Na última sexta feira (25 de janeiro), eu e o marido completamos 2 anos de Armênia. Foram 2 anos que passaram muito rápido; parece que foi ontem que pousamos em Yerevan e encontramos uma cidade toda branquinha, coberta pela neve, com temperaturas que chegavam a -20ºC. Os invernos ficaram mais amenos desde então, os verões foram muito quentes e quase insuportáveis, e o outono e a primavera se tornaram minhas estações preferidas. Nestes 2 anos, graças a Deus nós viajamos bastante, não só pela Armênia (embora ainda falte muita coisa para conhecer) mas também pela região (Irã, Geórgia, Rússia e Emirados Árabes estão na lista de países que conhecemos nesse nosso período aqui), além das viagens de afastamento + férias para destinos um pouco mais distantes porém nem tanto.

No dia 25 de janeiro, eu fiz um post no instagram pra marcar este nosso “aniversário de Armênia” e, porque eu escrevi que a contagem regressiva se tornava mais real a partir de então, eu recebi algumas mensagens perguntando se nós estávamos pretendendo mudar daqui. Ao longo destes 2 anos por aqui, também recebi muitas perguntas que tangenciaram este assunto como, por exemplo, porquê estamos na Armênia, o que fazemos aqui, etc. Eu não sou muito de abrir a minha vida pessoal (principalmente “nas internets”), nem de falar muito sobre a carreira do Felipe e como isso determina a nossa vida, mas acho que chegou a hora de fazer um post explicando exatamente porquê “o mundo é a minha casa“.

O Felipe é diplomata desde 2010, e nós começamos a namorar em 2012, poucos dias antes dele ir para o Zimbábue para sua primeira missão transitória. É, eu sei, se é considerado doideira namorar à distância, imagina começar um namoro com alguém que ia se mudar pra África daí poucos dias? Porém Deus sabe todas as coisas e nosso amor estava escrito nas estrelas. O Zimbábue é um posto D na classificação do Itamaraty, o que significa que ele teria direito a afastamentos de 10 dias a cada 3 ou de 15 dias a cada 4 meses (este regime é determinado pelo chefe de cada posto e autorizado pelo Itamaraty); no caso do Zimbábue, os afastamentos aconteciam segundo o regime quadrimestral, e nós passamos os primeiros 1 ano e 3 meses de namoro driblando a distância e matando a saudade sempre que possível.

Em julho de 2012, eu estava em Londres fazendo um curso de extensão na King’s College e ele foi passar o aniversário dele comigo por lá – mas foi literalmente só o aniversário, porque não era época de afastamento ainda, então ele chegou no sábado de manhãzinha e voltou pra Harare no domingo depois do almoço; em dezembro do mesmo ano, eu embarquei pra Harare, e fiquei por lá 1 mês com ele, aproveitando para conhecer Gaborone e Joanesburgo numa road trip de uma semana que fizemos pela África do Sul e Botsuana. Em maio de 2013, ele tirou férias e, além de passar 15 dias no Brasil, nós fomos juntos para os EUA por 15 dias, passeando pela Califórnia e esticando até Las Vegas. Em julho de 2013, ele voltou ao Brasil, já que sua missão em Harare tinha chegado ao fim. De Harare, o (agora) marido poderia ter pedido remoção para outro posto no mundo, mas ele optou por voltar para a Secretaria de Estado (SERE) em Brasília para podermos ter um namoro um pouco mais normal, já que eu ainda estava no Mestrado na UFF.

Foram, então, mais 1 ano e 7 meses de namoro, lidando apenas com a distância entre RJ e Brasília – o que era infinitamente mais fácil. Nos casamos em fevereiro de 2015, ligando nossas vidas numa só, nos tornando os grandes companheiros que poderiam, juntos, desbravar o mundo e torná-lo a nossa casa a cada remoção.

O processo para realocação dos servidores do Ministério das Relações Exteriores é chamado de “mecanismo de remoções” ou “plano de remoção”; geralmente, o MRE abre dois planos de remoção por ano (um por semestre). A 1ª etapa do plano é a sua abertura, que é feita por portaria publicada no boletim de serviço, restrito à intranet do MRE. Esta portaria declara aberto o plano de remoções, listando suas regras e condições, e podem se inscrever no plano os servidores (há basicamente três carreiras distintas no MRE: diplomatas, oficiais de chancelaria e assistentes de chancelaria) que já tenham completado, pelo menos, 2 anos no posto em que estão lotados. Estas inscrições ficam abertas por alguns dias e, ao final do período de inscrições, é publicada a lista dos servidores que tiveram suas inscrições aceitas e efetivadas. É aí que podemos saber quais serão as vagas livres nos postos, e alguns servidores recebem convites de postos que precisam de pessoal.

A rede de postos, hoje, abrange 139 Embaixadas, 52 Consulados-Gerais, 11 Consulados, 8 Vice-Consulados, 12 Missões ou Delegações e 3 Escritórios, além da SERE. Os postos são classificados em A, B, C e D. São postos A, por exemplo, aqueles localizados nos EUA, Reino Unido, França, Espanha, Argentina, entre outros; alguns exemplos de postos B são México, Chile, Singapura; Armênia, Geórgia, Rússia, Egito e África do Sul são postos C, entre tantos outros; já os postos D são, por exemplo, Zimbábue, Botsuana, Haiti, Filipinas e Palestina. Esta classificação leva em consideração muitos fatores como, por exemplo, as relações com o Brasil, a condição de vida nos postos, a proporção de brasileiros no país, etc. E, como eu falei ali em cima, os postos C e D são contemplados com os afastamentos, que podem ser 10 dias a cada 3 meses ou 15 dias a cada 4 meses; isso acontece porque o MRE reconhece que a vida nestes postos é mais difícil, com mais restrições impostas no dia a dia aos servidores e seus dependentes. Na prática, são 30 dias de férias a mais no ano, além dos 30 dias previstos em lei. Além disso, a classificação dos postos determina o período mínimo e máximo de permanência dos servidores em cada posto; por isso, em todos os lugares do mundo onde morarmos, a contagem regressiva para partir já começa no mesmo dia em que chegarmos.

Alguns dias depois do fim das inscrições no plano de remoções, os servidores recebem, por e-mail, uma lista de oferta de postos, em geral com 1 posto A, 1 posto B, 1 posto C e 1 posto D. O servidor deve responder a esse e-mail ordenando os postos pelo seu interesse e, se quiser, pode adicionar mais dois destinos que não constem nesta lista original. Passados alguns dias (de muita ansiedade, é claro, afinal a gente ainda não sabe pra onde vai e o processo todo é bastante agônico), é publicado o resultado do plano, que não corresponde à remoção oficial, mas que indica aos servidores seus destinos para que, assim, possam decidir se aceitam o posto designado, ou se desistem e voltam para Brasília. A oficialização da remoção se dá pela publicação da portaria de remoção no Diário Oficial da União (DOU), e é a partir desta data que temos 60 dias para partir. Sim, são apenas 60 dias para tomar providências de mudança! A partir da publicação da remoção no DOU, são 60 dias para fazer orçamentos com empresas de mudança e fechar contrato, finalizar os contratos de aluguel, vender e comprar coisas, fechar contas em banco, e tantas outras coisas que pelo menos 2 anos na cidade nos renderam.

Se o servidor estiver com férias marcadas e previamente autorizadas no período compreendido nestes 60 dias, a contagem é suspensa pelos dias correspondentes. Também pode acontecer, por necessidade no posto de origem, uma prorrogação do prazo, que deve ser autorizada pela SERE. Mas, em geral, são 60 dias para partir, 10 dias de desligamento do posto (período dedicado à organização da mudança de facto com a empresa que venceu a licitação), e mais 15 dias de trânsito (uma tradição herdada de tempos mais antigos quando podia-se demorar muitos e muitos dias para se chegar ao destino), que podemos passar em qualquer lugar do mundo que não seja o posto de origem e o novo posto.

Neste sentido, os verbos passam a ser conjugados no plural a partir do momento em que o servidor recebe a lista por e-mail e deve ordená-la de acordo com suas preferências. Afinal de contas, a mudança para um novo país influencia a vida de todos da família. São vários fatores que devem ser levados em consideração (pelo menos, eu e Felipe pensamos juntos em vários fatores), como qualidade e custo de vida no posto, idioma e facilidade de comunicação, mobilidade, liberdade para a mulher, acordo de trabalho para o cônjuge, etc. Nós tentamos pesquisar todos os fatores mais importantes antes de definirmos a resposta ao e-mail, levando em consideração nossas preferências pessoais, mas fato é que só saberemos de fato como será tudo ao chegarmos no novo posto e (re)começarmos a vida.

O MRE custeia a mudança dos seus servidores, mas, para isso, é preciso abrir um processo de licitações, apresentando vários orçamentos para o governo, que escolherá sempre o menos oneroso aos cofres públicos. As empresas devem apresentar um orçamento que incluam o cálculo de cubagem, embalamento e seguro dos itens a serem transportados. Depois que tivermos o vencedor da licitação, marcamos os dias de embalagem, e eles podem embalar absolutamente tudo se assim quisermos. Mas, como eu sou ultra organizada, prefiro deixar alguns itens previamente embalados ou dentro de malas, o que facilita muito a vida dos funcionários da empresa e diminui consideravelmente o número de dias necessários para empacotar tudo. Na nossa mudança de Brasília pra Armênia, por exemplo, a empresa que ficou responsável pela nossa mudança tinha reservado 2 dias para embalar tudo, mas foi preciso pouco mais de 8 horas de um único dia, uma vez que eu (com a ajuda do marido e dos meus pais, que ficaram em Brasília nos dando todo apoio nesta hora) já tinha adiantado muita coisa. Nas próximas mudanças, pretendo fazer o mesmo. No destino, outra empresa (ou a mesma empresa, caso tenha uma filial por lá também) recebe a mudança e faz o trabalho inverso – ou seja, entregar e desembalar tudo – enquanto nós conferimos se tudo chegou em ordem, ou se teremos que acionar o seguro para cobrir itens danificados ou perdidos.

Também neste período de 60 dias são emitidas as nossas passagens para a nossa nova casa, e essa passagem também é paga pelo MRE para os servidores e seus dependentes legais. Por conta disso, as passagens deverão sempre obedecer a alguns critérios: sempre a mais barata, sempre classe econômica, e em geral a mais rápida. Quando se trata de dinheiro público, tudo é sempre bastante burocrático e é preciso gastar o menos possível, sempre apresentando minuciosamente o relato de cada centavo empregado. No geral, quem cuida disso é uma divisão do MRE junto à agências de viagens. O servidor pode, se quiser, alterar a passagem para usar o período de trânsito, sempre respeitando os prazos; neste caso, todos os custos de alteração das passagens ficam por conta do servidor. Quando nós viemos de Brasília pra Armênia, nós alteramos as nossas passagens para passarmos o trânsito na Europa, já que a nossa passagem tinha sido emitida com a Air France e faríamos conexão em Paris; todas as despesas com os trechos internos que fizemos naquele trânsito, bem como os custos com hotel, também foram nossa responsabilidade.

Uma outra coisa com a qual é preciso lidar nestes 60 dias é o visto para o novo posto. Alguns países não exigem visto prévio, outros emitem um visto provisório que deverá ser substituído após a chegada, e outros já emitem logo os vistos correspondentes para o corpo diplomático acreditado e seus dependentes legais. Em caso de necessidade de solicitar os vistos, os procedimentos são um pouco diferentes de quando solicitamos vistos de turismo, pois é preciso apresentar, além de todos os documentos regulares, uma nota diplomática informando sobre a remoção e listando os dependentes legais. Por sua vez, estes procedimentos de vistos diplomáticos costumam ser mais rápidos na prática – pelo menos isso pra facilitar a vida neste período já tão conturbado!

Quando o servidor está saindo da SERE para outro posto no mundo, outro procedimento que é preciso cumprir é o registro de toda e qualquer obra de arte junto ao IPHAN, que emite uma liberação de cada item.

Muita gente tem uma ideia muito glamourosa da vida diplomática, mas a verdade é que nossa vida é 0 glamour, muito trabalho, enormes imprevistos na vida pessoal e profissional, e pouquíssima margem para planejamento. À exemplo do que vivemos até aqui, nossa vida certamente será sempre pautada por muitas mudanças, exigindo muita flexibilidade, muita renúncia e muita organização, bem como muita inteligência emocional, as prioridades bem estabelecidas, numa comunhão íntima com meu parceiro de vida, que nos dá segurança mútua. A gente costuma dizer que o MRE é uma caixinha de surpresas, e os processos de remoção nos fazem ter uma única certeza: nós sempre chegamos num lugar com data pra sair, mas sem saber pra onde.

Graças a Deus, eu e Felipe somos muito parceiros e costumamos tirar de letra os imprevistos diários, lidando muito bem com todos os processos que a carreira dele prevê. Como cônjuge, a minha vida acaba se definindo em grande parte pelas atividades dele, não só porque nós fazemos do mundo a nossa casa mas também por outros fatores variados. Por exemplo, uma vez no posto, a vida do cônjuge se mistura em diversas esferas com as responsabilidades do servidor: embora eu não esteja na Embaixada com o Felipe, há vários eventos (nem sempre em dias convenientes ou atividades estimulantes) nos quais eu devo ir com ele, e eu consequentemente me torno uma representante do Brasil “por tabela”.

Outro exemplo de como a vida do cônjuge se define pela carreira do servidor está diretamente ligado à existência ou não do acordo de trabalho: aqui na Armênia ainda não há acordo de trabalho, e isso significou que eu não posso exercer atividade remunerada durante nossa permanência aqui. Quando decidimos aceitar essa remoção, eu estava ciente disso, e desde que aqui chegamos eu não recebi um centavo por nada que fiz, me dedicando quase exclusivamente à escrita (nos blogs e também dos meus livros, já tendo publicado um deles) e muitas horas de home office; naquele momento, eu não me incomodei com a perspectiva de não poder trabalhar, porque estava saindo de um período muito conturbado no Brasil e precisava desacelerar pra colocar minha cabeça no lugar. No fim das contas, este período de Armênia foi muito terapêutico para mim, possibilitando que eu me dedicasse à atividades que, de outro modo, não poderia ter realizado (como, por exemplo, os cursos de consultoria de estilo e história da moda que fiz em Londres e Paris) e me preparando para os desafios futuros.

Fazer do mundo a minha casa é uma luta diária, que eu só consigo vencer porque tenho uma fé inabalável e o Felipe ao meu lado. Além de enfrentar todas as questões e incertezas da carreira que já listei aqui, lidar com a saudade de tudo e de todos diariamente é sempre muito difícil, quando a distância e o fuso horário existem só pra complicar ainda mais a nossa vida.

2 ou 3 anos é um período muito curto de tempo para adaptar-se a uma rotina completamente nova num país estranho, a acostumar-se com novos sabores, novos idiomas e códigos sociais, e tantas outras coisas novas. Quando nós começamos a nos habituar com um lugar, é hora de empacotar tudo novamente e partir para um novo destino, e começar tudo do zero outra vez. No fim de cada dia, eu e o Felipe só temos a certeza de que temos um ao outro pro que der e vier, e eu dou graças a Deus por tê-lo como meu companheiro de vida, meu par e meu cúmplice em qualquer canto desse mundo.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s