Malas de bordo pro feriado em Moscou

Eu gostaria de poder dizer que ao longo dos anos me tornei uma expert em fazer malas, mas a verdade é que eu aprendo a cada viagem que não existe fórmula perfeita. É, eu sei, a internet tá cheia de ideias e dicas infinitas de como organizar uma mala, mas eu aprendi que só dá pra descobrir mesmo o que dá certo com a prática.

Isto posto, quero dividir com vocês como eu arrumei nossas malas pra passar o feriado em Moscou. Nós embarcamos na sexta 21/04 e voltamos 24/04, e a expectativa era de passear muito com os amigos na capital da Rússia que sempre sonhei conhecer!

O número pequeno de dias destinado a essa viagem já indicava que deveríamos levar somente malas de mão. As nossas malas de mão são da Roncato, modelo MODO Mercury, com 4 rodinhas e 2 bolsos externos, tamanho 50x35x23cm e capacidade de 39 litros. Além disso, eu levei uma bolsa Longchamp com documentos, outras coisinhas importantes, e coisinhas que poderia querer usar durante o vôo.

Embora já seja oficialmente primavera, Moscou ainda está bem gelada: poucos dias antes de irmos, nossos amigos ainda passavam por temperaturas negativas. Com isso, era preciso levar roupas mais quentes. Eu sinto frio demais, e tava acabando de sair de uma crise de sinusite feia, então não podia dar sopa pro azar. Aqui em Ierevan já estamos vivendo sob temperaturas bem primaveris, chegando aos 20ºC.

O look do avião foi escolhido pensando na praticidade: o casaco, a calça jeans e o suéter que eu também usaria nos passeios, um cachecol bem grande e quentinho, e botinhas ortopédicas fáceis de tirar e calçar. As luvas foram no bolso externo pequeno da mala de mão, com fácil acesso caso fosse preciso na chegada em Moscou. Pro Felipe, a mesma coisa: casaco, suéter e calça jeans pra usar todo dia, e tênis. Nós dois passaríamos o final de semana trocando apenas as roupas térmicas, e usamos as mesmas roupas “externas”, porque frio é assim mesmo e exige praticidade, senão a mala ia ficar enorme – e não era isso que queríamos!!

Usei os organizadores de mala da Carpisa, que considerei bons packing cubes.

20170421_151937.jpg

Levei apenas miniaturas dos itens básicos de make, só pra sair com alguma dignidade: perfume CK One, demaquilante Sephora, batom e lápis de olho Marc Jacobs, batom MAC Russian Red, lápis de sobrancelha Benefit. Além disso, grampinhos e elásticos para o cabelo, touca de banho, discos de algodão e cotonetes.

20170421_152010.jpg

Bolsinha de remédio com os básicos e emergenciais, e outra igual com os itens de higiene pessoal. Essas bolsinhas nós ganhamos no hotel que ficamos em Varadero, e elas tem o tamanho ideal pra ir na mala carry on com esses itens.

De novo, quase tudo em sua versão mini: escovas e pasta de dente em miniatura, enxaguante bucal, shampoo e condicionador, hidratante, sabonetes, e um pouquinho de creme antisséptico. Em tamanho normal, só os desodorantes roll on.

Também levei dentro de um zip lock um pacote de lenços umedecidos, absorventes e protetores diários.

Dentro do packing cube do Felipe, pijama, 3 blusas térmicas (uma pra cada dia, né), cachecol e luvas.

No meu packing cube, o equivalente: pijama com meia pra dormir, 3 blusas térmicas, e luva.

20170421_152435

Pra nós dois, chinelo que ganhamos no hotel em que ficamos em Farellones, super levinhos e que ocupam zero espaço na mala.

Pra mim, ainda levei minha Versace herdada da Mivó pra usar nos passeios, que é super prática e cabe tudo o que é necessário pra passar um dia turistando.

Na Longchamp, álcool gel, organizador de bolsa da Mango, bolsinha Via Mia com os passaportes, guarda chuva, caixas de óculos, bolsinha Uncle K pra guardar os celulares, carteira Gucci, Kindle, bolsinha Victoria’s Secret com minhas pulseiras e terço, chave de casa, bala Tic Tac, iPod, pasta com documentos, e bolsinhas Mango com cabos carregadores e itens para conforto no avião.

No fim, percebo que as malas “econômicas” deram certo, e, mesmo com nossas comprinhas de livros, sobrou espaço – utilizado, no aeroporto, pra guardar os casacos, já que em Ierevan a temperatura está bem mais agradável!

A saga do fio dental

A Mivó era a pessoa que mais cuidava de dente nessa vida, e sempre dizia: dente é uma praga. E é verdade. Porque a gente tem que cuidar mesmo, e limpar muito, e fazer uma higiene muito boa todo dia.

Eu sempre detestei fio dental. Mesmo. Passei anos usando aparelho e não conseguia usar. Depois que tirei o aparelho, tinha muita dificuldade de usar porque meus dentes ficaram juntos demais e é muito difícil de passar o fio por entre os dentes. Mas aí ano passado eu tive uma crise de sinusite muito feia que eu fiquei com as vias aéreas tão inchadas que inchou até o siso, e eu acabei extraindo o siso pouco tempo depois pra evitar que isso acontecesse outra vez. Nessa história do inchaço, eu não conseguia escovar o dente direito, e foi preciso fazer uma boa limpeza na dentista pra voltar ao normal. Desde então, aprendi que, querendo ou não, tem que passar fio dental todo dia.


Mas aí tem o problema de qual fio dental usar. No Brasil, eu já sabia que só me dava bem com o fio dental do rótulo verde da Colgate. Não adiantava comprar outro porque eu simplesmente não conseguia usar: o fio não passava entre os dentes, ou passava e arrebentava, ou outro problema qualquer. Juro que não é frescura.

Saí do Brasil só com uma caixinha desse fio dental na necessaire. Na minha cabeça, seria fácil encontrá-lo (ou similar) em qualquer lugar do mundo.

Só que não!!

Em Londres já precisei comprar fio dental, porque esse meu Colgate de caixinha verde acabou. Comprei um na Boots que foi um fracasso. Então continuei usando (mais ou menos) um da Colgate com rótulo azul que também tinha vindo na necessarie.

Chegando aqui, comprei um da Sensodine. Achei que tava resolvendo meu problema. Só que não, de novo. Como o da Boots e esse Colgate do rótulo azul, não consegui usar de jeito nenhum. Uma luta pra passar qualquer um deles entre meus dentes.

Eis que hoje no mercado fiz mais uma busca e achei um fio dental da caixinha azul. Juro que não tava botando muita fé, mas resolvi comprar mesmo assim. E agora tô dando graças a Deus porque este foi o mais próximo do fio dental ideal que encontrei desde que saímos do Brasil!!


Então hoje consegui fazer uma higiene adequada nos dentes e estou feliz. Tão feliz que quis compartilhar com vocês a minha alegria!!!

Primeira tentativa de fazer o pé em Erevã

Ainda não consegui cumprir a meta de postar direitinho aqui no blog, mas acho que assim que definirmos direitinho nossa nova casa em Erevã isso normaliza!!

Enquanto isso, vou contar da minha primeira tentativa de fazer os pés em Erevã.

Muita gente já sabe, mas vale contar aqui que meu pé não é pra principiantes. Além de ter o probleminha não diagnosticado que causa dor incessante no tornozelo direito, as unhas dos meus pés exigem cuidado especial: por quase 15 anos, eu fui religiosamente à podóloga a cada 3 semanas. Era quase um rito médico, que me curava de dores incríveis.

E aí veio a mudança pra Erevã. Aqui ou em qualquer lugar do mundo, eu preciso encontrar alguém que saiba mexer nos meus pés, tirar os encravamentos e calosidades que tanto me incomodam.

Lá fui eu ontem pedir ajuda aqui no hotel pra marcar uma podóloga. A mocinha da recepção foi super simpática, querendo me ajudar, mas eu acho que ela não entendeu muito bem o que eu precisava, porque ela acabou agendando pra mim uma pedicure normal numa esmalteria hihihi

Chegando no CMYK nail bar, eu já fiquei desconfiada que não ia dar muito certo, mas resolvi dar uma chance. A recepcionista falava um pouquinho de inglês, e claro que a pedicure não falava inglês, e o meu russo não chegou nesse nível de explicar ainda minhas dores e problemas com minhas unhas dos pés.

Quando ela começou a mexer no meu pé, eu pedi pra ela cortar a unha, mas ela só lixou. E não cutucou quase nada, então não resolveu muita coisa. Valeu só mesmo pela massagem no pé! Hihihi

Essa foto tirei quando saí da esmalteria e tava voltando pro hotel:

Fato é que, chegando no hotel, eu mesma peguei minhas ferramentas de salvação em último caso e tasquei futucar as unhas pra ver se me aliviava. Agora é rezar pra não inflamar enquanto eu procuro por uma podóloga de verdade!!

Encontrar uma podóloga de primeira aqui seria muita sorte. Continuarei procurando!!!