Museu Histórico e Naval da Istria em Pula

O Museu histórico e marítimo de Istria (em croata, Povijesni i pomorski muzej Istre; em italiano, Museo storico e navale dell’ Istria) fica localizado na fortaleza veneziana Castelo de Pula, que fica na colina mais alta de Pula, com uma altitude de 32,4m. Devo confessar que foi um dos lugares que mais gostei de visitar em Pula!

IMG_4981

Entre o mar e as colinas da Arena, Zaro e Sv. Mihovil, a fortificação veneziana foi adaptada para abrigar, desde 1961, o Museu Histórico da Ístria, fundado em 31 de dezembro de 1955 como Museu da Revolução.

O Museo storico e navale dell’ Istria conduz suas atividades como uma instituição pública e, atualmente, guarda partes da herança nacional e universal. O Museu tem vários departamentos, que cuidam dos arquivos com mais de 40 mil artefatos relacionados aos anos de dominação fascista na região de Ístria, bem como os registros da resistência e luta pela libertação do regime autoritário. Entre eles, muitos cartões postais, mapas, e uma coleção ampla de armamentos, uniformes e equipamentos militares e navais.

O ingresso para visitar a fortaleza e o Museu custa 20 kuna para adultos.

Advertisements

Disney World: o que é e como agendar o FastPass+

Quem tá em dia com os posts aqui do blog sabe que eu sou Disney freak assumida, e também que eu já fui guia pra Orlando entre 2009 e 2014. Ao todo, foram 15 viagens pra Orlando, e depois de 4 anos e meio de muita saudade (e umas escapadas pra Disneyland Paris no meio), finalmente chegou a hora de curtir toda a magia dos parques da Disney World de novo! Ou seja, atualizamos esse número para 16 hihihihi

captura de tela 2019-01-22 às 17.11.47

Neste post, quero fazer um passo a passo pra ajudar quem nunca foi pra Disney World e quer usar o My Disney Experience para agendar seus FastPasses.

Mas, pera aí, Letícia, o que é um FastPass+?

Calma que eu te explico. Desde a primeira vez que fui pra Disney, lá nos idos de 2004, já existia o sistema chamado FastPass, que nada mais é do que um “fura fila autorizado”. Nos parques da Disney, esse serviço sempre foi gratuito (nos parques da Universal existe o Express, e no Sea World e no Busch Gardens há o QuickQueue, porém ambos serviços são pagos e os preços variam de acordo com a época do ano e a demanda). As atrações da Disney tem, em geral, dois tipos de filas: stand-by e FastPass. A fila do FastPass anda mais rápido do que a stand-by (que, como o nome já diz, é uma espera), porque é distribuído um número limitado de passes para cada período do dia.

Até dezembro de 2013, pra conseguir um FastPass, você ia até máquinas localizadas ao lado de cada atração, colocava o seu ingresso, e a máquina devolvia o ingresso e mais um papel (equivalente ao FastPass) com um horário pra você voltar para aquela atração na fila do FastPass, sem a necessidade de ficar na fila do stand-by. Nessas horas, ir com um grupo guiado (alô Point Travel!) era uma vantagem imensa, porque enquanto um dos guias acompanhava o grupo em uma atração, o outro guia ia buscar FastPass, sempre buscando criar o melhor roteiro dentro de cada parque. Era mais complicado do que se pensa, principalmente se levarmos em consideração a lógica dos parques (sim! Cada parque tem uma lógica e tudo fica muito mais divertido quando a gente entende isso!) e também o fato de que só se podia agendar outro FastPass um determinado tempo depois de usá-lo. A Tininha, guia da Point Travel de quem eu era assistente, era muito expert nos FastPasses, e graças a ela já chegamos a usar 7 FastPasses num único dia de Magic Kingdom (que é o parque com maior número de atrações)!

Quando levamos o grupo de 2014, a Disney já tinha modernizado todo o sistema, com a implementação do My Disney Experience, das Magic Bands e do FastPass+. O que mudou, de fato, foi que a experiência passou a ser controlável também virtualmente, já que os ingressos ficam ligados a uma conta no My Disney Experience; ainda há totens de autoatendimento nos parques, próximos a determinadas atrações, onde os desavisados podem agendar seus FastPasses daquele dia, ou mesmo novos FastPasses de acordo com a disponibilidade. A partir de então, os ingressos de papel foram substituídos por cartões que tem um QR Code e que são, além de ingresso, os próprios FastPasses; se você comprar uma MagicBand, o seu ingresso será associado à MagicBand bem como os seus FastPasses agendados.

img_0888
minha MagicBand de 2014: edição especial da Mickey’s Not-so-scary Halloween Party

Com o FastPass+, é possível agendar até 3 atrações pelo My Disney Experience, com até 30 dias de antecedência a partir das 07h00 do horário local de Orlando. Para os hóspedes dos hotéis da Disney, a antecedência aumenta para 60 dias do dia do seu check in, podendo marcar os FastPasses+ de todos os dias da sua estadia de uma só vez. Isso é, de fato, uma vantagem interessante, já que as atrações mais novas, que costumam atrair mais visitantes (por exemplo, Flight of Passage no Animal Kingdom, Slinky Dog Dash no Hollywood Studios, e até a Seven Dwarfs Mine no Magic Kingdom que já tem 5 anos desde a sua inauguração mas continua ultra popular) costumam ter seus FastPasses esgotados antes dos 30 dias que os reles mortais dispõem. Faz tempo, mas eu já me hospedei em um hotel da Disney, e embora eu reconheça as vantagens (que aumentaram significativamente quando consideramos o FastPass+) eu tenho também muitas ressalvas, porém isso é assunto pra outro post. Fato é que, mesmo com os 30 dias de antecedência, dá pra agendar uns FastPasses+ bem interessantes e economizar bastante tempo nos parques, se você tiver uma boa estratégia – ou então guias muito sábios e espertos que vão te ajudar a aproveitar ao máximo (alô Point Travel de novo!). Se você nunca foi pra Disney World e/ou vai encarar sozinho os parques e a tarefa de marcar os FastPasses+, é fundamental estudar os mapas dos parques antes para se familiarizar com as opções e a disposição das atrações, porque você definitivamente não quer perder tempo “ziguezagueando” dentro do parque!

img_6650
MagicBand de 2019!

Dessa vez, comprei o ingresso de 5 dias, com 1 parque por dia (ou seja, sem a opção Park Hopper, que permite ir a mais de um parque por dia). Como eu tô indo sozinha pros parques da Disney, e graças a Deus eu conheço a Disney World como a palma da minha mão (obrigada Point Travel), eu não só já sabia exatamente o que eu queria fazer em cada parque mas também qual deles eu achava necessário repetir, bem como qual a estratégia de FastPasses eu usaria (e cenários alternativos para o caso de adotar estratégias diferentes!).

Eu estava ansiosíssima pra agendar meus FastPasses, e marquei cada dia de parque no minuto que ficava disponível (Disney freak, né, mores). Então aqui está como exemplo o meu primeiro dia de parque.

captura de tela 2019-01-22 às 17.11.59

Ao abrir a página do My Disney Experience, você verá as seguintes opções: “família e amigos”, “hotel no resort”, “ingressos dos parques”, “refeições”, e “FastPass+”. Como em 2014 este sistema já estava em vigor e o Felipe foi comigo em 3 dos 4 parques, o nome dele já aparece no meu cadastro; na época, reservei os FastPasses+ pra nós dois, enquanto, dessa vez, as reservas que o incluem são apenas para restaurantes do complexo Disney World mas que ficam fora dos parques (ou seja, não precisam de ingresso).

captura de tela 2019-01-27 às 11.08.31

Na opção FastPass+, você poderá adicionar novos FastPasses+ ou mesmo atualizar os horários dos FastPasses+ que você já tiver agendado. Ao clicar em “adicionar novo FastPass+”, aparecerá a opção “criar grupo de FastPass+”. Por isso, é importante que, antes que se inicie o prazo para começar a agendar seus FastPasses+, os perfis de todos os integrantes do seu grupo já estejam criados e associados à conta do responsável pelo agendamento dos FastPasses+ (é bom demais se você tem um agente de viagem pra fazer isso por você).

captura de tela 2019-01-27 às 11.09.20

No meu caso, eu era a única integrante do meu “FastPass+ Party”, então lá fui eu clicar “next”. O próximo passo era escolher a data:

captura de tela 2019-01-22 às 17.55.21

E, em seguida, o parque que eu visitaria naquele dia:

captura de tela 2019-01-27 às 11.09.20

No meu caso, eu quis ir neste primeiro dia no Hollywood Studios, e mas sabia que só queria chegar por lá mais tarde, então eu minha estratégia era agendar meus FastPasses+ pra depois das 15h30.

captura de tela 2019-01-22 às 17.54.52

Meu plano pra esse dia era ir pra Toy Story Land, fazer as atrações desta área nova, depois ir pra área da Sunset Boulevard pra aproveitar a Rock n Roller Coaster e a Tower of Terror antes do Fantasmic!. Nos parques Hollywood Studios, Animal Kingdom e EPCOT, a Disney criou 2 categorias de FastPasses (Tier 1 & Tier 2); no Magic Kingdom, não há esta distinção. No Tier 1 do Hollywood Studios, por exemplo, estão as 3 atrações da Toy Story Land (Toy Story Mania!, Slinky Dog Dash, Alien Swirling Saucers) e você só pode escolher 1 destas 3 atrações pra agendar seu FastPass+; todas as outras atrações (como Rock ‘n’ Roller Coaster, Tower of Terror, Star Tours: The Adventure Continues, entre outras) estão no Tier 2 deste parque, e você pode agendar FastPasses+ antecipados para 2 atrações do Tier 2. Eu, então, escolhi o Toy Story Mania! do Tier 1, já que Slinky Dog Dash estava esgotado, e escolhi os outros 2 FastPasses+ (correspondentes ao Tier 2) para um horário mais próximo do Fantasmic!, que começaria às 20h e fica ali coladinho na Tower of Terror.

Se fosse um dia normal de parque, em que eu me planejo pra ficar o dia inteiro, eu teria tentado marcar os FastPasses+ pra parte da manhã, idealmente terminando ao meio-dia. Por quê? Porque, quando você usa os seus 3 FastPass+ previamente agendados, você destrava um novo FastPass+! Então, considerando que o seu último FastPass+ estava marcado para a janela de 11h-12h, ao meio-dia você pode entrar no aplicativo My Disney Experience ou procurar um totem no parque pra marcar um novo FastPass+. Cada FastPass+ tem uma janela de 1 hora: então o ideal é marcar esses 3 para 9h-10h, 10h-11h e 11h-12h pois, assim, ao meio-dia você já pode ir lá marcar um novo FastPass, e você ainda tem muitas horas de parque pra curtir! Claro que nem sempre isso vai ser possível, mas não se desespere, porque mesmo assim vai dar tudo certo!

Até porque tudo isso pode mudar de acordo com a disponibilidade ou mesmo a estratégia do parque – e é aí que o conhecimento faz toda a diferença (de novo, obrigada, Point Travel). Por exemplo: o Animal Kingdom, que completa 20 anos neste ano, agora vive lotado por causa de Pandora – The World of Avatar, que tem 2 atrações super concorridas (Flight of Passage e Na’vi River Journey) no Tier 1 de FastPass+. Mesmo entrando no My Disney Experience no primeiro segundo pra marcar os meus FastPasses+ do Animal Kingdom, eu não consegui o FastPass+ pro Flight of Passage, que costuma ter filas consideravelmente maiores do que o Na’vi River Journey. Fiquei triste? Claro que não!

captura de tela 2019-01-27 às 11.23.11

Eu simplesmente ajustei a minha estratégia pra aproveitar ao máximo este parque do qual eu gosto tanto: ao invés de marcar o primeiro FastPass+ pra janela entre 09h-10h, eu optei por marcar o Everest para 10h-11h e Dinosaur para 11h-12h, parando para almoçar antes de ir para Pandora e usar meu FastPass+ pra depois esperar na fila do Flight of Passage. O que acontece é que, geralmente, as pessoas que vão para os parques se direcionam em massa para estas atrações mais novas/mais concorridas nos primeiros minutos em que o parque abre (tinha gente literalmente correndo), deixando as outras atrações livres ou com pouquíssimo tempo de espera na fila stand-by!

Então, ao chegar no Animal Kingdom, ao invés de seguir o fluxo e correr pra Pandora, eu me programei pra ir direto pro Kilimanjaro Safari (bem cedinho é a melhor hora do dia pra ver os animais!) e em seguida para o Festival of the Lion King (uma das minhas atrações preferidas de toda a Disney World), ambos na área da África, partindo pra Ásia e entrando no Everest nos meus minutos finais de FastPass+ já com 2 atrações que eu adoro feitas e sem filas! De lá, segui pro Dinossaur e, enfim, fui almoçar no Tusker House (depois vou escrever em detalhes aqui). Depois do almoço, segui pra Pandora com todas as outras atrações que eu mais gosto feitas! Por conta do Fastpass+, fiz o Na’vi River Journey super rápido. E, mesmo esperando 2h30 na fila do Flight of Passage (que é absolutamente incrível, não consigo nem descrever), a minha estratégia deu tão certo que eu ainda consegui tirar fotos com Mickey e Minnie (peguei fila de 30min) e assistir de novo o Festival of the Lion King (que eu amo de paixão) antes do Rivers of Light!

Se você tiver alguma dúvida sobre o Fastpass+, comenta aqui que eu farei o possível pra esclarecer tudo!

O coliseu de Pula

A cidade de Pula/Pola é uma das maiores e mais importantes desde os tempos romanos (dividindo a atenção apenas com Porec/Parenza e Rovinj), e é lá que encontramos a 6ª maior arena romana preservada do mundo.

DSC01021

O coliseu de Pula é um anfiteatro construído integralmente em pedra entre 29 e 27 a.C.. Este coliseu tem impressionantes 132m de largura, 105m de comprimento e 33m de altura. Há dois mil anos atrás, a arena de Pula era palco de lutas entre leões e gladiadores, que chegavam a atrair até 23 mil espectadores; hoje, são os festivais de cinema, música e dança, e outros grandes espetáculos musicais que atraem o público. Entre os muitos artistas que já se apresentaram nesta arena, figuram Luciano Pavarotti, David Gilmour, e Michel Teló!

A construção do anfiteatro e arena de Pula começou durante o reinado do Imperador Augustus, no início do século I, e foi expandida durante o reinado da dinastia Flavian, quando sua capacidade passou a ser de 23 mil espectadores. Construída com pedras do estilo da Toscana, o anfiteatro consiste de 4 níveis, com seu ponto mais alto chegando a 33m de altura. Como foi construída numa colina elevada, sua parte leste fica num terreno naturalmente elevado, que aumenta a área em dois níveis. São 72 arcos semi-circulares, com 64 janelas quadradas no seu último nível. No caso de mau tempo, a área dos espectadores poderia ser coberta com linho.

IMG_4747

Os arcos do eixo principal são um pouco mais amplos para enfatizar as entradas principais; no entanto, o mais importante dos arcos é aquele na entrada sul, de frente para a cidade. A parte central do anfiteatro é a área de luta (ou seja, arena), que era usada para organizar lutas entre gladiadores, caça de animais e até mesmo tribunais públicos. Embora a entrada fosse gratuita, os lugares seguiam um arranjo que seguia de modo estrito a hierarquia social de riqueza e reputação; os mais pobres ficavam sentados no nível com a pior visão da arena. Panem et circenses (pão e circo) era o lema Romano, na medida em que o Império entretinha o povo com a organização de jogos e distribuíam pães antes do início das apresentações. Abaixo da arena de lutas, ficava localizado uma sala no subsolo onde as feras eram mantidas em suas jaulas; hoje, neste mesmo espaço, encontramos a exibição permanente sobre produção de vinho, azeite e azeitona na região da Ístria.

Por conta do seu tamanho impressionante, a Arena de Pula foi construída fora dos limites estabelecidos pela muralha da Pula Romana. O ingresso para adultos custa 50 kuna e 25 kuna para crianças.

O centro histórico de Pula

Nossas aventuras da road trip continuaram na região da Ístria, que é dividida entre Itália, Croácia e Eslovênia. Por lá, nossa primeira parada foi Pula, a charmosa cidade do lado croata da região. A península da Ístria é a maior península no mar Adriático, com cerca de 3600 km², localizada entre o Golfo de Trieste, os Alpes Dináricos e o Golfo de Carnaro. A península já pertenceu aos impérios Romano, Bizantino e Austro-Húngaro, depois fez parte do território italiano no pós-Primeira Guerra Mundial, e mais tarde foi incorporada à antiga Iugoslávia no pós-Segunda Guerra. A maior parte da Ístria pertence à Croácia, e uma pequena área – que corresponde às cidades costeiras de Izola (Isola), Portorož (Portorose), Piran (Pirano) e Koper (Capodistria) – fica no território da Eslovênia, enquanto uma parte minúscula da península (as comunas de Muggia e San Dorligo della Valle) está em território Italiano.

Titov Park

IMG_4976

No Parque Tito em Pula, muitas estátuas e bustos prestam homenagem aos heróis nacionais que faziam parte do Movimento de Libertação Nacional, e que lutaram contra o fascismo na região de Istria. A peça central do Parque Tito é um impressionante monumento do escultor Vanja Radauš em homenagem aos soldados mortos. Além das homenagens aos partigiani, encontramos ali uma grande maquete da cidade.

Templo de Augustus e o Forum

IMG_4977

Além do templo dedicado à Tríade Capitoline no Fórum Romano de Pula, havia outros dois templos, mas o único visível hoje em dia é o Templo de Augustus, dedicado ao imperador romano de mesmo nome. Este templo foi construído em algum momento da vida de Augustus, o primeiro imperador romano, entre 27 a.C. e 14 d.C. O Forum, uma praça central da antiga e medieval Pula, está localizado na parte ocidental da cidade e foi construído durante o século I a.C. e seguia as estruturas de qualquer outro fórum romano dedicado à Tríade de Júpiter, Juno e Minerva. Além do templo centra, havia outros dois templos laterais no Fórum de Pula: o Templo de Augustos é o único que se mantém integralmente preservado, enquanto do outro só podemos ver a parede do fundo. Tal parede foi usada durante a construção da nova sede da prefeitura. O segundo templo, idêntico ao preservado Templo de Augusto, foi construído no mesmo estilo e era chamado Templo de Diana; originalmente dedicado à deusa Roma e ao Imperador Augustus, o templo foi erguido entre os anos 2 a.C. e 14 a.C. Ao longo da história, o templo teve suas funções modificadas:  primeiro, foi usado como uma Igreja Cristã; depois, como depósito de grãos; no século XIX, foi transformado em um museu de monumentos de pedra, até que foi bombardeado durante a Segunda Guerra Mundial e, então, completamente destruído. O Templo foi reconstruído entre 1945 e 1947, sendo restaurada sua função de lapidário.

Arco Triunfal dos Sergii

O Arco dos Sergii, um antigo arco do triunfo romano em Pula, conhecido também como Portão Dourado, foi erguido em comemoração aos três irmãos da família Sergii, uma poderosa família Romana que tinha mantido seu poder e glória por muitos séculos. Foi chamada Porta Aurea (ou Portão Dourado) por conta da decoração no topo do arco, que dava apoio às muralhas da cidade. O portão e as muralhas foram destruídas no século XIX quando foi adotado um novo plano urbanístico para a expansão da cidade. O Arco Triunfal é um exemplo maravilhoso das conquistas arquitetônicas da engenharia romano-helênica, com 8 metros de altura, erguido em algum momento entre os anos 29 e 27 a.C. Hoje, o Arco dos Sergii fica no centro da Praça Portarata.

Basílica Santa Maria Formosa

DSC01044

Localizada ao sul do centro histórico, a Basílica Santa Maria Formosa é um dos mais significativos monumentos Cristãos da arte e arquitetura Bizantina na região da Istria, e também em toda a Croácia. A Basílica foi construída no século VI. A Basílica Santa Maria Formosa ficou destruída depois do incêndio de 1242, quando os venezianos conquistaram Pula. Ao final do século XVI, a Basília estava em ruínas.

Porta Gemina

 

Pula era cercada por muralhas, com cerca de 10 portões para a entrada na cidade, e um dos poucos portões ainda preservados é a Porta Gemina, bem como parte da muralha no entorno. A Porta Gemina fica na Praça Giardin, e ganhou este nome por conta de suas duas aberturas semi-circulares que conduziam à cidade. Estes arcos/portões foram construídos entre os séculos II e III. Hoje, ao atravessar a Porta Gemina, encontramos o Museu Arqueológico, o Castelo e o pequeno Teatro Romano.

Pequeno Teatro Romano

DSC01098

A arquitetura e as ruínas de Pula atestam para o excepcional desenvolvimento cultural da cidade nos tempos antigos, confirmados pelo coliseu de Pula e dois teatros. O Grande Teatro Romano ficava fora das muralhas da cidade, e infelizmente não foi preservado. Por sua vez, o chamado Pequeno Teatro Romano, localizado na colina abaixo do Castelo, ainda está razoavelmente preservado; na Antiguidade, o teatro ocupava uma área maior, e estima-se que sua capacidade era de 4 a 5 mil espectadores, correspondendo à população de Pula naquela época.

Portão de Hércules

DSC01099

O Portão de Hércules em Pula fica entre duas torres (provavelmente medievais). Com uma arquitetura modesta, foi erguido com blocos de pedra acima dos quais, embora seja difícil de notar, está cravada a cabeça de Hércules com sua barba e cabelo encaracolado. É possível que tenha sido uma marca da cidade, como atesta o nome completo da Pula Romana: Colonia Iulia Pollentia Herculanea. Hoje, este portão marca a entrada da área onde se concentra a Comunidade Italiana em Pula.

Park Šuma Dotrščina em Zagreb

Um dos passeios mais legais – e fora do circuito tradicional – que fizemos em Zagrebe foi visitar o Park Šuma Dotrščina, que fica bem afastado do centro da cidade e abriga dois monumentos em homenagem aos milhares de mortos na Croácia pelo regime fascista entre 1941 e 1945 .

Para os croatas, o Park Šuma Dotrščina é o destino ideal para fazer trilhas de bicicleta e também passear com seus animais de estimação.