Em Moscou com meus pais

A primeira viagem internacional dos meus pais foi cheia de aventuras: primeiro, nos aventuramos por Portugal, conhecendo o Porto, Fátima e Lisboa. Depois, viemos pra Ierevan, e aqui eles ficaram conosco por 3 semanas. Por fim, fomos passar o último final de semana da viagem deles em Moscou, de onde eles embarcariam de volta pro Brasil!

IMG_6017

Voamos de Ierevan para Moscou com a Ural Airlines, desembarcando em Domodedovo perto das 18h. De lá, tomamos um Uber até o nosso hotel, o Hilton Garden Inn Moscow Krasnoselskaya. Vale a pena notar que há um preço fixo de transporte de/para os aeroportos de Moscou, embora muita gente infelizmente seja enganada e acabe pagando muito mais pelo serviço de transporte. O preço determinado é de 1000 Rublos (cerca de 20 dólares), e nós geralmente temos optado por usar o Uber, que já debita no nosso cartão de crédito, mas também recomendamos os serviços do Yandex.

Localizado no Terceiro Anel de Moscou, este hotel Hilton fica pertinho da estação de metrô Krasnoselskaya (Красносельская), que atende à linha 1 (vermelha), e bem em frente ao shopping Troika (Тройка), o que foi super conveniente pra gente. Como o marido não pôde ir conosco, optamos por um quarto triplo, que era a opção mais barata pra hospedar nós 3, e o café da manhã incluído na diária. Chegamos no hotel mortos de fome e decidimos comer por lá mesmo, e pedimos frango na brasa acompanhado de batatas fritas. Pra um restaurante de hotel, o Garden Grille & Bar Restaurant tem preços bastante interessantes, e foi bom poder matar a fome por lá mesmo.

YJWK1373

Acordamos no sábado sem pressa e aproveitamos o farto café da manhã, oferecido como buffet. Saímos do hotel rumo à Praça Vermelha, e optamos ir de táxi, usando o serviço do aplicativo Yandex. Acontece que, em um grupo de 3 pessoas, a maioria dos trajetos sai mais barato de táxi do que de metrô e, como era final de semana, não havia muito trânsito na cidade, então realmente valia mais a pena tomarmos táxi.

IMG_1569

Chegamos na Praça Vermelha e estava um calor escaldante! A fila pra visitar o Mausoléu do Lênin estava imensa, e meus pais preferiram não encarar. Passeamos, então, pelos jardins do Kremlin, e aproveitamos para admirar calmamente a arquitetura da Praça, da Catedral de São Basílio e do Kremlin. Cada vez que eu vou lá, eu me emociono, porque é realmente um lugar belíssimo!

Passeamos um pouco também pela GUM e, quando chegou a hora de almoçarmos, eles preferiram comer no Bosco Fresh & Bar do que na Stolovaya 57 porque eles gostaram mais do ambiente e da vista da Praça Vermelha que o Bosco Fresh & Bar proporciona, mesmo do salão climatizado. Já falei um pouco da nossa experiência neste restaurante neste post aqui.

Meus pais ficaram muito encantados com a Praça Vermelha e adoraram a experiência. Minha ideia inicial era sairmos de lá rumo ao VDNKh para passearmos pelo parque e também visitarmos o Museu dos Cosmonautas, que fica lá perto, mas o calor era tão intenso que nenhum de nós 3 estava aguentando. Em qualquer viagem, eu acho que é primordial respeitar o ritmo e não forçar a barra. Então fizemos o caminho de volta pro hotel: meu pai ficou por lá descansando, e eu e a mamãe fomos passear no shopping Troika!

O shopping Troika é bem grande: tem 3 andares, uma Leroy Merlin imensa e um supermercado Auchan gigantesco. Nele, encontramos lojas como Zara, Decathlon, Nike, Adidas, Pull & Bear, entre outras, e uma boa praça de alimentação.

IMG_6029

No domingo, nosso primeiro destino foi a Igreja da Imaculada Conceição para participarmos da missa. A Igreja da Imaculada Conceição é imensa e belíssima, e foi muito emocionante pra mim poder participar da missa em russo pela primeira vez.

Saímos da missa renovados, e seguimos para meu lugarzinho favorito de Moscou: a Dom Knigi da Avenida Nova Arbat! Eu queria muito aproveitar essa viagem pra comprar minha coleção em russo de Harry Potter, mas eu queria uma edição específica – afinal, já que é pra colecionar livros de Harry Potter, que eles sejam especiais e diferentes, né? Já tinha olhado a Respublica (РЕСПУБЛИКА) da GUM, mas lá não tinha a edição que eu queria, e graças a Deus eu encontrei na minha Dom Knigi preferida!

Depois de passearmos pela enorme livraria, saímos em busca de alimento na Nova Arbat. Como já comentei no post sobre restaurantes em Moscou, nosso escolhido foi o Steak it Easy, restaurante ao qual só posso tecer elogios: eles não só atenderam a todas as nossas restrições alimentares, como também foram super acolhedores quando começou a chover e nós ficamos fazendo hora por lá. E, é claro, reforço minha dica da tortinha de chocolate com caramelo e flor de sal.

Eu falei que começou a chover? Gente, aquilo não foi chuva. Foi um dilúvio! A gente acabou ficando horas e horas no restaurante, e não conseguimos seguir pro Museu dos Cosmonautas. Sim, eu queria muito ter levado meus pais lá e fiquei de fato frustrada por não ter conseguido! Mas fé em Deus de que teremos outras oportunidades!!

A princípio, nós íamos trocar de hotel no domingo de noite, e iríamos pro Ramada que fica do lado do aeroporto, já que o vôo deles pra Lisboa sairia bem cedinho do Domodedovo, e o meu vôo pra Ierevan logo em seguida. Mas acabamos optando por ficar lá no Hilton mesmo, e sairmos mais cedo do hotel pro aeroporto na segunda feira. Assim, aproveitamos o finzinho do domingo pra voltarmos no shopping e comprarmos algumas coisinhas para comermos antes de sair do hotel rumo ao aeroporto, além das minhas caixinhas de biscoito Barni (que ainda não chegaram na Armênia #chateada). Jantamos de novo no restaurante do hotel pela comodidade e para podermos arrumar as malas com calma.

Saímos do hotel 04h15 da manhã (eu sei, cruel!) e chegamos no aeroporto 45min depois. O Domodedovo é bem longe mesmo de tudo, e há que se planejar bem pra chegar cedo e não correr risco de perder o vôo. Já tínhamos feito check in online, então só precisamos despachar as bagagens deles na TAP e seguimos pro embarque. Depois dos procedimentos de segurança e imigração, que demoram MUITO no Domodedovo, sentamos pra tomar um último cafézinho juntos até a hora em que eles embarcaram.

Eu fiquei muito feliz de ter podido passear um pouquinho em Moscou com meus pais, mesmo que não tenhamos feito tudo o que tínhamos planejado! Foi um final de semana especial com eles e pra eles!

Restaurantes em Moscou

Se alguém me dissesse um dia que eu já teria ido passear em Moscou 4 vezes em 4 meses, eu jamais acreditaria. Tenho mesmo é que dar graças a Deus por estas oportunidades que já aconteceram na minha vida, e por ser relativamente fácil ir daqui de Ierevan pra capital da Rússia!

Com isso, temos podido experimentar diferentes restaurantes em Moscou, e, se eu já contei sobre alguns deles no post sobre nossa primeira ida pra essa cidade incrível, resolvi reunir em um único post todas estas experiências que tivemos! E, de cara, já registro uma informação importante: é bem mais caro comer na Rússia do que na Armênia!

  • Dr Jivago (Dr. Живаго)

A localização desse restaurante é incrível, em frente ao Kremlin. O restaurante funciona 24h e, segundo informações colhidas, vive lotado. No dia em que fomos, chegamos depois da meia noite e ainda assim tivemos que esperar alguns minutos por alguma mesa. O menu tem versão em inglês, e foi a refeição mais cara que já fizemos em Moscou. No cardápio, delícias típicas, com direito à pasta de beterraba.

IMG_2810.JPG

Como chegar: estação de metrô Ploshchad Revoliutsii (Площадь Революции) para linha 3, ou Teatralhnaia (Театральная) para linha 2. A estação Tverskaya (Тверская) também fica ali por perto, pra quem usa a linha 2.

  • Uilliam’s

Esse restaurante tem um ambiente muito bacana, localizado na rua Malaya Bronnaya. O menu tem várias opções para os diferentes horários do dia, e o brunch que tomamos lá ainda é uma das minhas refeições favoritas de Moscou.

IMG_2869.JPG

Como chegar: As estações de metrô mais próximas são Tverskaya (Тверская) pra quem usa a linha 2, e Pushkinskaya (Пушкинская) pra quem usa a linha 7. De qualquer uma destas estações até o Uilliam’s, uma caminhadinha de uns 10 minutos.

  • Le Pain Quotidien (Хлеб Насущный)

A famosa rede francesa também tem várias filiais na capital russa. A padaria tem pães deliciosos, e eu também recomendo fortemente tomar café da manhã/brunch por lá, já que os pratos são muito saborosos.

IMG_3090.JPG

Como chegar: são muitas filiais! Certamente haverá uma perto de você.

  • Stolovaya 57 (Столовая 57)

Pra mim, é o clássico dos clássicos de Moscou. Fica no 3º andar da GUM (ГУМ), e é uma opção muito boa para quem quer uma farta refeição a preço justo em plena Praça Vermelha. Não tem uma vez que eu vá a Moscou e não vá lá!

Como chegar: estação de metrô Ploshchad Revoliutsii (Площадь Революции) para linha 3, ou Teatralhnaia (Театральная) para linha 2. A estação Tverskaya (Тверская) também fica ali por perto, pra quem usa a linha 2.

  • Shokoladnitsa (шоколадница)

Esse também tem aqui em Ierevan, e muitos pontos em Moscou. É um bom café, com menu cheio de delícias, e também pratos salgados pra refeições rápidas. Eu amo o chá de limão, gengibre e mel deles!

Como chegar: são muitos os pontos desse café em Moscou! Quase que tem um a cada esquina!

  • Burguer Heroes/Bad Bro Bar

A rede Burguer Heroes também tem algumas filiais em Moscou, mas nós fomos na que fica dentro do Bad Bro Bar, que tem um ambiente que lembra um pub, onde a cerveja é bem servida. O menu do Burguer Heroes tem hambúrgueres gourmet saborosos, e os  seus nomes remetem a personagens famosos. Os hambúrgueres demoraram um pouco pra ficar prontos, e é preciso ficar atento ao número do pedido, já que o sistema de chamada dos pedidos não é muito eficiente.

IMG_3322.JPG

Como chegar: rua ul. Gruzinskiy Val, 28, Moskva, Rússia, 123056. Estação de metrô Belorusskaya (Белорусская) para linhas 2 e 5.

  • Kafé Merkato no Parque Gorky (Кафе Меркато Парк Горького)

Pense num ambiente delicioso, no meio do Parque Gorky, com música boa tocando ao fundo, uma focaccia deliciosa, e um Aperol Spritz bem feito: este é o Café Merkato. São dois ambientes, um interno e um externo e, como nós fomos na primavera, estava sol (porém fresquinho, não se enganem) e pudemos ficar no ambiente externo. Mas o ambiente interno me pareceu bastante agradável também.

IMG_4066.JPG

Como chegar: estação de metrô Park Kultury (Парк культуры) para linhas 1 e 5, ou Oktyabrskaya (Октябрьская) para linhas 5 e 6.

  • Бадамзар (Badamzar) Новый Арбат

Esse restaurante de comida uzbeque fica na Avenida Nova Arbat, onde também está localizada minha livraria favorita (Dom Knigi <3). Eu não estava botando muita fé na comida do Uzbequistão, mas fui positivamente surpreendida! No menu, uma entradinha de tomates com cebola deliciosa, e uma carne de cordeiro muito saborosa!

Como chegar: estação de metrô Arbatskaya (Арбатская) para linha 3, ou Biblioteka Imeni Lenina (Библиотека им. Ленина) para linha 1.

  • Волконский (Volkonskii) Новый Арбат

Sobremesas deliciosas num ambiente muito fofo! O serviço também é excelente. A Volkonskii também funciona como padaria, e fiquei sabendo que, à noite, eles dão descontos especiais no estoque do dia pra evitar o desperdício!

Como chegar: estação de metrô Arbatskaya (Арбатская) para linha 3, ou Biblioteka Imeni Lenina (Библиотека им. Ленина) para linha 1.

  • Razvedka (Разведка)

Esse restaurante tem um ambiente que me causou um pouco de desconforto, porque a decoração temática é toda ligada à espionagem, e as paredes são cobertas de armas, celulares antigos, etc. Os banheiros também entram na temática, e eu confesso que troquei de cabine quando vi que uma delas era totalmente decorada com câmeras de segurança! Me deu agonia hihihihi Falando em banheiros, eles são bem limpos. Mas a comida de lá é muito boa, e o serviço é bem justo. Eles também disponibilizam menu em inglês, e o preço é bem justo pra um restaurante/bar tão próximo da Praça Vermelha.

Como chegar: estação de metrô Ploshchad Revoliutsii (Площадь Революции) para linha 3, ou Teatralhnaia (Театральная) para linha 2.

  • Korio (Корё)

O glorioso restaurante Norte Coreano em Moscou tem um amplo cardápio cheio de quitutes típicos da Coréia do Norte. O ambiente também parece nos transportar diretamente para o país, decorado com peças típicas. Nas TVs, ficam passando filmes com apresentações musicais muito produzidas do país. Tudo o que provei estava muito gostoso, e o temperinho apimentado deles dá um toque especial a todos os pratos.

Como chegar: estação de metrô Ленинский проспект (Leninskyi Prospekt) para linha 6.

  • Burguer & Fries Miratorg (бургер и фраис Миратог)

Uma hamburgueria comandada pela maior produtora de frangos e carnes da Rússia, com menu simplificado e atendimento rápido. Nós descobrimos a Burguer & Fries Miratorg quase sem querer, quando estávamos com muita fome depois de termos chegado de Vienna em Moscou. A unidade em que fomos fica dentro de um mercado da Miratorg, o que facilita a vida de quem precisa comprar pequenos lanchinhos pra levar pro hotel.

IMG_5359.JPG

Como chegar: tem algumas unidades pela cidade, mas a que nós fomos é a da rua Mashi Poryvaevoy, acessível pela estação de metrô Krasnyie Vorota (Красные ворота) para linha 1.

  • Bosco Fresh & Bar na Praça Vermelha

Uma opção um pouquinho mais sofisticada para refeições na Praça Vermelha, mas ainda assim sem estourar o orçamento. Fui lá com meus pais em um dia bem quente de verão e estava tão cheio que não conseguimos mesa na área externa que fica, literalmente, na Praça Vermelha. Este Bosco fica no piso térreo da GUM (ГУМ), e o cardápio oferece opções saudáveis, como frango grelhado e saladas, e também várias massas. O serviço foi bem lento no dia em que estivemos lá – pedi gelo e tô esperando até hoje – mas não sei se era porque o restaurante estava bem cheio.

Como chegar: estação de metrô Ploshchad Revoliutsii (Площадь Революции) para linha 3, ou Teatralhnaia (Театральная) para linha 2.

  • Teremok (Теремок)

Fast food russo, com cardápio cheio de opções da culinária típica a preços módicos. Tem uma sopinha de frango com macarrão que é bem gostosinha e bem temperada. Eles também servem as tradicionais blínis (Блины), que são as panquecas recheadas russas.

Como chegar: tem várias espalhadas pela cidade!

  • Steak it easy Grill Bar Новый Арбат (Novyi Arbat)

Muito provavelmente o destaque da minha passagem por Moscou com meus pais (tô devendo esse post! Eu sei!), o Steak it easy da Novyi Arbat tem um cardápio ótimo, um ambiente maravilhoso, preço muito justo, e um atendimento sensacional (eles adaptaram todos os pratos pras nossas necessidades daquele dia), além da localização super conveniente (muito pertinho da minha Dom Knigi favorita). Recomendo fortemente a tortinha de chocolate com caramelo e flor de sal.

IMG_6064.JPG

Como chegar: estação de metrô Arbatskaya (Арбатская) para linha 3, ou Biblioteka Imeni Lenina (Библиотека им. Ленина) para linha 1.

Moscou de metrô

Você sonhou, sonhou, e finalmente marcou sua viagem pra Rússia! Mas você não sabe uma palavra de russo. E agora?!

Calma, estou aqui pra te ajudar. Embora nós tenhamos aprendido um pouquinho de russo por razões óbvias, meu russo ainda é muito insipiente e eu confesso que me sentiria completamente insegura de viajar pra Rússia sozinha. Muito mais do que ter a opção de contratar um guia brasileiro (o que ajuda muito e eu defendo firmemente), você pode ter (alguma) independência em Moscou e se locomover de metrô para conhecer os mais legais pontos turísticos da cidade!

É sabido que o metrô de Moscou é imenso e atende todas as regiões da cidade, mas o completo desconhecimento do idioma pode ser muito intimidante.

IMG_3910.JPG

Graças a Deus, o metrô de Moscou é um dos melhores que já vi, e um dos mais tourist friendly: em todas as estações e vagões podemos ver o mapa inteiro do metrô com as estações transliteradas para o nosso alfabeto, além da linha visual e indicações luminosas de quais estações já se passaram, qual a próxima parada e quais as próximas estações.

A estação Teatralnaya (linha Zamoskvoretskaia), por exemplo, garante acesso fácil ao Teatro Bolshoi, à Praça Vermelha e ao GUM. A estação Lubyianka (linha Socolhnitcheskaia) também fica ali próxima, e facilita a chegada também na loja Dietski Mir com seu mirante. Outra estação que fica na região é a Ploshchad Revoliutsii (linha Arbatsko-Pokrovskaia). Para chegar ao Museu dos Cosmonautas e ao Parque VDNKh, a estação a se usar é a VDNKh (linha Kalujsko-Rijskaia). O acesso ao Parque Gorky é fácil por meio da estação Oktiabrskaia (linha Kolhtsevaia). Para chegar na grande Dom Knigi da Avenida Nova Arbat, que é a minha livraria favorita, pode-se usar as estações Arbatskaya (linha Arbatsko-Pokrovskaia)Alexanderovskii Sad (estação final da linha Filiovskaia) ou ainda Lenin Bibliothek (linha Socolhnitcheskaia), embora a mais próxima seja mesmo a Arbatskaya.

Para usar o metrô, você pode comprar o cartão Troika e carregá-lo nas maquininhas de acordo com sua necessidade. Cada passagem custa 35 rublos (cerca de US$0,70) com o Troika, enquanto os tíquetes avulsos custam 55 rublos (quase US$1). O preço das passagens de ônibus é o mesmo, e também é possível usar o Troika para este meio de transporte. Eu prefiro o metrô porque, além de ser mais rápido e super limpo, as estações são lindíssimas, o que torna o deslocamento um passeio.

 

Loja de quinquilharias em SP

No meu primeiro final de semana no Brasil, fui pra SP encontrar minha sogra e minha cunhada, e nós fomos almoçar no shopping Boulevard Tatuapé. Lá, conheci a loja DAISO JAPAN, que vende quinquilharias de todos os tipos a preços interessantes. Nesta loja, tem itens de papelaria (normais ou mais exóticos como, por exemplo, borracha eletrônica!), utensílios domésticos, maquiagens, utilidades para viagens, e muito mais. A loja é enorme e parecia que as invenções não teriam fim em meio aos corredores!

Eu não resisti, e comprei uma escova de limpar tênis do Mickey, e uma borracha eletrônica com uma cartelinha de refil! A borracha precisa de pilhas AAA pra funcionar, e as pilhas não estão incluídas.

Infelizmente não é permitido fotografar a loja, mas fica a dica pra quem estiver em SP e quiser comprar coisinhas úteis e/ou inúteis a preços bacanas!

Diário de Viagens: Las Vegas

Desde nossa viagem pela África do Sul (com post em breve nessa mesma categoria!), sabia que o Felipe gosta de uma jogatina. Ele também é chegado em pegar a estrada, e terminar a nossa viagem em Las Vegas tinha um quê de emoção, aventura e coisas inesperadas que só reforçava a ideia de que a sin city tinha que ser destino certo.

DSCN5352

De San Diego a Las Vegas, normalmente, gastaríamos cerca de 5 horas de viagem, sem contar o tempo que paramos pra almoçar num McDonald’s da estrada. Mas quando já estávamos quase chegando em Vegas, o trânsito simplesmente parou.

Pois é. Imaginem uma freeway de velocidade 70mph totalmente PARADA. Até hoje a gente não sabe  direito o que aconteceu, exceto pelas muitas viaturas de “highway patrol” que vimos passando e por um resquício de acidente mais na frente da estrada, mas sabemos que ficamos mais de 1 hora parados.

Chegando em Vegas, já deu pra ver o quanto a cidade é louca. Basicamente, tudo acontece em uma rua: a Las Vegas Strip. O nosso hotel era o The Signature by MGM Grand, no sul da Strip. Localização maravilhosa, atendimento incrível, e suítes super espaçosas. Como a gente não queria (e nem podia!) perder tempo, fomos logo jantar e aproveitar o que Vegas tem pra oferecer.

IMG_5566

Jantamos dentro do próprio MGM Grand, no japonês Shibuya – que é muito mais do que um sushi bar, oferecendo também opções sofisticadas da cozinha japonesa.

Depois fomos explorar, de fato, a Strip, andando do MGM até o Caesars Palace, parando pra ver as águas do Bellagio. Nesse dia, fomos pro PURE Nightclub.

133.JPG

No dia seguinte, fomos cumprir um dos must-do na nossa lista de Las Vegas: os brinquedos radicais na Stratosphere Tower, do hotel & casino Stratosphere, que não fica na Strip. A torre do Stratosphere tem mais de 100 andares (se não me engano, são 108) e o ticket de acesso de um dia inteiro à torre e aos 3 brinquedos custou US$34,00.

Mas o que a gente queria mesmo era andar nos brinquedos: X-Scream, Insanity, e Big Shot. A gente tava com a adrenalina tão em alta só de olhar que eu não fotografei nada ): mas catei no Google umas imagens pra mostrar pra vocês.

Fomos primeiro no Insanity, que tem nome muito apropriado. Imagina só: você senta numa cadeirinha num treco que parece uma garra daquelas de maquina de pegar bichinho, aí uma portinhola se abre, a garra vai pra fora do prédio, e começa a girar muito, muito rápido (velocidade média de 40mph), sem nada em baixo, a 270m de altura. A primeira sensação é de pânico total, é claro. Mas depois é absolutamente maravilhoso – parece que a gente tá voando. Tem vídeo aqui.

Depois fomos pro X-Scream, que também não é pra quem tem estômago fraco. A 264m do chão, a gente é lançado pra cima e pra baixo. É tipo uma catapulta muito alta, sabe? Tem vídeo aqui.

O Big Shot foi nosso terceiro e último brinquedo. Nada mais é do que um daqueles elevadores que sobem e descem muito rápido – e que eu amo. Só que ele é o brinquedo mais alto do mundo, com 329m. Tem vídeo aqui.

Eu confesso que pintou um cagaço feio em mim antes de andar, mas eu adorei! Me arrependi MUITO de não ter comprado as nossas fotos brincando, mas cada uma custava cerca de US$15,00 e eu tava muito mão de vaca nesse dia. Até hoje me arrependo dessa economia que fiz! Recomendando o passeio, eu provavelmente começaria pelo Big Shot, depois ia no X-Scream e aí pro Insanity. Tudo bem que o Big Shot é o mais alto, mas acho que ainda assim é o mais tranquilo.

Depois do Stratosphere, voltamos pra Strip. Era só primavera e o sol tava muito quente. Não dá pra andar por lá sem uma garrafa de água! Protetor solar também é importante.

De noite, a ideia era fazer noitadinha no Chateau Nightclub, que fica no Paris Las Vegas. Então foi pra lá que fomos!

Jantamos no Le Provencal, porque é claro que esquecemos de tentar uma reserva no Eiffel Tower Restaurant.

Dos casinos e restaurantes que visitamos, achei o Paris o mais sem gracinha /: ok, é super bonito lá dentro, tem todo jeitinho de Paris mesmo… mas não era nada demais. Gostei mais dos casinos do New York New York, do Mirage, e do próprio MGM Grand.

Sobre o New York New York Hotel & Casino: pra gente, era outra parada obrigatória. Como boa apaixonada por montanhas russas, não podia deixar de andar na The Roller Coaster. E foi lá que começamos o nosso último dia de passeios em Las Vegas.

A montanha russa é bem rápida – em velocidade e duração – mas é meio desconfortável. Bate muito a cabeça, sabe? Mas é bem bacana. Pra brincar uma vez, US$14,00 por pessoa. Claro que não comprei as nossas fotos de novo…

O melhor desse dia ainda estava mesmo por vir. Como bons fãs dos Beatles, não poderíamos deixar passar a oportunidade de ver The Beatles LOVE by Cirque du Soleil, um dos espetáculos fixos do Cirque du Soleil. Compramos os ingressos no concierge do nosso próprio hotel e seguimos pro Mirage, onde acontece o espetáculo.

Ainda fico buscando palavras pra descrever aquele verdadeiro espetáculo. Eu e o Felipe compartilhávamos um certo medinho de ficarmos desapontados, porque nossa expectativa era muito alta – mas nossas expectativas foram superadas.

Como nas outras apresentações do Cirque, também não é permitido filmar ou fotografar, mas no site oficial tem um vídeo com um preview do show (que tá no YouTube).

Na falta de mais palavras, apenas duas dicas. A primeira é: não economize (muito) nos ingressos. Quando não sabíamos de nada, queríamos ficar no setor E, o mais barato, mas acabamos indo pro C: a diferença de preço é relativamente pequena, e a visão é muito muito melhor. Também tive a impressão, ao longo do espetáculo, de que o setor A (o mais caro!) não tem a melhor das visões, porque é preciso olhar pra cima em alguns (vários) momentos. Só se for pra ver várias e várias vezes – o que, acredite, você vai ficar com vontade de fazer.

A outra dica é uma passadinha no REVOLUTION Lounge depois do espetáculo, que seduz com essas letras/puffs gigantes.

Claro que a gente não aproveitou nem metade do que Las Vegas tem pra oferecer, mas gostei bastante dos passeios que escolhemos. Passamos muito tempo dos nossos dias & noites nos casinos – mais ganhando do que perdendo dinheiro – e aproveitamos do nosso jeitinho. O bom de não fazer tudo é que sobram motivos pra voltar pra lá!