Golestan Palace em Teerã

Outro local incrível que visitamos em Teerã foi o Golestan Palace, o antigo complexo real da dinastia do Qajar, que governou a Pérsia entre 1785 e 1925. O Palácio de Golestan é um dos monumentos históricos mais antigos de Teerã, e recebeu da UNESCO o status de patrimônio da humanidade.

O Golestan Palace faz parte de um conjunto de construções reais que, um dia, ficaram protegidos pelas muralhas da cidadela, e consiste de jardins, prédios reais, coleções de artesanatos iranianos e presentes europeus que datam dos séculos XVIII e XIX.

A obra-prima da era da dinastia Qajar incorpora a integração das antigas artes manuais persas com a arquitetura de influência ocidental. Guardado por seus muros, o Palácio de Golestan se tornou a sede do governo da família Qajar, que subiu ao poder em 1779 e elegeu Teerã como capital do país.

Construído em torno de um jardim que abriga piscinas além das áreas plantadas, os traços mais característicos e objetos de decoração do Golestan Palace datam do século XIX.

O luxuoso palácio tornou-se um centro das artes e arquitetura Qajari, tornando-se um exemplo estupendo do período, e permanecendo como fonte de inspiração para os artistas e arquitetos iranianos contemporâneos. O Palácio Golestan representa um novo estilo de incorporar as artes persas tradicionais e os elementos tecnológicos e arquitetônicos do século XVIII.

São 12 principais prédios/salas históricos: Takht e Marmar (Trono de Mármore), Karim Khani Nook (Khalvat e Karim Khani), Howz Khaneh, Talar e Brelian (salão brilhante), Talar e Zoruf, Talar e Adj (salão de marfim), Talar e Aineh (salão dos espelhos), Talar e Salam, Talar e Almas (salão dos diamantes), Emarat e Badgir, Shams ol Emareh (prédio do sol), Palácio de Abyaz. Um dos pontos mais impressionantes do complexo do Palácio de Golestan é, sem sombra de dúvidas, o Takht e Marmar – ou Trono de Mármore -, que precisa ficar coberto para impedir que os espelhos que decoram o terraço reflitam luminosidade na cidade inteira!

O espetacular terraço de Takht e Marmar foi construído em 1806 por ordem de Fato Ali Shah, da dinastia Qajar, que governou entre 1797 e 1834, e é uma das construções mais antigas do complexo histórico, tendo sido utilizado o famoso mármore amarelo da província de Yazd. Os detalhes arquitetônicos e os ornamentos desse terraço foram concluídos no governo de Nasser ed Din Shah (1848-1896). Coroações dos reis Qajaris e cerimônias formais da corte aconteciam neste terraço, e a última coroação a acontecer no Trono de Mármore foi de Reza Shah da dinastia Pahlavi, em 1925.

O ingresso individual para visitar o Golestan Palace custa 200.000 rials (aproximadamente R$17).

O Grand Bazaar de Teerã

No primeiro final de semana de março, nós “demos um rasante” em Teerã! Foi rápido, mas conhecemos alguns lugares bem impressionantes, apresentados a nós pelos nossos amigos que moram lá. Entre os lugares impressionantes que visitamos, o histórico Grand Bazaar, com seus 10 quilômetros de extensão, merece destaque!

O gigantesco bazar histórico abriga muitos corredores, e cada um deles se dedica a um tipo específico de produto. São muitas as entradas para o Bazaar, mas a principal delas é a Sabze-Meydan. Além de lojas, o Grand Bazaar abriga mesquitas, hospedarias e bancos, com fácil acesso ao metrô de Teerã pelas estações Khayam e Khordad 15.

Tapetes persas, utensílios de cobre, temperos, roupas, objetos de decoração e muitas barraquinhas de comida fazem do Grand Bazaar uma das principais atrações da capital do Irã. A diversidade das cores enche os olhos e, de fato, emociona!

Restaurantes em Dubai

Este post gastronômico provavelmente será o mais caro da história deste blog. Comer em Dubai não é coisa barata, muito menos se a escolha for por um “circuito alcoólico”. Eu explico: os Emirados Árabes criaram uma lei especial que autoriza os hotéis (e restaurantes de hotéis) a venderem bebidas alcoólicas. O esquema funciona: se você quer fazer uma refeição com bons drinks, você pode ir a um restaurante dentro de um dos muitos hotéis da cidade, e pagar caro por eles.

Nessa viagem, estávamos acompanhados dos nossos amigos que moram no Irã, e que simplesmente não tem a opção de ir a um restaurante e pedir um vinho ou uma cerveja para acompanhar a refeição. Naturalmente, eles quiseram aproveitar a oportunidade, e nós, bons amigos que somos, entramos no “circuito alcoólico” com eles, e chegamos a pagar (felizes) o equivalente a uns 50 reais em uma única cerveja, só pra dar um exemplo.

Em Dubai, come-se muito bem. São muitos restaurantes excelentes pela cidade, alguns estrelados, e comida de todo o mundo, para todos os gostos. Aqui está a listinha dos restaurantes (e bares) que nós conhecemos na nossa passagem por lá.

  • Claw BBQ

O Claw BBQ de Dubai fica no Souk Al Bahar, que é um centro de compras e entretenimento junto à Dubai Fountain, coladinho no Dubai Mall. A proposta do Claw é bem descontraída, e nós pedimos alguns aperitivos pra dividir como almoço: asinhas de frango, batatas fritas, nachos e tirinhas de frango frito. A licença para vender álcool no Claw vem do Hotel Palace Downtown, que fica no complexo do Souk Al Bahar.

  • 800º Degrees

A pizzaria 800º Degrees é uma rede mundial comandada pelo Chef Anthony Carron e que tem algumas filiais em Dubai, e é recomendada como a melhor pizza da cidade. Nós fomos na filial da Dubai Marina, e provamos as pizzas margherita, sausage & peppers (com salsicha de carne), e buffalina. O preço médio da pizza grande é de 55 AED (cerca de R$51). As pizzas deles são realmente MUITO boas, e esse foi um dos poucos restaurantes não-alcóolicos a que fomos.

  • ICON Bar & Lounge

O Icon é um dos bares do hotel onde nos hospedamos, o Radisson Blu Media City. Nós tomamos bons drinks por lá, acompanhados de salsichas de porco (41 AED). Foi lá que descobrimos que alguns restaurantes e bares de hotéis tem as opções de pratos feitos com carnes de porco.

  • Roberto’s

O Roberto’s é um dos restaurantes italianos melhores avaliados de Dubai, e foi o escolhido para a nossa “ceia” de Natal. Digo entre aspas porque nós chegamos no restaurante antes das 21h, com uma fome danada de quem tinha passado o dia brincando no Aquaventure. O Roberto’s fica no Gate Village, que tem um Four Seasons no complexo – logo, tem licença para vender bebidas alcoólicas. Como era véspera de Natal, eles tinham um menu fechado de harmonização de vinhos com entrada, prato principal e sobremesa, que custou, se não me falha a memória, 550 AED (sim, algo em torno de R$510) por pessoa. Valeu cada centavo.

  • Besh (Turkish Restaurant)

img_8889.jpg

A culinária turca é celebrada em toda a sua glória no restaurante Besh, que fica no Hotel Sheraton Mall of the Emirates. Foi o nosso jantar do dia 25 de dezembro, e nós pedimos um manti (26 AED, na foto) pra cada um, que é um tipo de sopa muito gostoso (e que a gente sempre come num dos nossos restaurantes preferidos de Yerevan), e dividimos humus (22 AED) e 2 porções de içli köfte (que é o famoso kibe, por 26 AED cada porção).

  • Certo

IMG_9054.JPG

O Certo é um dos restaurantes do Radisson Blu Media City, que oferece pratos da culinária italiana elaborados pelo Chef Antonio Bitetto. Nós jantamos lá 2 vezes, então provamos alguns dos pratos do cardápio: burrata di andria (80 AED), carpaccio di carne (75 AED), caprese classica (65 AED), gnocchi alla sorrentina (80 AED), risotto parmigiano (80 AED), e a sobremesa millefoglie classica gianduja (45 AED).

  • Fogueira

Expatriado faz o que quando viaja? Isso mesmo, procura restaurante brasileiro. E se tiver churrascaria então, aí é que a gente faz a festa. A churrascaria Fogueira fica no 35º andar do Ramada Plaza JBR e tem um rodízio de carnes espetacular, com direito à farofa, feijão, angu frito polenta, pão de queijo, brigadeiro, pudim, e todas essas coisas maravilhosas da culinária brasileira. Tomei Guaraná Antártica e Caipirinha juntos, porque minha saudade impede que eu tenha qualquer critério ou maturidade. Esse jantar também não saiu nada barato, mas a gente pagou algo cerca de 500 AED por pessoa (bebidas incluídas) muito felizes da vida. Eles tem uma opção de rodízio sem bebidas incluídas, que custava algo em torno de 350 AED.

  • Barasti Beach Bar

O Barasti Beach Bar é um clube de praia que fica no hotel Le Meridien JBR. Nós fomos almoçar lá, e eu aproveitei o sol e o calor pra comer uma salada deliciosa com atum selado. Eles estavam com uma promoção de 2 bebidas pelo preço de 1, mas eles cometiam o erro imperdoável de servir as 2 bebidas ao mesmo tempo, que acabavam esquentando se não fôssemos rápidos o suficiente pra beber. Devo confessar que o serviço lá deixou um pouco a desejar.

  • Yo! Sushi

Já falei dessa cadeia de sushis no post com dicas de onde comer em Londres, e nós fomos na filial do Dubai Marina Mall antes de irmos ao cinema (sim, a gente vai ao cinema quando tá viajando porque aqui na Armênia nunca se sabe o que vai passar em inglês).

Ferrari World Abu Dhabi

Deixamos o melhor por último: Ferrari World foi o último dos parques temáticos que visitamos nos Emirados Árabes, e foi definitivamente por lá que tivemos as experiências mais eletrizantes da viagem!

IMG_9022

O parque Ferrari World é indoor, e a experiência no parque é completamente imersiva no universo da scuderia, que nos transporta para a Itália em muitas das rides e restaurantes. Inaugurado em 4 de novembro de 2010, é neste parque que estão as montanhas russas mais rápida (Formula Rossa) e com o maior looping do mundo (Flying Aces)!

IMG_9013
velocità!

A Formula Rossa é mais rápida do que um carro de fórmula 1, que atinge 240km/h em 4.9 segundos! Não foi por acaso que ela quebrou o recorde e assumiu o posto de montanha russa mais rápida do mundo. O ponto mais alto da montanha russa tem 52m e atingimos 4.8Gs no percurso. E é claro que o carro da montanha russa é vermelho, como uma boa Ferrari!

Já a Flying Aces, a montanha russa com o looping mais alto do mundo com 63m e inclinação de 51º, atinge 120km/h. Essa montanha russa é inspirada pela história do aviador Conte Francesco Baracca, conhecido como o “ace of aces” (o craque dos craques). Ao invés de um carro, essa montanha russa tem bi-motores militares para nos levarem às alturas!

A ride mais recente do parque é a Turbo Track, que simula um test drive da Ferrari com uma subida vertical de 64m de altura e uma queda épica em gravidade zero, atingindo a velocidade máxima de 102km/h.

Outra atração emocionante que merece destaque é a Fiorano GT Challenge, com trilhas paralelas em um circuito baseado nos verdadeiros circuitos de corridas dos GTs, simulando uma competição entre Ferraris F430 Spider. A velocidade nessa montanha russa chega a 95km/h – a mais lenta do parque!

O simulador Made in Maranello nos leva por um tour pela fábrica da Ferrari para que possamos descobrir o processo de produção de uma Ferrari GT. São revelados todos os detalhes do processo de manufaturação, desde os designs primários, passando pelos motores e chegando à pintura final e montagem manual, com direito a um teste no Circuito Fiorano da Ferrari.

IMG_9023

Há também rides voltadas para o público infantil, adequadas para toda a família: Bennos Great Race, Junior GT, Tyre Twist, Speed of Magic, Bell’ Italia, e Driving with the Champions. Além disso, há o espaço da Galleria Ferrari, que expõe uma coleção incrível dos modelos das Ferraris, fazendo com que possamos aprender mais sobre a história do design desses carros espetaculares, descobrindo fatos e estatísticas de cada modelo exposto.

IMG_9009

Karting AcademyScuderia Challenge são experiências pagas à parte e com horário marcado, que devem ser agendados com antecedência (o ideal é marcar logo quando chegar ao parque). A Karting Academy é inspirada no Circuito Yas Marina, e testa nossas capacidades de corredores numa pista de 290m. Já a Scuderia Challenge é um simulador de ponta, que permite dirigir diferentes Ferraris no circuito virtual da Yas Marina.

Aparentemente, as categorias de ingressos mudaram desde que fomos lá: quando nós compramos, podíamos escolher entre ingressos bronze, silver e gold. Bronze, o ingresso mais simples, é o passe diário do parque; o ingresso silver dava direito à 3 Quick Pass (o “fura filas”); já o ingresso gold dava direito ao Quick Pass ilimitado e também uma experiência na Karting Academy, que custava 35 AED (cerca de R$33) para quem adquiriu um ingresso silver ou bronze. Quando estava escrevendo esse post e entrei no site pra pegar as informações atualizadas dos ingressos, notei a mudança: parece que agora não há mais essas categorias de ingressos, e é possível adquirir o Quick Pass separadamente por 150 AED (cerca de R$140). Os ingressos diferentes agora se limitam às experiências VIP (a partir de 1995 AED, cerca de R$1851) e VIP+ (a partir de 2595 AED, cerca de R$2409).

Nós almoçamos no Mamma Rossela, que oferece um bom cardápio de opções da culinária italiana com serviço rápido, e eu ainda fechei o dia comendo um cachorro quente antes de voltarmos para Dubai!

Abu Dhabi: Sheikh Zayed Grand Mosque

É claro que não podíamos deixar de visitar Abu Dhabi e conhecer a maior mesquita dos Emirados Árabes Unidos: a grande mesquita do Sheikh Zayed!

IMG_3668.JPG

A Grand Mosque foi construída entre 1996 e 2007, e o complexo tem uma área de mais de 12 hectares, sem contar os paisagismos externos e o estacionamento. O projeto foi lançado pelo Sheikh Zayed bin Sultan Al Nahyan, presidente falecido dos Emirados Árabes, que queria criar uma estrutura que unisse a diversidade cultural do mundo islâmico aos valores modernos e históricos da arquitetura e da arte.

Dentro da Mesquita, um enorme espelho d’água e as belíssimas colunas encantam, tanto quanto o jardim interno e a torre da mesquita (minaret). Os enormes salões, muito decorados e iluminados, são de tirar o fôlego.

IMG_8985

A visita à Grand Mosque é gratuita, e os horários de visitação é entre 9h e 22h nas segundas às quintas feiras, e nas sextas feiras entre 16h30 e 22h. Durante o Mês Sagrado do Ramadã, o horário de visitação é entre 9h e 13h nas segundas às quintas feiras, e não há visitas às sextas feiras. Os horários de visitação atualizados podem ser conferidos no site oficial. Sendo um local de oração muçulmano, há algumas regras a serem seguidas:  além de manter o silêncio, não é permitido o uso de roupas transparentes, saias ou shorts, camisetas sem mangas, ou roupas muito justas; as mulheres devem cobrir a cabeça, os braços e os tornozelos. Logo na entrada da Mesquita, há um local onde podemos vestir abayas caso as roupas não atendam aos pré-requisitos, emprestadas gratuitamente.