Metelkova e arte em Liubliana

Os 7 prédios de Metelkova, outrora sede militar do exército do Império Austro-Húngaro e, posteriormente, sede eslovena do Exército Nacional da Iugoslávia, estão ocupados por arte desde o começo da década de 1990.

IMG_5353

O Centro Cultural Autônomo de Metelkova (em eslovênio, Avtonomni kulturni center Metelkova mesto), também conhecido pela sigla AKC, fica no centro da cidade de Liubliana com uma área total de 12.500m² ocupada desde setembro de 1993. A área recebeu esse nome por conta da rua Metelko (em eslovênio, Metelkova ulica) que, por sua vez, homenageia o padre da Igreja Católica Romana Fran Metelko.

A história de Metelkova como um centro de arte começa em 25 de junho de 1991, com a declaração da independência da Croácia e da Eslovênia. Esse data é considerada uma das muitas que marcam o fim da República Socialista Federativa da Iugoslávia. Depois da dissolução da Iugoslávia naquele ano, o Exército Iugoslavo deixou Metelkova, que rapidamente se tornou um brownfield militar com seus quartéis abandonados. (Browfield é um termo usado para definir áreas com potencial de desenvolvimento e que antes eram usadas para fins militares.)

 

Em 1991, a Rede de Metelkova, formada por 200 organizações jovens e alternativas, pediu à prefeitura de Ljubljana que permitisse o uso daqueles quartéis para fins pacíficos e criativos. A prefeitura, então, cedeu à Rede de Metelkova a permissão formal de usar a área; entretanto, tais promessas não foram de fato cumpridas, e a prefeitura não queria que a área fosse efetivamente ocupada. Esse papel ambíguo se manteve por muitos anos, até que em 1993 Metelkova passou a ocupar ilegalmente a região, sendo redefinida como uma zona autônoma e auto-organizada em 1995. Desde então, o centro se tornou um lugar de aceitação para as minorias, embora ainda existam ameaças por parte das autoridades municipais e do Estado.

Outro exemplo da ambiguidade das ações do Estado Esloveno e da prefeitura com relação à Rede de Metelkova e à região são os subsídios da administração municipal para a construção de um pequeno abrigo de verão, conhecido como Mala Šola (ou Pequena Escola). Este abrigo, planejado e construído em 2001 por voluntários, foi imediatamente classificado como abusivo. À construção, seguiu-se o pedido de demolição, imediatamente depois de outro escritório municipal denunciá-lo para um órgão governamental. Depois de muitas tentativas frustradas, o prédio foi enfim demolido em 2 de agosto de 2006. Embora haja planos para reconstruí-lo, o projeto não saiu do papel.

Nos anos 2000, novos atores se envolveram na zona autônoma de Metelkova como, por exemplo, a comunidade LGBT, outras organizações não-governamentais e até mesmo a UNESCO. Embora não tenha ajudado Metelkova a receber seu status legal, a área foi reconhecida como Patrimônio Cultural Nacional em 2005.

Advertisements

Tivoli Park em Liubliana

O Parque Tivoli é o maior e mais bonito parque de Liubliana, que se estende até o centro da cidade e foi idealizado em 1813 pelo engenheiro francês Jean Blanchard. Blanchard uniu os parques que ficavam em torno das Mansões Podturn e Cekin, criando uma área de cerca de 5km².

IMG_5123

Cruzando o parque Tivoli, encontramos três largas vias de pedestres margeadas por muitas castanheiras e ornamentadas por flores, inúmeras árvores e numerosas estátuas e fontes, com a área do parque se misturando às colinas de Rožnik.

Jakopičevo sprehajališče (ou Passeio Jakopič, ou mesmo Jakopič Promenade), idealizado pelo arquiteto Jože Plečnik no centro do parque Tivoli, é uma área popular para a exibição de grandes fotografias e fica aberto o ano inteiro com exposições temporárias.

Desde a sua idealização em 1813, o Parque Tivoli passou por diversas expansões e projetos de re-paisagismo, incluindo a construção de um lago para peixes na margem oeste em 1880. Próximo ao lago, fica localizado um pequeno jardim botânico com uma estufa de vidro, cuja administração foi confiado ao Jardim Botânico de Liubliana em 2010, quando completou 200 anos. Dentro da estufa de vidro, há uma exibição permanente de plantas tropicais e carnívoras. Do outro lado do lago para peixes, há um playground infantil, que foi construído em 1942 e renovado em 1994.

IMG_5125

Entre 1921 e 1939, um extensivo projeto de atualização foi colocado em prática pelo arquiteto Jože Plečnik, que idealizou a ampla Jakopič Promenade, que termina aos pés da escadaria que conduz à Mansão Tivoli, e que homenageia o pintor impressionista esloveno Rihard Jakopič.

Em 1929, foi construída a piscina externa Letno Kopališče Ilirija em uma das pontas do parque Tivoli, com design de Stanko Bloudek. Quando foi construída, era a piscina mais moderna de todo o Reino da Iugoslávia. Em memória a Bloudek, um parque desportivo foi construído em frente à Mansão Cekin (Cekinov grad), incluindo quadras de tênis e basquete, um rink de patinação e skate, e um playground infantil idealizado pelo arquiteto Marjan Božič. Em 1965, Božič também criou o Dvorana Tivoli, um hall dedicado a eventos desportivos e concertos. Em 1973, foi construído um centro esportivo e recreativo com piscina interna e pistas de boliche, com design de Fedja Košir.

Piran, o coração da Ístria na Eslovênia

Continuando nosso passeio pela Ístria, atravessamos a fronteira da Croácia com a Eslovênia rumo à Piran e Portorož. As duas cidades ficam coladinhas uma na outra; nosso hotel ficava em Portorož, mas as principais atrações turísticas estão em Piran. Por isso, passeamos bastante por lá.

DSC01130

Piran é uma cidade portuária e, por conta disso, muitos dos visitantes passam apenas poucas horas por lá antes de voltarem para seus respectivos cruzeiros.

Muralhas de Piran

DSC01120

As muralhas da cidade de Piran datam do século VII, quando foram construídas em torno do antigo centro da cidade em Punta. Desde então, a cidade cresceu na direção de Mandrac, incluindo cada vez mais quarteirões que iam se formando fora dos limites da muralha. Por conta do crescimento da cidade, e visando protegê-la dos ataques inimigos, duas novas partes da muralha foram construídas, incluindo diversas torres de defesa. A seção da muralha melhor preservada é conhecida como Mogoron, e tem um valor histórico inestimável para a região.

Catedral de São Jorge

A Catedral de São Jorge, localizada no topo da colina acima do centro da cidade, de onde podemos ver 3 países ao mesmo tempo, é a maior igreja da cidade e homenageia o patrono de Piran. No século XIV, a Igreja foi construída do mesmo tamanho que se mantém até hoje, enquanto a renovação barroca no século XVIII deu à Igreja sua aparência atual. Por sua vez, a torre do sino ficou pronta durante o período de influência veneziana em Piran (no século XVII), e é uma cópia em menor escala do San Marco Campanile de Veneza. Seus 146 degraus conduzem ao topo da torre do sino, que tem 47,2m de altura e abriga quatro sinos.

Praça Tartini

O lugar onde hoje fica a Praça Tartini foi outrora um pequeno porto para barcos de pesca. Entretanto, no começo do século XIX, a área foi preenchida por areia e a nova plataforma ficou rapidamente cercada pelas mais importantes instituições municipais, sendo transformada em um mercado aberto. A praça foi batizada em homenagem a um famoso violinista e compositor local, Giuseppe Tartini (1692 – 1770). A praça tem o formato de uma elipse porque, entre 1912 e 1953, havia uma linha de bonde ligando a cidade de Piran às cidades vizinhas de Portorož e Lucija, e a praça servia como ponto de reversão do bonde.

Na Praça Tartini, encontramos a casa de Giuseppe Tartini e um monumento erguido em sua homenagem. Na casa de Tartini, uma sala foi organizada como memorial, exibindo itens valiosos como o violino do músico, sua máscara de morte e cartas escritas de próprio punho. Em 1892, celebrando o 200º aniversário de nascimento do compositor, o povo de Piran se mobilizou para erguer um monumento para honrar sua memória mas, por conta de atrasos, foi preciso esperar até 1896 para que a estátua de bronze do virtuoso músico fosse colocada no pedestal no meio da praça.

Também nesta mesma praça está a sede da prefeitura de Piran. No final do século XIII, os venezianos construíram a sede da prefeitura fora dos limites da muralha existente naquele período, em estilo gótico-romano. Somente no final do século XIX foi construída a sede da prefeitura na Praça Tartini, onde está até hoje.