deu na Folha

“Há alguns anos, paquerar era uma tarefa complexa. As modalidades variavam desde você pedir pra um amigo ser o cupido, passando bilhetes e até coisas horríveis como ficar vermelha na frente da pessoa e sair correndo (esse último, comprovadamente, um total fiasco). Hoje, parece mais fácil. Basta cutucar no Facebook ou curtir. Simples assim. Você não precisa se arrumar, ter taquicardia, pedir pro garçom entregar um bilhete. Pode inclusive fazer tudo isso de pijama, vendo novela. O mundo perdeu o sentido de aventura. Saudades de sair correndo do bar com a cara em chamas.”

Enquanto eu não encontro as palavras suficientes pra descrever meu final de semana em SP, vou me valer de algumas das reflexões levantadas nesse trecho. Seguem:

  1. eu pedi conselho pros amigos;
  2. eu fiquei vermelha, mas não saí correndo;
  3. eu me aventurei; peguei um avião, sem nenhuma garantia de nada, pra falar o que eu precisava falar tendo a certeza de continuar sem nenhuma garantia de nada;
  4. eu me arrumei, eu me desarrumei, eu passei maquiagem dentro do carro, eu arrumei desculpas, eu disse que tinha arrumado desculpas;
  5. eu falei o que tinha que falar; falei engasgada, fiquei vermelha, mas falei.

É. Acho que, por enquanto, isso basta pra um relato. Falta só dizer que, pra última bala, dando um tiro no escuro, se é que chegou a pegar no meu pé, foi mesmo só de raspão. Ou então eu realmente entendo tudo errado.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s