o verdadeiro tom ao look.

Barão Vermelho 01

O show foi maravilhoso. Eu já tinha visto os Barões em outras oportunidades – tanto na formação de “Barão Vermelho” como em shows solo ou de projetos paralelos, mas, sem dúvida nenhuma, esse foi o mais incrível. O setlist foi impecável, misturando hits à músicas “de disco”, e eu ouvi (e cantei junto!) praticamente todas as minhas canções favoritas desses 30 anos de carreira.

Barão Vermelho 02

Tirei fotos demais, e ficou difícil até de escolher algumas pra ilustrar o post. Com essas duas, todos os (meus) “Barões” estão representados!

Eu tava mesmo precisando de um sábado desses, bem divertido. Adorei ir pra Madureira (lá lá iá), e espero voltar no Império Serrano em breve. Gente acolhedora, quadra enooorme, e samba de primeira qualidade! Confirmei que Madureira é muito mais do que um lugar, é a capital do samba! E a vibe do show do Barão Vermelho foi sensacional, com presença de gente de 8 a 80 anos, e todo mundo dançava e cantava numa boa, curtindo aquela última apresentação no Rio dessa turnê comemorativa.

Valeu, Barão! Tomara que vocês não demorem muito pra fazer uma outra reunião espetacular dessas. A gente fica esperando!

pós-samba-pré-rock

pós-samba-pré-rock

E muito obrigada ao Gabriel, parceiro e amigo querido, que já viajou por tantas aventuras comigo e ainda há tantas por viajar! (#viniciusdemoraesinspired)

  • Blusa: Use Huck
  • Short: Maria Filó
  • Tênis: Converse All Star
  • Jaqueta: Zara
  • Cinto: Farm
  • Bolsa: Belier
  • Bota: 284 para C&A

E esse post ficou enorme O: pudera, pra contar tanta história de um sábado tão bacana!

na correria

Contei ontem lá na nossa página do Facebook (já curtiu?) que a quinta e a sexta foram dias corridos demais. Na quinta, não rolou nem de registrar o que usei pra ir pra aula lá no mestrado, porque acordei bem atrasada e fiquei o dia inteiro por conta de atividades INESTianas. Quando cheguei em casa, só queria banho e cama. Ontem eu só registrei o que usei pra resolver um monte de pindaíbas pra postar no meu instagram, e considerei não postar aqui (tanto que falei lá na página do Facebook que não tinha conseguido fotografar o look pra postar aqui) já que é foto tirada no espelho, e eu não quero avacalhar o blog.

Mas eu achei que o look ficou tão fofo, e a foto foi pro instagram, foi pro dujour, e tá aqui de todo jeito, então eu resolvi mostrar pra vocês mesmo assim. Então, por favor, ignorem a cara de pateta e pensem que a minha intenção é a melhor possível ❤

de aparelho

Precisei escolher muito rápido uma roupa pra sair porque eu acordei meio atrasada, e a roupa tinha que ser confortável o suficiente pra que eu aguentasse boa parte do meu dia na rua, e também adequada às oscilações de temperatura que são características da estação.

A solução? Camisa de manga + short + combat boots coturno!

xadrez + vinho

Eu sou muito apegada a esse coturno e ele já me acompanha há alguns anos. A camisa também já mora no meu armário há algumas temporadas. E esse short foi uma aquisição recente, mas tô tão apaixonada que já sinto que ele virou coringa!

detalhes

A foto dos detalhes não ficou assim uma Brastemp com uma qualidade muito boa, mas dá pra ver que o cinto é de caveirinhas, e que rolou um mix de pulseiras com esse relógio que vocês já conhecem.

Entre todas as atividades, a prioritária é fechar um paper que preciso entregar essa semana. Corre, Letícia, corre!

  • Camisa e cinto: Farm
  • Short: Maria Filó
  • Coturno: Espaço Fashion para C&A
  • Relógio: Casio
  • Pulseiras: Urban Outfitters, Farm, Maria Filó, e da lojinha do Palace of Holyroodhouse

de aparelho e óculos na oftalmologista

O temido dia de usar óculos e aparelho ao mesmo tempo (na rua, porque em casa essa dupla é sucesso certa) chegou – e chegou mais rápido do que eu esperava. Hoje foi dia de consulta com a minha oftalmologista, e não dava pra ir de lente, já que existe todo um ritual pré-consulta de “descanso” pros olhos e tal. Eu não sei explicar direito, só sei que não pode chegar lá de lente, e pronto. Teve uma vez que eu esqueci e tomei uma bronca enorme!

Enfim, o que importa é que eu tinha que sair de casa sem lente, e não dá pra tirar o aparelho né. A minha sorte foi ter marcado essa consulta em um dia que não precisei ir pra UFF, e que pude ficar estudando o dia todo em casa, até que chegasse a hora da consulta. Pois é, tô nessa fase de achar ótimo poder ficar estudando o dia todo em casa.

Confesso que a ideia de sair de óculos e aparelho por aí me assustava e muito, e escolhi logo o par de óculos mais discreto entre as minhas opções, pra ver se não chocava muito a sociedade com esse visual geek demais.

Só que, ao escolher o que vestir, eu percebi que não tinha muito como fugir do geek naquela situação porque 1) eu já tava mesmo com muita cara de nerd e, principalmente, 2) meu guarda roupa é geek demais. Aliás, quando eu comecei esse blog, nem passou pela minha cabeça o quão difícil seria montar esses looks mais “adultos” a partir de um armário cheio de peças adquiridas ao longo de muitos anos de consumo desenfreado com um gosto variando entre o geek, o rock n roll e o moderninho, sendo que a completa renovação de guarda roupa está completamente fora de cogitação (#bolsistasofre).

Foi aí que eu resolvi assumir, pelo menos nessa ocasião, todo o meu lado geek.   Ou quase todo, já que, como falei, preferi os óculos mais discretos aos de aro grosso.

optimus prime

participação especial: Neville Longbottom, meu carrinho muito amado ❤

Abrindo o armário, parecia que essa blusa do Optimus Prime (Transformers é <3) tava gritando “Me escolhe! Me escolhe!”, e não tive como dizer não pra ela. Ok, talvez eu esteja assistindo The Big Bang Theory demais. E essa blusa foi uma escolha bacana pra proteger do ventinho de final de tarde quem tá saindo de uma crise alérgica agora.

optimus prime

“vou tirar foto nessa rua porque não tá passando ninguém e aí eu não vou ficar com vergonha!” – pessoas surgem sabe lá de onde

E, como eu acho que essa blusa tem toda uma carinha vintage (não dá pra ver direito na foto, mas a estampa dela é desgastada, com jeito de blusa podrinha), combinei com esse short jeans de cintura alta e cinto tressê. E eu me dei o direito de usar o All Star nessa ocasião porque meu amor por ele é eterno e verdadeiro.

optimus

Achei que, no geral, ficou um look legal. Tudo bem que ele contraria bastante a ideia de parecer mais velha através do look, mas não dá pra querer brigar tanto com o meu armário assim. Além disso, eu gosto bastante desse meu lado geek e não sei se vou conseguir abdicar completamente dele no período de uso do aparelho. E mais: de vez em quando, assim, fora do mestrado, fora de eventos importantes, tá permitido brincar me divertir com o look um pouquinho, né? Afinal, se eu não puder me divertir com as roupas, tudo isso perde o sentido.

Ah, sim! A miopia aumentou, e o astigmatismo também. Tô cada dia mais ceguetinha, e mais dependente dos óculos/lentes de contato. Agora me falta ir na ótica (que horas, meu Deus??) pra fazer os óculos novos e poder estudar sem estragar ainda mais a minha visão.

  • Blusa: Forever 21
  • Short jeans: Dress To
  • Cinto: herança da Mivó
  • Tênis: Converse All Star
  • Pulseiras: Urban Outfitters, Farm, e da lojinha do Palace of Holyroodhouse
  • Bolsa: de uma lojinha em Notting Hill
  • Relógio: Casio

crises

é claro que eu tô em crise.

em época de plena preparação do meu projeto de pesquisa, e já com foco total na dissertação, tive que colocar esse aparelho, de novo, e aprender a conviver com essa cara de teenager. parece que eu voltei no tempo sem querer.

ao mesmo tempo, o aparelho exige que eu aprenda a controlar a fome e a vontade desenfreada de comer tudo o que tá na frente, porque eu simplesmente não aguento mastigar quase nada direito.

sem poder comer direito, a ansiedade só aumenta. eu me acostumei mesmo a descontar na comida toda a minha ansiedade – e falo isso abertamente. basta dizer que, numa das épocas mais difíceis da minha vida, eu comia um pacote de biscoito recheado por dia.

e aí, porque não dá pra comer tudo, eu passo pra minha segunda válvula de escape favorita: comprar. compro pela internet, corro numa loja perto de casa (e não falta loja que eu gosto por perto), ou mesmo no mercado ou hortifruti próximo.

as aulas no mestrado voltaram, e é lógico que isso também tá me dando crise. voltei a ter horários determinados pra ficar fora de casa, desfocar da dissertação pra atender às exigências de cada uma das disciplinas desse semestre, e ainda por cima tenho que aguentar uma disciplina que eu detesto não gosto muito.

com tudo isso, é lógico que me falta tempo, então não dá pra ler um livro por relax. só leio coisas sobre energia nuclear, o programa nuclear paralelo, a diplomacia brasileira, etc. tenho dito que ultimamente tô respirando urânio enriquecido – e tem gente que ri disso.

tem um mês que eu não vou ao cinema. tem noção do quanto isso é horrível pra mim???

pra completar, dia sim e outro também tô dando crise de saudade.

já passou uma semana desde que eu coloquei o aparelho e eu ainda não comprei a escova de dente que a minha dentista recomendou. já tá mais do que na hora de parar de ir na farmácia e comprar só coisas inúteis e tratar logo de lembrar de comprar a tal escova de dente.

tô num tight schedule sem fim lá no mestrado, com a corda no pescoço pra acabar esse projeto e fazer logo a qualificação. quanto mais eu escrevo, mais parece que preciso escrever, e mais parece que eu preciso ler, e eu não consigo terminar, e eu já nem durmo direito mais por conta disso.

e o aparelho ainda machuca minha boca e meus lábios, e eu já acabei com uns 2 tubos de carmex nos últimos dias pra tentar proteger um pouquinho dos machucados.

além disso, não faço ideia de onde foi parar a minha tesoura de cortar a franja. rola toda uma técnica especial pra eu mesma cortar a minha franja e aquele tesoura era a minha melhor aliada nessas horas. aí enquanto eu não acho a minha franja fica enorme e na frente dos meus olhos.

a miopia e o astigmatismo aumentaram. tô mais cegueta do que nunca.

são muitas, muitas, muitas emoções juntas. muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. e eu fico achando que a minha cabeça vai explodir a qualquer momento.

tá foda.

firme, forte, e com febre

Quem me acompanha nas redes sociais já ficou sabendo que ontem eu fiquei meio doente, e tive até febre (coisa que raramente acontece). Tô apostando que o fato de ter pego chuva no final de semana também contribuiu pra essa crise na minha saúde. Tudo o que eu queria era ficar quietinha na cama, vendo um filminho, lendo um livro… Mas hoje era dia de aula no mestrado, e faltar não era uma opção! O jeito, então, foi montar um look quentinho pra me proteger do ar condicionado da sala e dessas mudanças de temperatura malucas.

O problema era que tava um sol danado, que não pedia look com jeito de outono/inverno, embora a temperatura estivesse duvidosa. O que a gente faz nessas horas? Escolhe peças cheias de cor!

INEST

Instituto de Estudos Estratégicos – where the magic happens

Ganhei essa parka há umas semanas atrás (viva a mamãe que acha essas coisas maravilhosas e se compadece de mim ❤ ) e já estava louca pra usar. Achei que ela combinava com o sol que tava fazendo, e logo ela se tornou a peça chave pro look!

INEST

Pra combinar, escolhi essa saia de estampa floral, e uma blusinha de malha num dos tons da estampa da saia – que também mistura um tom de amarelo – pra deixar tudo um pouquinho mais harmonioso! O cachecol levinho também foi importante pra proteger a garganta, que não tá lá essas coisas.

INEST

o bueiro deu uma de estrela e não quis sair nessa foto.

Aí eu achei que tava tudo muito girlie demais, e eu não gosto de looks muito girlie. Gosto sempre de colocar pelo menos uma peça de mais peso pra equilibrar, e hoje escolhi essa botinha de cano curto com tachinhas. As botas de cano curto são as minhas substitutas imediatas do All Star de cano médio, escolha sempre óbvia do meu dia a dia.

INEST

e ficou registrado que horas saí da faculdade hoje!

Os outros acessórios complementaram o look discretamente, meio combinadinhos com a bota e a bolsa.

Um dos meus amiguinhos do mestrado levou hoje castanhas de caju originais do Norte do Brasil pro nosso lanchinho (porque guerra sem conforto é extermínio), e tava uma delícia! Pena que eu não consegui mastigar. Provei só uma e já foi o suficiente pra sentir que não ia rolar mastigar aquela maravilha. Fiquei #chatiada. Quando será que vou voltar a comer todas as porcarias coisas que eu gosto usando esse aparelho???

E hoje eu deveria ter ido lá pra Marina da Glória conferir os desfiles do Fashion Rio. Não preciso nem dizer que fiquei frustrada de ficar doente em plena semana de moda, né? Mas não tinha a menor condição de sair nessa noite de outono pra ver as modas ):

O jeito é dar uma fugidinha com você torcer pra melhorar logo pra acelerar os estudos!! Foco na tarefa!

  • Parka: Cantão
  • Blusa, saia e cachecol: Farm
  • Bolsa: Zatchels
  • Bota: Forever 21
  • Óculos escuros: Zero UV
  • Pulseiras: Maria Filó (caveirinha) e Farm
  • Relógio: Casio

na festa de casamento

Como tinha comentado rapidinho no post anterior, ontem eu tinha uma festa de casamento pra ir. Sabe aquelas festas onde você encontra todas aquelas milhões de pessoas da sua enorme família? Então. O casamento de ontem foi assim. E quem me segue no instagram acompanhou em tempo real alguns dos cliques da noite – que contou com o Cordão do Bola Preta pra deixar tudo ainda mais animado.

Normalmente, quando acontece algum desses eventos, eu opto por vestidos com shape de princesa, com cintura bem marcada e saias bem volumosas, e sapatilhas. Eu detesto usar salto alto num grau tão alto que tenho uma coleção de sapatilhas especiais só pra festas e festanças (eu detesto deixar de aproveitar esses eventos porque fiquei com dor no pé). Mas tudo isso dá aquele arzinho muito muito jovem pro look.

Então ontem eu tive que sair da minha zona de conforto pra fazer do aparelho apenas um coadjuvante no meio de um look mais condizente com a minha idade avançada.

Tirei do armário essa camisa com gola de pérolas, e fiz (muito rapidinho, porque é claro que eu me enrolei pra me arrumar e já ia ficando atrasada pra cerimônia) um coque donut com um pouquinho de topete, já que o cabelo solto não ia dar o devido destaque pra essa peça. Combinei com essa saia de renda verde militar, sapato e clutch no mesmo tom de marrom, e alguns anéis pra deixar as mãos mais “ricas”.

Foi providencial a camisa de manga comprida pra uma noite de muita chuva e ventinho fresquinho. Chovia tanto que eu queria mesmo era calçar galochas! (eu e minhas ideias erradas)

Queria ter fotografado a maquiagem e o coque (e todos os mil grampos envolvidos pra segurar o cabelo a noite toda) em detalhes, mas não deu. A escolha pelo batom bem escuro foi totalmente na contramão do que eu obviamente escolheria – afinal, eu não queria dar destaque pro aparelho, certo?

Errado!

Ok, a proposta inicial era essa mesmo, de deixar o aparelho coadjuvante no look, e tentar não dar destaque nenhum pra ele. Mas, sabe como é, a gente começa a brincar de maquiagem e acaba indo por caminhos que nem imaginava que poderiam dar certo. Eu acabei preferindo fazer um make de olho esfumado combinado com batom escuro, como se dissesse “é, é isso mesmo, eu tô de aparelho, tô curtindo isso, e não tenho vergonha de destacá-lo!”. Resolvi que se eu ia encarar esse “desafio” de mostrar pra todo mundo meu aparelho numa festa logo na primeira semana, devia fazer isso com orgulho e da melhor forma possível.

Quando as mangas da camisa deixavam, os outros acessórios também apareciam: mix de pulseiras (inclusive uma de spikes com aplicações de brilhantes!) e esse relógio, um xodó pra ocasiões especiais.

com cara de mamona assim que cheguei na festa d: 

O aparelho já não tá mais me impedindo de comer muita coisa, mas ainda tô tendo alguns cuidados. Não aguentava morder os docinhos, então comi um sem número de bem casados!!

De aparelho ou não, é sempre bom rever a família e celebrar o amor!

  • Camisa: Forever 21
  • Saia: Espaço Fashion
  • Sapato: Ferni
  • Clutch: do armário da mamãe
  • Pulseiras: Life by Vivara, Espaço Fashion, e acervo de família
  • Relógio: Fossil
  • Anéis: Farm (anel de coelho), e acervo de família
  • Brincos: do armário da mamãe
  • Batom: MAC Viva Glam III

a teoria dos elásticos de cabelo e o seu mundo paralelo

que eu coloquei aparelho nessa semana, vocês já sabem. e que eu criei um blog pra contar a minha saga de aparelho, bem, não sei se vocês já sabem, mas, se não sabiam, agora já sabem.

no post de hoje de lá, eu dei uma pista da minha teoria de que todos os elásticos para cabelo do mundo moram num mundo paralelo. e resolvi que aqui era um bom lugar para registrá-la.

afinal, não é porque eu vou contar a minha saga de aparelho por lá que eu vou parar de escrever meus devaneios por aqui!

então. à teoria!

todo mundo sabe que meu cabelo é liso escorrido – ainda bem que eu tenho bastante cabelo, então não fica ralo na minha cabeça. sendo o meu cabelo liso escorrido, eu tenho muita dificuldade de usar acessórios no cabelo.

grampo não pára no lugar, arcos e faixas deslizam, e elásticos escorregam.

mas eu tenho andado numa fase de prender bastante o cabelo. esse negócio de estudar muito, combinado ao calor que faz por aqui, acaba me deixando irritada com o meu cabelo. como eu não tenho coragem de cortar ele bem beeem beeeeem curtinho, amarro ele com elástico.

o problema é que, como eu disse, os elásticos cismam em deslizar cabelo abaixo.

e aí eu sempre perco vários elásticos sem perceber!

eu tenho um estoque em casa. só que o estoque sempre diminui muito porque eu nunca consigo achar os elásticos fujões!

foi aí que eu formulei a teoria dos elásticos de cabelo e o seu mundo paralelo. já que eu perco um monte de elásticos e nunca consigo encontrá-los de novo, tenho certeza de que eles caem num mundo paralelo só deles!

outono com temperatura de verão

São Pedro resolveu me zoar no início dessa trajetória de aparelho. Hoje fez um calor danado aqui em Niterói (quando conferi a temperatura, os termômetros marcavam 32ºC), e eu precisei sair de tarde pra resolver umas questões de banco e também procurar uma roupa pra um casamento que vai rolar nesse final de semana. É claro que eu tenho que deixar todos esses preparativos de mulherzinha pra última hora, afinal (já ou ainda?) tô cortando um dobrado no mestrado.

Enfim. São Pedro me zoou porque eu tinha que sair, estava muito calor, eu ia andar no sol, e eu simplesmente não conseguia sintonizar a minha cabeça pra montar um look fresquinho que não me deixasse com muito jeito de adolescente.

Admito que não tive muito sucesso, porque não consegui fugir do short + camiseta. Mas, ao invés de partir pra escolha óbvia do short jeans com blusa/camiseta de malha, por exemplo, escolhi esse short tie-dye com spikes e essa camiseta de tecido estampado.

A camiseta de tecido já dá um ar mais arrumadinho pro look, né? Combinei com uma bolsa de mão e uns óculos escuros quadrados oversized, com cabelo preso estrategicamente de lado.

Tirei umas fotos na rua pra ilustrar o post, mas essa foi a única apresentável /:

O cabelo acabou não sobrevivendo preso por muito tempo, já que o elástico escorregou e eu acabei perdendo ele pela rua. Eu tenho uma teoria de que todos os elásticos para cabelo do mundo moram num mundo paralelo.

Mas não vou explicar essa teoria aqui agora não. Pra fechar o post, vou registrar que já não tô comendo com tanta dificuldade, não tô falando fazendo (muit0) biquinho, tô tentando respirar só pelo nariz, e a (re)adaptação está sendo tranquila. Até agora nenhum dos brackets caiu e nem o fio saiu do lugar pra me espetar – se continuar assim, o final de semana será um sucesso!

  • Camiseta: Farm
  • Short: Espaço Fashion
  • Sandália rasteira: Sollas
  • Bolsa: Topshop
  • Óculos: Forever 21

retrospectiva: dos 9 aos 14

Nessa semana, depois de colocar o aparelho de novo, foi inevitável sentir vontade de rever as fotos dos anos compreendidos entre 1999 e 2004.

Entre muitas e muitas fotos, escolhi umas pra postar aqui e mostrar pra vocês:

1999

1999

2000

2000

2001

2001

2002

2002

2003

2003

2004

2004

Escolhi uma foto pra cada ano do tratamento. Repararam que eu não postei nenhuma foto usando óculos? Eu detestava tirar foto com os óculos de grau, porque achava (e ainda acho) o combo óculos + aparelho uma coisa bastante assustadora.

2013

11 de abril de 2013

Não mudei muito de lá pra cá, né?

 

voltando ao mestrado de aparelho

As aulas do mestrado recomeçaram e, na mesma semana, eu coloquei aparelho. De novo.

Como explico aqui, já usei aparelho antes, e coloquei de novo agora, aos 23 anos, pra corrigir algumas imperfeições que voltaram com o tempo.

Minha ortodontista (que eu amo!) disse que eu não necessariamente deveria colocar, mas que seria bom corrigir logo essas imperfeições antes que elas evoluíssem. Isso tudo porque eu não sei respirar direito pelo nariz (o que fica como assunto pra um próximo post), e, ao respirar pela boca, atrapalhei bastante do que se tinha consertado entre os meus 9 e 14 anos.

Numa rápida pesquisa, não achei nenhum site que falasse a fundo sobre a causa dos adultos (principalmente adultas) que usam aparelho e que buscam maneiras interessantes de compensar o ar adolescente desse “acessório”. Daí surgiu esse blog. Além de falar das dores que acompanham o tratamento ortodôntico, quero compartilhar com quem quiser acompanhar essa aventura o meu jeito de lidar (e driblar) com a nova aparência.

Pra voltar às aulas, escolhi um vestido que já foi pra algumas festas, e ao qual eu sou apegada demais pra deixar no fundo do armário esperando outras festas. Há um tempo ele já faz parte das minhas opções de roupas pro dia a dia, e tô achando legal começar o blog com ele, que já me acompanhou em tantas datas especiais.

Geralmente fica frio na sala de aula, então eu dificilmente vou pra aula sem um casaquinho. E, como eu sou apaixonada por parkas, já estou aproveitando esse clima outonal em Niterói pra passear com elas por aí.

  • Parka e pulseiras: Farm
  • Vestido: Forever 21
  • Tênis: Converse All Star
  • Bolsa: Zatchels
  • Óculos: Zero UV
  • Cinto: do armário da mamãe
  • Relógio: Casio