6 meses de Ierevan!

Hoje nós completamos 6 meses desde que chegamos em Ierevan! Parece que foi ontem que saímos do aeroporto e vimos uma cidade coberta pela neve, congelada pelo frio, e ainda assim cheia de gente andando na rua. São 6 meses me surpreendendo a cada dia com o tanto que a cidade tem pra oferecer, com o tanto de coisas boas que nós podemos viver por aqui!

IMG_5910

Resolvi então listar hoje as 6 principais coisas que aprendemos em Ierevan nestes últimos 6 meses.

  1. Boa vontade e simpatia é sempre mais importante do que dominar um idioma. O importante mesmo é saber se comunicar.
  2. O conceito de fila é muito relativo.
  3. A comida do Cáucaso é maravilhosa e ideal para dias de temperaturas mais amenas, mas é um pouco pesada pro calor. E tem uns sorvetes maravilhosos aqui, mas os picolés são bem esquisitos.
  4. Observar a transição entre as estações do ano é uma das coisas mais bonitas que já vi na minha vida. Em 6 meses, transitamos de -20ºC para +38ºC, e isso é considerado normal.
  5. A Armênia é um país com uma cultura muito rica, e 6 meses é muito pouco tempo pra aprender um pouquinho de tanto.
  6. Morar fora do Brasil apresenta muitos desafios, mas é muito mais fácil superá-los quando se está do lado do amor da sua vida.

 

Praga a pé em 2 dias

Chegamos de trem em Praga na tarde do dia 13 de junho e, depois de fazermos check in no nosso hotel, fomos em busca de alimento. Fomos caminhando até o restaurante escolhido: o OLIVEIRA, que acabou se tornando um dos nossos favoritos da viagem! Lá, comemos uma deliciosa tábua de frios, bolinho de bacalhau, e pasteizinhos de nata! Este restaurante ficava a apenas 15 minutos do nosso hotel, numa área mais residencial da cidade, no sentido oposto da Cidade Velha.

IMG_5185

No dia seguinte, demos início aos nossos passeios um pouco tarde, pois precisávamos primeiro lavar nossas roupas (mala compacta tem dessas coisas!). Por volta de meio dia, fomos caminhando para a Cidade Velha, e paramos no Svejk do Hotel Liberty. Lá, pedimos um joelho e uma costela de porco, e percebemos que foi um exagero de comida!!

De lá, fomos andando para o Castelo de Praga, passando pela Cidade Velha (Stare Mesto), parando pra admirar a Torre da Pólvora (Prasná Brána), e caminhando pela praça da Cidade Velha (Staromestske Namesti) onde está o Relógio Astronômico (Orloj), e pela Ponte Carlos (Karluv Most). O Relógio Astronômico está em obras, mas ainda assim é possível apreciar sua beleza!

Na Ponte Carlos, caminhamos vagarosamente, tanto para apreciar as belíssimas estátuas e a vista incrível, como para acompanhar o ritmo dos inúmeros turistas que lotavam a ponte! Era difícil até de andar de tanta gente acumulada no mesmo lugar!

Fizemos uma paradinha estratégica no Starbucks e caminhamos um pouco por Malá Strana. De lá, fomos caminhando até a Igreja de Nossa Senhora Vitoriosa (Chrám Panny Marie Vítezné) e que era o lugar que eu mais queria conhecer na cidade. E que emoção tão grande estar diante do Menino Jesus! E emoção maior ainda foi ter encontrado também Nossa Senhora Aparecida! Por conta dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, várias igrejas pelo mundo estão expondo a imagem da Nossa Mãe, e eu só descobri isso quando estava lá em Praga. Sou incapaz de descrever tanta emoção!

Continuamos nossa caminhada até o Castelo de Praga (Prazsky head) e subimos uma longa escadaria até chegarmos lá em cima e descobrirmos que o Castelo é, na verdade, um grande complexo que abriga a Catedral de São Vito (Katedrála Sv. Víta), a fonte de Kohl (Kohlova kasna), o Antigo Palácio Real (Stary královsky palác), etc. Nós já estávamos cansados e optamos por fazer o passeio só pelo ambiente externo, mas, se algum dia voltarmos a Praga, vamos nos programar para ir pra lá mais cedo e fazer as visitas aos museus. Pra mim, o mais difícil mesmo foi descer aquela escadaria toda!

Voltamos andando pro hotel calmamente, o que ocupou mais quase 1 hora do nosso dia. Ao finalmente chegarmos ao hotel, estávamos tão esgotados que decidimos experimentar a comida do restaurante que tinha lá mesmo, e foi uma boa surpresa ver que o cardápio tem ótimas opções com preços atrativos.

Na quinta feira, acordamos dispostos a explorar os outros cantinhos de Praga que ainda não tínhamos conhecido, e começamos pela manhã caminhando até o monumento de Franz Kafka (Socha Franze Kafky). Antes de chegarmos a este monumento, passamos por uma pequena feira. Seguimos em direção ao bairro judeu, caminhando por suas ruas estreitas e aproveitando para descobrir sob o sol escaldante as belezas daquela região.

De lá, fomos até o Muro de John Lennon (Lennonova zed), passando novamente pela Ponte Carlos e enfrentando mais uma vez uma multidão de turistas. O Muro de John Lennon está em constante mudança, já que todos que passam por lá podem deixar sua marca. Achei um lugar emocionante, até porque tinha um rapaz tocando IMAGINE bem na hora em que chegamos por lá e eu fiquei cantando junto!

Decidimos almoçar no Malostranska Beseda Pilsner Urquell Original Restaurant, onde degustamos a famosa cerveja tcheca. Eu optei por almoçar uma salada, porque tava calor demais pra comer qualquer outra coisa.

Depois do almoço, caminhamos um pouco mais por Mala Strana, tomando novamente o caminho do hotel com tranquilidade, parando na livraria Kanzelsberger para comprar meu souvenir favorito: lápis do Krteček, uma toupeira! Este personagem, criado por Zdenek Miler em 1957, era muito popular principalmente nos países da Europa Central mas também na Rússia, Croácia, China, entre outros. Eu nunca tinha visto esse desenho, mas em todos os lugares de Praga podíamos ver bonecos, brinquedos e outros objetos diversos dessa toupeira fofa. E, quando voltamos pra Armênia, descobri que esse desenho também fez sucesso por aqui na época da União Soviética! Mais uma vez, jantamos no nosso hotel, recuperando nossas forças para encarar mais um dia de viagem de trem que viria no dia seguinte!

Conectados nas férias

Hoje em dia é muito difícil ficarmos sem conexão a internet, né?! Estamos tão habituados a estarmos conectados todo o tempo que, em viagens, já é comum buscarmos logo um SIM Card para podermos continuar conectados sem pagar taxas altíssimas de roaming!

Nestas nossas férias, não foi diferente, e na França nós compramos um SIM Card da operadora FREE para cada um, e foi ótimo!

O SIM Card custou E10,00 e o pacote com 1 mês de ligações, SMS e 5GB de internet com roaming em toda Europa custou E19,99. O pacote pode ser renovado no 30o dia, e paga-se novamente a taxa de E19,99 para continuar com acesso aos serviços.

Eu cheguei a usar um restinho dos dias da FREE em Portugal, mas não renovei antes do 30o dia, então tive que comprar um novo SIM Card lá, da operadora MEO, e que custou E12,50 para 1GB que durariam até 15 dias. Dá pra ver que o custo benefício da FREE é muito melhor, né?!

Na Rússia, nós compramos SIM Cards da operadora MTS com o plano Smart com 3GB de internet, e custou 450 Rublos (cerca de 8 dólares). Nós consideramos ser ótimo ter um SIM Card russo não só pela conexão em tempo integral mas também pra poder desfrutar do wifi em lugares públicos na Rússia, uma vez que é lei nacional ter um número de telefone russo para este uso: ao conectar-se a uma rede wifi pública, abre-se uma página de conexão onde deve-se escrever o número de telefone russo para receber um código por SMS que permite a conexão (e só é válido mesmo pra número russo!). O roaming da Armênia pra Rússia não é nem um pouco caro, e nós chegamos a usá-lo na primeira vez que fomos pra Rússia, mas, por conta dessa lei, achamos melhor comprar um número russo e poder desfrutar também do wifi durante nossas viagens.

Nas férias de janeiro, eu comprei um SIM Card da Orange na França, e o Felipe comprou um SIM Card da 3 na Inglaterra. Eu já tinha usado a 3 como operadora quando passei 1 mês estudando em Londres em 2012, e é uma das minhas opções favoritas de operadora na Europa por oferecer excelentes serviços e um preço competitivo. A Orange foi caríssima (60 euros!) pra apenas 15 dias de serviço.

Aqui na Armênia, já experimentamos a operadora Beeline e agora estamos usando os serviços da UCom. Ambas oferecem serviços similares, a partir de 1500 AMD (cerca de 3 dólares).

E vocês? Como fazem quando estão viajando: compram um SIM Card novo, usam só wifi quando está disponível, ou usam roaming da sua operadora costumeira?

Museu de História da Armênia

Ontem aproveitei a companhia do nosso amigo Guilherme que está nos visitando essa semana e fui com ele ao Museu de História da Armênia, que fica na Praça da República, aqui em Ierevan. Já tínhamos passado várias vezes pelo Museu, mas nunca entramos, então aproveitei a oportunidade para fazer uma primeira visita.

Digo primeira visita porque o Museu é muito grande e tem amplo acervo, com cerca de 400.000 peças que datam do período Paleolítico até a proclamação da República da Armênia, há apenas 25 anos! Logo, tenho certeza de que terei que voltar algumas vezes para poder conferir com calma todo o acervo e aprender sempre um pouquinho mais da história desse país que me surpreende a cada dia.

O Museu de História da Armênia foi fundado em 9 de setembro de 1919 e só começou a admitir visitantes quase 2 anos depois, a partir de 20 de agosto de 1921. Por conta do seu amplo acervo, o Museu representa uma figura integral da história e cultura da Armênia desde mais de um milhão de anos atrás até os nossos dias, apresentando os traços raros das relações interculturais da Armênia deste então.

O Museu fica aberto de terças a sábados entre 11h e 18h (última admissão às 17h15), e aos domingos entre 11h e 17h (última admissão às 16h15). O ingresso custa 1000 AMD (cerca de USD2,50) e é possível fazer visitas guiadas em Armênio (3000 AMD), Russo (5000 AMD), Inglês (5000 AMD), Francês (5000 AMD), Alemão (5000 AMD) e Italiano (5000 AMD). A entrada é gratuita para todos os visitantes no último sábado de cada mês. É proibido fotografar dentro do museu, e também não é permitido entrar com mochilas.

Looks da vida real em viagens

Quando a gente viaja, é claro que a gente quer ficar bonitinha nas fotos: afinal, são estes registros aos quais vamos recorrer quando sentirmos saudade daquela viagem, além de mostrar pra nossa família e nossos amigos.

Mas manter a dignidade nos looks de uma viagem nem sempre é fácil, principalmente quando a ideia é carregar pouca coisa. Some-se a isso as longas horas andando pelas cidades, tomando transporte público, e ainda prestando atenção pra não sofrer um furto (os pick pockets estão por toda parte!) que pode transformar a alegria de uma viagem num transtorno sem fim.

Com o advento das redes sociais, o que a gente mais vê são pessoas lindas e glamurosas passeando por Paris, Berlim, Londres, Nova Iorque, etc etc, com seus saltos altíssimos e suas peças de luxo, porque tem carro à disposição e pode ser até que só desçam do carro pra fazer o #lookdodia ou pra entrar em algum restaurante caríssimo. Na vida real, não é assim que funciona: a gente entra no metrô e no ônibus, caminha pela cidade inteira, torce o pé nas calçadas nem sempre muito bem conservadas, entre outros.

Nessas nossas últimas férias, a gente quis carregar a menor quantidade de coisas possível, o que naturalmente limitava os meus looks. Mas acho que consegui manter alguma dignidade, mesmo com o calor surreal que estava fazendo em Nice, Cannes, Mônaco, Milão, Berlim, Potsdam e Praga, combinando todas as peças que carreguei, e adicionando uns vestidinhos que comprei ao longo da viagem. Em Vienna, 2 dos 3 dias foram mais frescos; o dia em que fomos à Bratislava também estava um pouco mais fresco. Em Moscou e São Petersburgo estava frio – principalmente em São Petersburgo, onde as temperaturas não passaram dos 12ºC!

IMG_3910
casaco Uniqlo, t-shirt de manga comprida Zara, calça Zara, tênis Converse All Star, mochila Longchamp
IMG_4133
trench coat Burberry, calça jeans Cantão, tênis Usaflex, t-shirt de manga comprida Zara, mochila Longchamp
IMG_4241
Camiseta de algodão e short jeans Animale, sapatilha Usaflex, bolsa Gucci e cinto herdado da Mivó
IMG_4580
t-shirt Stradivarius, salopete Mango, bolsa Gucci, sandália Usaflex
IMG_0244
t-shirt Zara, short jeans Animale, bolsa Gucci, sandália Usaflex
IMG_4835
salopete Mango, t-shirt Zara, mochila Longchamp, sandália Usaflex
IMG_4912
camiseta de algodão e short jeans Animale, bolsa Gucci, sandália Usaflex, jaqueta impermeável Zara
IMG_5105
Salopete Mango, camisa de tricoline Zara, mochila Longchamp, tênis Converse All Star
IMG_5145
macaquinho H&M, bolsa Gucci, sandália Usaflex
IMG_0493
t-shirt Zara, short jeans Animale, bolsa Gucci, tênis Converse All Star
IMG_5200
vestido H&M, cardigan Tommy Hilfiger, bolsa Chloé, sandália Usaflex
IMG_0502
camiseta de algodão Animale, calça jeans Cantão, tênis Usaflex, mochila Longchamp
IMG_0628
vestido H&M, mochila Longchamp, sandália Usaflex
IMG_0669
jaqueta impermeável e t-shirt Zara, calça jeans Cantão, sapatilha Usaflex, bolsa Gucci
IMG_0806
t-shirt de manga comprida Zara, calça Cantão, mochila Fjällräven, tênis Usaflex
IMG_0834
camisa de tricoline Zara, short jeans Animale, mochila Fjällräven

E quem me acompanha no instagram viu que eu estive uns dias em Portugal com meus pais! Foi uma continuação das férias, mas os looks foram outros, já que a maioria das peças que usei veio do Brasil nas malas deles.

6174653776_img_1119
t-shirt Bershka, calça Animale, cinto ABrand, mochila Fjällräven
img_5509
suéter Cantão, calça Animale, tênis Converse All Star, mochila Fjällräven, colar Monte Carlo


img_5660
t-shirt Bershka, short jeans Animale, mochila Fjällräven, tênis Converse All Star, meia do Mickey comprada na Disney