Onde comer em Liverpool?

Liverpool foi uma das cidades que mais amei conhecer no ano passado! Não foram poucos os posts sobre a cidade dos Beatles que oferece muito mais do que apenas as histórias dos 4 rapazes. Agora chegou a hora de contar pra vocês sobre os lugares onde comemos por lá!

  • Turtle Bay Caribbean Social

Num ambiente que teletransporta a gente para a Jamaica, o Turtle Bay Caribbean Social da Victoria St tem um cardápio recheado de delícias. Essa também é uma rede de restaurantes com diversas unidades espalhadas pela Inglaterra. Vale a pena prestar atenção na promoção de cutters (3 por £14 ou 4 por £18), que são pratos inspirados pela culinária dos vendedores de quiosques de praia e de rua das ilhas do Caribe, ideais para serem divididos.

  • Revolution 

Um bar delicioso, que também faz parte de uma uma rede cheia de unidades espalhadas pelo Reino Unido: só em Liverpool são 4 unidades, e nós fomos conhecer a que fica no Cavern Quarter (2 Temple Court). A comida é muito boa, e o serviço é bom, com uma equipe atenciosa e rápida. Nós pedimos o Street Food Crate (mini hambúrgueres, frango frito, pizza de pepperoni, batata frita e molhos) pra dividir, e tudo estava muito gostoso. O ambiente é muito legal, com sofás aconchegantes e uma decoração interessante.

  • Revolución de Cuba

De revolution para revolución! Em Liverpool, o Revolución de Cuba fica no Albert Dock, e oferece uma comida excelente, embora o serviço tenha sido um pouco lento. Essa unidade restaurante, que também faz parte de uma rede, tem 2 andares e conta com um terraço junto ao dockside, que eu recomendo fortemente se não estiver um frio de rachar. No 2º andar, um bar de rum super exclusivo. De terça a domingo, pode-se pedir 3 tapas por £14.

  • Gusto

De todas as filiais de redes de restaurante que visitamos, acho que o Gusto era o mais chiquezinho de todos – embora os preços não fossem nada astronômicos. A unidade de Liverpool também fica no Albert Dock, com vista para a Tate Gallery. Nós pedimos o garlic pizza bread de tomate e manjericão (£5,75) de entrada, eu comi o garganelli arrabiata (£10,75) como prato principal, e ainda dividimos um calzone de nutella e mascarpone (£6,75) de sobremesa.

  • La Viña

IMG_7884.JPG

Talvez nós tenhamos feito um pedido errado, mas o La Viña foi o restaurante do qual menos gostamos em Liverpool (11-15 North John Street). O restaurante, que tem uma unidade em Liverpool e uma outra em Manchester, tem a proposta de enaltecer a comida ibérica. Nós pedimos o pan tumaca (£3,50), que é uma bruschetta na versão espanhola, e a tabla la viña (£15), mas fiquei bem frustrada porque achei que a tabla la viña teria uma quantidade maior de presuntos e queijos.

  • Las Iguanas 

Pra falar a verdade, nós fomos no Las Iguanas de Manchester! Mas, como vocês já sabem, fizemos uma day trip pra lá enquanto estávamos em Liverpool, e há uma filial do restaurante em Liverpool, então achei que faria sentido incluí-lo nesta lista aqui. A rede Las Iguanas também tem unidades espalhadas por todo o Reino Unido para celebrar a culinária latino-americana. É claro que nós pedimos pão de queijo (cheese dough balls, £3,25), que não sobreviveram nem pra foto! Também provamos os dadinhos de tapioca (£5,50), que estavam bem gostosos. O marido quis comer chili con carne (£11,95), enquanto eu fui de fajitas com camarões (£16,75). De sobremesa, churros (£4,95 a porção com 3) com doce de leite. A decoração do restaurante é uma atração a parte, recriando paisagens famosas do Rio, Buenos Aires e Ciudad de México.

  • Etsu

A melhor surpresa de Liverpool, e também a nossa grande sorte: o restaurante oriental Etsu que reproduz pratos clássicos da cozinha japonesa. E digo grande sorte porque esse restaurante é pequenininho e vive cheio, e nós conseguimos a última mesa disponível sem termos feito reserva! Se você for passar por Liverpool e gostar de comida japonesa, eu recomendo fortemente esse restaurante e, principalmente, recomendo que faça reserva pra não correr o risco de ficar de fora! Nós pedimos sake maki (£3,95), tekka maki (£4,25), maguro nigiri (£3,85), sake nigiri (£3,65), suzuki nigiri (£3,55) e unagi nigiri (£3,75).

  • Bill’s

IMG_8033

Outra rede de restaurantes que merece a atenção. Eu já tinha tomado um café em uma das filiais do Bill’s em Londres, mas deixei pra escrever sobre o restaurante nesse post porque foi em Liverpool que provamos a comida. Localizado no ONE, o menu recheado de delícias é servido num ambiente muito aconchegante e descontraído. Eu pedi o Bill’s Hamburguer (£10,95), que vem com um “molho secreto” bem delicioso, e adicionei queijo cheddar (+£1,35) e bacon (+£1,55). O marido comeu gnocchi bolognese (£10,95) que, segundo ele, estava muito bom. Destaque para o fato de que o restaurante usa as facas Tramontina!

Onde comer em Londres?

Os ingleses não são famosos pela sua culinária (ou talvez sejam famosos pela sua culinária pouco desenvolvida), mas há muitos lugares bons para se comer pelo Reino Unido, atendendo à todos os gostos e bolsos. Aqui, registrarei algumas das minhas dicas gastronômicas de Londres, sejam elas descobertas recentes ou lugares aos quais eu faço questão de voltar todas as vezes em que estou na cidade!

  • Jack’s

No meio de Chelsea, esse restaurante fica num imenso subsolo da Lots Road. O ambiente é muito legal, decorado com bandeiras e objetos antigos, mesas largas e cadeiras difertentes. O menu é amplo, pois permite combinar diferentes tipos de carnes, peixes e frangos a muitos acompanhamentos. Os preços dos pratos variam de acordo com as escolhas, mas ficam em torno de £20.

  • Comptoir Libanais

Essa rede de cantinas tem um cardápio amplo e muito apetitoso, recheado das delícias da culinária libanesa com preços que não vão deixar ninguém no vermelho. Kibe (£5,50), falafel (£4,75), baba ganoush (£5,50), fattets (£9,95)… são incontáveis as gostosuras para matar a fome.

  • Caffé Concerto

Entre uma comprinha e outra, um cantinho aconchegante para tomar um café na King’s Road. Eles tem uns doces incríveis, que a gente começa a comer com os olhos no momento em que entramos no café.

  • Manicômio

Na Duke of York Square, o Manicômio é um café, restaurante e bar com ambiente super agradável e charmoso. O menu fechado de almoço com entrada e prato principal custa £24,50, enquanto o menu que compreende entrada, prato principal e sobremesa custa £28,50. No menu do café, que tem um ambiente mais descontraído, opções para o café da manhã (servido até as 11h20), refeições rápidas (entre meio dia e 18h30), e deliciosas sobremesas para serem harmonizadas com os cafés.

  • Moo Cantina Argentina

Com 2 unidades em Londres (Bricklane e Pimlico), esse restaurante celebra a culinária argentina em toda a sua glória. Além das carnes com os cortes tradicionais, a Moo Cantina destaca alguns clássicos da comida de rua argentina, como os lomitos e as empanadas. Os pratos podem ser degustados acompanhados de vinhos argentinos ou de uma boa Quilmes. No cardápio de sobremesas, panqueca com dulce de leche. Nós jantamos na unidade de Pimlico, onde fomos muito bem atendidos.

  • Jamie’s Italian

IMG_7511.JPG

No coração de Covent Garden (um dos meus lugares preferidos de Londres), está uma das filiais do restaurante Jamie’s Italian. Quando fomos lá dessa vez, um menu especial de fim de ano estava disponível, e eu optei por provar o risotto de frutos do mar. Essa rede está sempre lotada (então é bom fazer reserva), mas a comida é muito gostosa e os preços são bem amigos: a maioria dos pratos custa menos de £20. De segunda à sexta, entre meio-dia e 19h, é possível degustar o set menu com entrada e prato principal por £12,95, ou entrada, prato principal e sobremesa por £17,95.

  • Prêt à Manger

Provavelmente a minha rede favorita de comidas rápidas! Em Londres, é fácil encontrar um Prêt à Manger a cada esquina, obedecendo ao conceito de “pronto pra comer” (que é, literalmente, o nome da rede). Essa rede oferece uma gama de comidas saudáveis, como sopas, sanduíches em baguettes e saladas, feitas com ingredientes orgânicos. O meu sanduíche preferido é o de atum com pepino, seguido de perto pelo de prosciutto com mozzarella e o de caprese. O café deles também é uma delícia. Mas o que eu mais amo do Prêt à Manger é a água de côco (£3): é a única água de côco engarrafada de toda a Europa que tem gosto de água de côco de verdade!

  • Rosso Pomodoro

Falou em pizza napolitana, eu tô dentro. Eu amo a massa mais grossinha das pizzas napolitanas, e a rede Rosso Pomodoro prepara suas pizzas com perfeição. Há algumas unidades em Londres, mas é claro que a minha preferida é a de Covent Garden (eu já falei que amo esse bairro? Pois é). As pizzas custam entre £7 e £15, e eles tem até opções sem glútem. As bruschettas também são deliciosas.

  • Yo! Sushi

Essa é outra rede com muitas unidades espalhadas não só por Londres mas também por outras cidades da Europa e da Ásia, onde sempre poderemos encontrar comida japonesa fresca e de boa qualidade. Os preços também variam entre £7 e £15.

  • Jamie Oliver’s Union Jack
DSCN7825
o dia em que eu vi Jamie Oliver no Jamie’s Union Jack

Advinha onde fica esse restaurante? Isso mesmo, Covent Garden! O Jamie Oliver’s Union Jack fica dentro do Covent Garden Market, e a proposta é diferente da rede Jamie’s Italian, embora os preços sejam parecidos. Neste restaurante descontraído, bons hambúrgueres e pizzas podem ser apreciados.

  • Bella Italia

Mais uma rede italiana que vale a atenção pela boa culinária e pelos bons preços. Há muitas unidades espalhadas pela cidade.

  • Prezzo

Do mesmo modo que Bella Italia e Rosso Pomodoro, a rede Prezzo tem ótimos preços e pratos muito bem servidos e saborosos nas suas unidades espalhadas por Londres.

  • Lots Road Pub

IMG_7523

Se não tivesse um pub nessa lista, não seria a minha lista. Eu amo pubs e pub food, que costumam ser sempre bem feitas e não custam os olhos da cara. Falem o que quiser, eu acho fish & chips uma das coisas mais deliciosas que já inventaram! O pub da Lots Road, que fica em Chelsea, tem um cardápio cheio de delícias pra serem servidas num ambiente agradável e com ótimo serviço.

Uma tarde em Carlisle

No mesmo dia em que visitamos alguns dos lugares históricos da Muralha de Adriano, fomos almoçar e conhecer o centro de Carlisle, cidade que é o principal centro comercial, cultural e industrial do norte do condado de Cumbria. Almoçamos no Old Bank, restaurante bem aconchegante que fica bem pertinho do Castelo de Carlisle.

A história antiga de Carlisle é marcada pela sua condição como assentamento Romano, fundado para servir aos fortes da Muralha de Adriano. Durante a Idade Média, por conta da sua proximidade ao Reino da Escócia, Carlisle se tornou uma importante fortaleza militar.

IMG_2862
Carlisle Castle

O Castelo de Carlisle foi construído em 1092 por William Rufus e serviu de prisão para Maria, Rainha dos Escoceses. Hoje, o Castelo abriga o Regimento do Duque de Lancaster e o Museu do Regimento de Fronteira (Border Regiment Museum). No começo do século XII, o Rei Henrique I permitiu a fundação de um monastério (priory) em Carlisle. A vila passou a ser cidade quando a diocese foi formada em 1133, e o monastério passou a ser a Catedral de Carlisle.

IMG_8089
Catedral de Carlisle

Quando estávamos voltando para nossa pousada em Lanercost, paramos para lanchar no Lanercost Priory Tea Room, um lugarzinho super fofo com uma seleção de delícias.

No dia seguinte, seguiríamos viagem para a Escócia!

Lanercost Equestrian & Country Accommodation

Era uma vez um lugarzinho no meio do nada, com sabor de chocolate e cheiro de terra molhada…

Imaginou um lugar assim? Pois ele existe: a Lanercost Equestrian & Country Accommodation é um cantinho idílico no condado de Cumbria, ao norte da Inglaterra, refúgio para os exploradores da Muralha de Adriano.

This slideshow requires JavaScript.

Ainda vou fazer um post sobre todos os hotéis desse tour pelo Reino Unido + Irlanda, mas essa casinha aconchegante, com atenção aos mínimos detalhes, merecia um post especial. O bed & breakfast tem poucos quartos, e uma área comum com uma sala de estar com TV e diversos filmes à disposição e a sala de refeições, onde são servidos o café da manhã (incluso na diária) e o jantar (pago à parte). Também estão disponíveis para os hóspedes água (tap water), chá e biscoitos, e é possível lavar roupas por apenas £6 (cada máquina fully loaded).

Deborah, a dona da pousada, é chefe de cozinha, e prepara cada coisa mais maravilhosa do que a outra! Eu confesso que nem queria ir embora pra poder continuar comendo todas aquelas coisas deliciosas!

IMG_8132

No café da manhã, opções de croissants, pain au chocolat, pães, geléias, bacon <3, queijos e frios, iogurte, frutas, sucos e café, é claro.

No jantar do primeiro dia, escolhemos opções do cardápio: frango ao curry pra mim e pasta aos 4 queijos para o marido, acompanhados de salada e vinho tinto. O que nós não imaginávamos era que seria tanta comida!

IMG_8076

Eu e o marido não somos de comer muito à noite e, para o jantar do segundo dia, a Deborah muito gentilmente ofereceu preparar o que quiséssemos, mesmo que não estivesse no cardápio. Ela disse que poderia preparar hambúrguer caseiro pra gente, e também estava delicioso, acompanhado de batatas fritas, salada e ketchup caseiro.

IMG_8125

Só de ver estas fotos e lembrar dessas refeições eu fico salivando! Lá na Lanercost Equestrian & Country Accommodation, há tudo o que pode-se precisar no meio de uma viagem: desde adaptadores de tomadas até snacks como barrinhas de cereais e biscoitos com preços muito razoáveis. Pelo tamanho das refeições servidas, os pratos eram até muito baratos! Do mesmo modo, vinhos, cervejas, refrigerantes e água tinham preços justíssimos. Era um alívio podermos comer no próprio B&B, porque as estradas nessa região são bem estreitas, não são duplicadas, e são pouco iluminadas – e o bônus foi degustar pratos deliciosos!

O que mais nos encantou nesse B&B era o cuidado com os mínimos detalhes, desde a decoração até o atendimento super personalizado. O quarto em que ficamos era muito amplo, com um banheiro enorme, e a casa era toda muito limpa. Nós nos sentimos, verdadeiramente, em casa.

Hadrian’s Wall: a fronteira norte do Império Romano

Fizemos uma road trip muito bacana pelo Reino Unido, quando alugamos um carro em Liverpool e seguimos até Edimburgo, parando no distrito de Lannercost (perto de Carlisle) por 2 noites para explorar a região entre Newcastle upon Tyne e Carlisle: nós queríamos ver de perto a fronteira norte do Império Romano!

IMG_2849.JPG

A Muralha de Adriano (Hadrian’s Wall) era um forte defensivo na província romana de Britânia, desde 122aC no reino do imperador Adriano. A muralha se estendia desde as margens do rio Tyne, perto do Mar Norte, até o Solway Firth no Mar Irlandês, e era a fronteira norte do Império Romano, imediatamente ao norte de onde ficavam as terras dos Britânicos Antigos do Norte, inclusive os Picts. A muralha de Adriano tinha uma base de pedra e uma muralha de pedra, com castelos e 2 torres de observação ao longo de sua extensão. Havia um forte a cada 5 milhas romanas. De norte a sul, a muralha compreendia uma trincheira, uma passagem militar, uma outra trincheira com montanhas adjacentes, além da própria muralha. Além do papel defensivo da muralha, há estudos que indicam que seus portões eram também usados como postos de alfândega.

Em 1987, a UNESCO declarou a Muralha de Adriano como Patrimônio Cultural da Humanidade, além de ser considerada um ícone cultural britânico. Algumas pessoas pensam que a Muralha de Adriano marca a fronteira entre a Inglaterra e a Escócia, mas isso não é verdade: a Muralha de Adriano está completamente localizada na Inglaterra, e jamais constituiu fronteira anglo-escocesa. O caminho da Muralha de Adriano permite que os viajantes percorram o trajeto a pé: é a maior ruína Romana do mundo, com quase 118km.

IMG_2771.JPG

Como nós não somos tão aventureiros assim, optamos por conhecer só um pouquinho da Muralha, percorrendo os trechos de carro. Nossa primeira parada foi Vindolanda, e o ingresso para adultos custa £7.90; há uma opção de ingresso que dá acesso tanto à Vindolanda quanto ao Roman Army Museum, por £11.60, e nós optamos por este ingresso.

Vindolanda fica no sul da cortina formada pela Muralha de Adriano, e fica na primeira fronteira Romana ao norte (Stanegate Road). Vindolanda foi construída pelo Império Romano antes mesmo da Muralha de Adriano, e se tornou uma importante base para a Muralha, uma fortaleza por natureza. Ao longo daquele período, Vindolanda foi demolida e completamente reconstruída por 9 vezes: a cada reconstrução, cada comunidade que lá viveu deixou suas próprias marcas na paisagem e arqueologia. Depois que a Muralha de Adriano e a ocupação romana foi abandonada pelos exércitos imperiais, Vindolanda continuou em uso por mais de 400 anos antes de finalmente ser abandonada no século IX. No museu de Vindolanda, é possível ver muitos dos artefatos encontrados no local ao longo das escavações arqueológicas.

Já no Roman Army Museum, que fica ao lado de um dos mais altos resquícios da Muralha de Adriano (Walltown Crags), a experiência é mais tecnológica e interativa, onde podemos assistir à exibição do curta-metragem 3D Edge of Empire e também explorar a história. É neste museu que aprendemos um pouco mais sobre o papel do exército no Império Romano, vemos as expansões e perdas territoriais do Império, aprendemos sobre os papéis dos soldados, além de descobrirmos detalhes sobre a vida de Adriano desde que era um menino até tornar-se Imperador. Neste museu, também são exibidos alguns artefatos encontrados em Vindolanda.

IMG_2845

Nossa terceira parada ao longo da Muralha de Adriano foi em Birdoswald, outro forte remanescente do Império Romano. O ingresso para adulto custa £7.20, mas nós não fizemos a visita à galeria, pois estava fechada para reformas.