Tudo o que você precisa saber sobre o FastPass da Disneyland Paris

Nós estamos de férias e começamos (mais) essa nossa road trip pela Europa por Paris por um motivo muito especial: desfrutar do meu presente de aniversário! Não fosse a greve dos transportes (que continua) na França, nós teríamos ido pra Paris no dia 06/12 para comemorar meu aniversário com apenas 2 dias de atraso na Disneyland Paris. Mas Deus sabe o que faz, e a gente conseguiu remarcar tudo o que já estava pago para o primeiro final de semana de fevereiro, dando start nas nossas férias de um jeitinho bem mágico.

Nesta nossa visita ao complexo Disneyland Paris, nós decidimos testar uma das modalidades de Fastpass (eu já expliquei como funciona o Fastpass do Walt Disney World Resort aqui) que estão disponíveis na divisão européia do lugar mais feliz do mundo. Na Disneyland Paris, os visitantes podem optar por comprar uma das categorias do Super Fastpass ou do Ultimate Fastpass.

IMG_7375

pulseira do Ultimate Fastpass (os charms e a pulseira são Pandora, coleção exclusiva dos parques da Disney)

Como nada nos parques, o Fastpass não sai barato, mas ele ajuda a otimizar bastante o tempo, principalmente para quem não suporta filas e/ou está visitando ambos os parques em um único dia. Além dessas opções de Fastpass pago, as atrações da Disneyland Paris e do Walt Disney Studios oferecem Fastpasses normais, nas maquinas ao lado dos brinquedos, mas estes requerem um pouco de organização pra que você não se embole nos parques e acabe não desfrutando bem da sua visita.

Os Super e os Ultimate Fastpasses são oferecidos em quantidade limitada, e custam a partir de €30 por pessoa (adulto ou criança) até €120 por pessoa na baixa temporada. Por sua vez, na alta temporada, esse “fura filas autorizado” custa a partir de €45 por pessoa podendo chegar até €150. Lembrando que estes bilhetes Super & Ultimate Fastpass são adicionais aos ingressos normais dos parques, que custam a partir de €80 (preço do ingresso de criança de 3 a 11 anos para visitar 1 parque) até €107 (preço do ingresso individual para pessoa a partir dos 11 anos para visitar os 2 parques em um único dia).

Mas o que são, de fato, os Super e os Ultimate Fastpass? Eu te explico.

O Super Fastpass pode garantir um acesso rápido às atrações “para a família” e/ou um acesso rápido às atrações “grandes emoções”.

Já o Ultimate Fastpass garante um acesso rápido a todas as atrações Fastpass listadas (“para a família” e “grandes emoções”), ou acessos rápidos ilimitados a todas as atrações Fastapass listadas.

fastpass disneyland paris

tabela atual dos preços e atrações de Super Fastpass e Ultimate Fastpass na Disneyland Paris

Ou seja: há dois tipos diferentes de Super Fastpass e outros dois tipos diferentes de Ultimate Fastpass. Consequentemente, há quatro preços diferentes.

Nós optamos por comprar o Ultimate Fastpass ilimitado, porque meu plano era aproveitar beeem o meu presente de aniversário e eu queria repetir algumas das minhas atrações favoritas (tipo Tower of Terror, Space Mountain e Star Tours) sem filas. Compramos online, junto com o ingresso dos parques e, chegando ao complexo Disneyland Paris, fomos até um dos guichês para trocar o voucher pelo Fastpass propriamente dito.

A diferença da compra online do Fastpass para o ingresso é que o ingresso comprado online já é um ingresso válido, que deve ser obrigatoriamente impresso e apresentado na entrada dos parques (de acordo com as informações disponíveis no site da Disney). Por sua vez, o Fastpass comprado online gera um voucher, que deve ser trocado por um ticket Fastpass no guichê, acompanhado de uma pulseira indicativa da categoria de Fastpass comprada.

Nesse ticket Fastpass, são impressas as atrações com acesso rápido incluídas na sua experiência, bem como a data de uso e o tipo de Fastpass escolhido. No caso das opções Super Fastpass e Ultimate Fastpass de um acesso rápido, os funcionários dos parques (os famosos cast members) fazem uma anotação de que você já usou seu Fastpass naquele brinquedo, evitando assim o uso indevido. Na opção Ultimate Fastpass acesso ilimitado, os cast members apenas conferem a data impressa no ticket Fastpass e a pulseira individual.

E o que eu achei do Ultimate Fastpass ilimitado?

Bem, pra começar, é um serviço caro sim. Mas devo reconhecer que é uma opção bastante eficaz que a Disney implementou, garantindo que vamos otimizar o passeio nos parques, principalmente considerando que os parques Disneyland Paris e Walt Disney Studios não só podem facilmente ser conhecidos num único dia como a maioria das pessoas que os visitam fazem justamente isso. Diferente do complexo Walt Disney World, os parques da divisão européia costumam ser um destino “consequência” de uma viagem para Paris (a menos que você seja Disney freak assumido como eu) e os visitantes em geral dedicam mesmo um só dia para ambos os parques.

Refeições com personagens na Disney

Finalmente matei a saudade que tava me matando e voltei ao Walt Disney World depois de 4 anos e meio! Já expliquei tim tim por tim tim aqui como é que se faz pra marcar  Fastpass+ pelo My Disney Experience, e hoje quero contar um pouquinho sobre as experiências de fazer refeições nos restaurantes que oferecem encontros com os personagens da Disney.

A primeira coisa que precisa ser esclarecida sobre o “character dining” é que os personagens não vão sentar na sua mesa e comer com você, mas sim vão se aproximar para que todos que estão na mesa tenham oportunidade de tirar fotos e pegar autógrafos. Embora seja uma experiência cara (US$60 por adulto, US$35 por criança até 8 anos), é uma chance única de ver os personagens da Disney com roupinhas diferentes e criar memórias incríveis tirando fotos sem fila. Nestes preços, além do encontro com os personagens, estão incluídos o buffet ilimitado de comidas e fountain drinks (= refrigerantes, água filtrada). Água mineral e bebidas alcoólicas são pagas à parte, lembrando que somente maiores de 21 anos podem tomar bebidas alcóolicas e é necessário apresentar Passaporte.

Até esta minha última visita ao Walt Disney World, eu só tinha vivenciado a experiência de encontrar os personagens da Disney fora dos parques no ‘Ohana, que é o restaurante do Disney’s Polynesian Village Resort (um dos 3 hotéis de luxo do Walt Disney World Resort).

A Point Travel sempre agenda um brunch com os personagens para o penúltimo dia de viagem, logo antes de repetirmos o Magic Kingdom, no ‘Ohana. Eu amo o ‘Ohana, sempre me diverti muito lá, e a comida é deliciosa; eles oferecem um suco tropical divino! No ‘Ohana, os personagens que circulam pelas mesas são Lilo, Stitch, Mickey e Pluto. No mosaico de fotos acima, tem fotos de 4 das minhas passagens no ‘Ohana, com participação especial do chefinho Marcelo e da Tininha, minha mamãe postiça de quem eu era ajudante nos grupos da Point!

Como eu já tinha ido váááárias vezes ao ‘Ohana, desta vez eu marquei refeições com personagens em outros restaurantes que eu tinha vontade de conhecer: o Tusker House (dentro do parque Animal Kingdom) e o Chef Mickey’s (que fica no Disney’s Contemporary Resort).

Almocei no Tusker House, que oferece comidas inspiradas na culinária africana, no dia em que fui ao Disney’s Animal Kingdom, e eu agendei pelo My Disney Experience para fechar o Rivers of Light Dining Package. O Rivers of Light Dining Package nada mais é do que uma reserva antecipada do seu assento para assistir ao Rivers of Light, o show noturno do Animal Kingdom. Quando se está reservando, pode-se escolher o horário do show (no dia que eu fui no parque, tinha apresentação às 19h e às 20h30, e eu escolhi o das 19h). Tendo reservado o Dining Package com a assessoria da Point Travel, eu podia chegar no Rivers of Light um pouco mais em cima da hora sem me preocupar se eu conseguiria lugar ou não. Por conta disso, consegui assistir 2x ao Festival of the Lion King, que é meu show favorito da vida! No Tusker House, podemos encontrar Mickey, Pateta, Margarida e Pato Donald. Ao reservar o Dining Package, você receberá, durante a sua refeição, um ticket que dá direito à entrada especial no Rivers of Light.

O Chef Mickey’s foi a nossa última atividade em Orlando, já que eu reservei a refeição no jantar da véspera de partirmos para o Canadá. Eu sonhava em ir no Chef Mickey’s desde a primeira vez que fui pra Disney, quando passamos de Monorail por dentro do Disney’s Contemporary Resort a caminho do Magic Kingdom e eu vi o Mickey passando pelo restaurante com sua roupinha de cozinheiro, com direito a chapéu e tudo.

O Chef Mickey’s é um dos restaurantes mais concorridos para character dining e até hoje eu não acredito que consegui fazer uma reserva e realizar esse sonho (valeu Point Travel!)! Uma das razões pra ser tão concorrido é porque este é o único restaurante que tem 5 personagens rodando pelas mesas. Mickey, Minnie, Pluto, Pateta e Pato Donald encantam com suas dólmãs! E o buffet estava uma delícia, cheio de comidas Mickey shaped do jeitinho que eu gosto.

Vários outros restaurantes espalhados pelo Walt Disney World oferecem character dining, e para todos eles é altamente recomendável fazer reserva, já que costumam ficar lotados. Alguns exemplos: o 1900 Park Fare, no Disney’s Grand Floridian Resort & Spa, oferece encontros com Mary Poppins, Alice, Chapeleiro Maluco, Tigrão e Puff (eu sei que agora é Pooh mas eu me recuso! Pra mim será eternamente Ursinho Puff); dentro do Magic Kingdom, o Cinderella’s Royal Table garante a oportunidade de fotos com as princesas da Disney. Todas estas informações estão disponíveis no site da Disney, e você também pode contar com a assessoria da Point Travel para todas as etapas da sua viagem!

Disney World: o que é e como agendar o FastPass+

Quem tá em dia com os posts aqui do blog sabe que eu sou Disney freak assumida, e também que eu já fui guia pra Orlando entre 2009 e 2014. Ao todo, foram 15 viagens pra Orlando, e depois de 4 anos e meio de muita saudade (e umas escapadas pra Disneyland Paris no meio), finalmente chegou a hora de curtir toda a magia dos parques da Disney World de novo! Ou seja, atualizamos esse número para 16 hihihihi

captura de tela 2019-01-22 às 17.11.47

Neste post, quero fazer um passo a passo pra ajudar quem nunca foi pra Disney World e quer usar o My Disney Experience para agendar seus FastPasses.

Mas, pera aí, Letícia, o que é um FastPass+?

Calma que eu te explico. Desde a primeira vez que fui pra Disney, lá nos idos de 2004, já existia o sistema chamado FastPass, que nada mais é do que um “fura fila autorizado”. Nos parques da Disney, esse serviço sempre foi gratuito (nos parques da Universal existe o Express, e no Sea World e no Busch Gardens há o QuickQueue, porém ambos serviços são pagos e os preços variam de acordo com a época do ano e a demanda). As atrações da Disney tem, em geral, dois tipos de filas: stand-by e FastPass. A fila do FastPass anda mais rápido do que a stand-by (que, como o nome já diz, é uma espera), porque é distribuído um número limitado de passes para cada período do dia.

Até dezembro de 2013, pra conseguir um FastPass, você ia até máquinas localizadas ao lado de cada atração, colocava o seu ingresso, e a máquina devolvia o ingresso e mais um papel (equivalente ao FastPass) com um horário pra você voltar para aquela atração na fila do FastPass, sem a necessidade de ficar na fila do stand-by. Nessas horas, ir com um grupo guiado (alô Point Travel!) era uma vantagem imensa, porque enquanto um dos guias acompanhava o grupo em uma atração, o outro guia ia buscar FastPass, sempre buscando criar o melhor roteiro dentro de cada parque. Era mais complicado do que se pensa, principalmente se levarmos em consideração a lógica dos parques (sim! Cada parque tem uma lógica e tudo fica muito mais divertido quando a gente entende isso!) e também o fato de que só se podia agendar outro FastPass um determinado tempo depois de usá-lo. A Tininha, guia da Point Travel de quem eu era assistente, era muito expert nos FastPasses, e graças a ela já chegamos a usar 7 FastPasses num único dia de Magic Kingdom (que é o parque com maior número de atrações)!

Quando levamos o grupo de 2014, a Disney já tinha modernizado todo o sistema, com a implementação do My Disney Experience, das Magic Bands e do FastPass+. O que mudou, de fato, foi que a experiência passou a ser controlável também virtualmente, já que os ingressos ficam ligados a uma conta no My Disney Experience; ainda há totens de autoatendimento nos parques, próximos a determinadas atrações, onde os desavisados podem agendar seus FastPasses daquele dia, ou mesmo novos FastPasses de acordo com a disponibilidade. A partir de então, os ingressos de papel foram substituídos por cartões que tem um QR Code e que são, além de ingresso, os próprios FastPasses; se você comprar uma MagicBand, o seu ingresso será associado à MagicBand bem como os seus FastPasses agendados.

img_0888

minha MagicBand de 2014: edição especial da Mickey’s Not-so-scary Halloween Party

Com o FastPass+, é possível agendar até 3 atrações pelo My Disney Experience, com até 30 dias de antecedência a partir das 07h00 do horário local de Orlando. Para os hóspedes dos hotéis da Disney, a antecedência aumenta para 60 dias do dia do seu check in, podendo marcar os FastPasses+ de todos os dias da sua estadia de uma só vez. Isso é, de fato, uma vantagem interessante, já que as atrações mais novas, que costumam atrair mais visitantes (por exemplo, Flight of Passage no Animal Kingdom, Slinky Dog Dash no Hollywood Studios, e até a Seven Dwarfs Mine no Magic Kingdom que já tem 5 anos desde a sua inauguração mas continua ultra popular) costumam ter seus FastPasses esgotados antes dos 30 dias que os reles mortais dispõem. Faz tempo, mas eu já me hospedei em um hotel da Disney, e embora eu reconheça as vantagens (que aumentaram significativamente quando consideramos o FastPass+) eu tenho também muitas ressalvas, porém isso é assunto pra outro post. Fato é que, mesmo com os 30 dias de antecedência, dá pra agendar uns FastPasses+ bem interessantes e economizar bastante tempo nos parques, se você tiver uma boa estratégia – ou então guias muito sábios e espertos que vão te ajudar a aproveitar ao máximo (alô Point Travel de novo!). Se você nunca foi pra Disney World e/ou vai encarar sozinho os parques e a tarefa de marcar os FastPasses+, é fundamental estudar os mapas dos parques antes para se familiarizar com as opções e a disposição das atrações, porque você definitivamente não quer perder tempo “ziguezagueando” dentro do parque!

img_6650

MagicBand de 2019!

Dessa vez, comprei o ingresso de 5 dias, com 1 parque por dia (ou seja, sem a opção Park Hopper, que permite ir a mais de um parque por dia). Como eu tô indo sozinha pros parques da Disney, e graças a Deus eu conheço a Disney World como a palma da minha mão (obrigada Point Travel), eu não só já sabia exatamente o que eu queria fazer em cada parque mas também qual deles eu achava necessário repetir, bem como qual a estratégia de FastPasses eu usaria (e cenários alternativos para o caso de adotar estratégias diferentes!).

Eu estava ansiosíssima pra agendar meus FastPasses, e marquei cada dia de parque no minuto que ficava disponível (Disney freak, né, mores). Então aqui está como exemplo o meu primeiro dia de parque.

captura de tela 2019-01-22 às 17.11.59

Ao abrir a página do My Disney Experience, você verá as seguintes opções: “família e amigos”, “hotel no resort”, “ingressos dos parques”, “refeições”, e “FastPass+”. Como em 2014 este sistema já estava em vigor e o Felipe foi comigo em 3 dos 4 parques, o nome dele já aparece no meu cadastro; na época, reservei os FastPasses+ pra nós dois, enquanto, dessa vez, as reservas que o incluem são apenas para restaurantes do complexo Disney World mas que ficam fora dos parques (ou seja, não precisam de ingresso).

captura de tela 2019-01-27 às 11.08.31

Na opção FastPass+, você poderá adicionar novos FastPasses+ ou mesmo atualizar os horários dos FastPasses+ que você já tiver agendado. Ao clicar em “adicionar novo FastPass+”, aparecerá a opção “criar grupo de FastPass+”. Por isso, é importante que, antes que se inicie o prazo para começar a agendar seus FastPasses+, os perfis de todos os integrantes do seu grupo já estejam criados e associados à conta do responsável pelo agendamento dos FastPasses+ (é bom demais se você tem um agente de viagem pra fazer isso por você).

captura de tela 2019-01-27 às 11.09.20

No meu caso, eu era a única integrante do meu “FastPass+ Party”, então lá fui eu clicar “next”. O próximo passo era escolher a data:

captura de tela 2019-01-22 às 17.55.21

E, em seguida, o parque que eu visitaria naquele dia:

captura de tela 2019-01-27 às 11.09.20

No meu caso, eu quis ir neste primeiro dia no Hollywood Studios, e mas sabia que só queria chegar por lá mais tarde, então eu minha estratégia era agendar meus FastPasses+ pra depois das 15h30.

captura de tela 2019-01-22 às 17.54.52

Meu plano pra esse dia era ir pra Toy Story Land, fazer as atrações desta área nova, depois ir pra área da Sunset Boulevard pra aproveitar a Rock n Roller Coaster e a Tower of Terror antes do Fantasmic!. Nos parques Hollywood Studios, Animal Kingdom e EPCOT, a Disney criou 2 categorias de FastPasses (Tier 1 & Tier 2); no Magic Kingdom, não há esta distinção. No Tier 1 do Hollywood Studios, por exemplo, estão as 3 atrações da Toy Story Land (Toy Story Mania!, Slinky Dog Dash, Alien Swirling Saucers) e você só pode escolher 1 destas 3 atrações pra agendar seu FastPass+; todas as outras atrações (como Rock ‘n’ Roller Coaster, Tower of Terror, Star Tours: The Adventure Continues, entre outras) estão no Tier 2 deste parque, e você pode agendar FastPasses+ antecipados para 2 atrações do Tier 2. Eu, então, escolhi o Toy Story Mania! do Tier 1, já que Slinky Dog Dash estava esgotado, e escolhi os outros 2 FastPasses+ (correspondentes ao Tier 2) para um horário mais próximo do Fantasmic!, que começaria às 20h e fica ali coladinho na Tower of Terror.

Se fosse um dia normal de parque, em que eu me planejo pra ficar o dia inteiro, eu teria tentado marcar os FastPasses+ pra parte da manhã, idealmente terminando ao meio-dia. Por quê? Porque, quando você usa os seus 3 FastPass+ previamente agendados, você destrava um novo FastPass+! Então, considerando que o seu último FastPass+ estava marcado para a janela de 11h-12h, ao meio-dia você pode entrar no aplicativo My Disney Experience ou procurar um totem no parque pra marcar um novo FastPass+. Cada FastPass+ tem uma janela de 1 hora: então o ideal é marcar esses 3 para 9h-10h, 10h-11h e 11h-12h pois, assim, ao meio-dia você já pode ir lá marcar um novo FastPass, e você ainda tem muitas horas de parque pra curtir! Claro que nem sempre isso vai ser possível, mas não se desespere, porque mesmo assim vai dar tudo certo!

Até porque tudo isso pode mudar de acordo com a disponibilidade ou mesmo a estratégia do parque – e é aí que o conhecimento faz toda a diferença (de novo, obrigada, Point Travel). Por exemplo: o Animal Kingdom, que completa 20 anos neste ano, agora vive lotado por causa de Pandora – The World of Avatar, que tem 2 atrações super concorridas (Flight of Passage e Na’vi River Journey) no Tier 1 de FastPass+. Mesmo entrando no My Disney Experience no primeiro segundo pra marcar os meus FastPasses+ do Animal Kingdom, eu não consegui o FastPass+ pro Flight of Passage, que costuma ter filas consideravelmente maiores do que o Na’vi River Journey. Fiquei triste? Claro que não!

captura de tela 2019-01-27 às 11.23.11

Eu simplesmente ajustei a minha estratégia pra aproveitar ao máximo este parque do qual eu gosto tanto: ao invés de marcar o primeiro FastPass+ pra janela entre 09h-10h, eu optei por marcar o Everest para 10h-11h e Dinosaur para 11h-12h, parando para almoçar antes de ir para Pandora e usar meu FastPass+ pra depois esperar na fila do Flight of Passage. O que acontece é que, geralmente, as pessoas que vão para os parques se direcionam em massa para estas atrações mais novas/mais concorridas nos primeiros minutos em que o parque abre (tinha gente literalmente correndo), deixando as outras atrações livres ou com pouquíssimo tempo de espera na fila stand-by!

Então, ao chegar no Animal Kingdom, ao invés de seguir o fluxo e correr pra Pandora, eu me programei pra ir direto pro Kilimanjaro Safari (bem cedinho é a melhor hora do dia pra ver os animais!) e em seguida para o Festival of the Lion King (uma das minhas atrações preferidas de toda a Disney World), ambos na área da África, partindo pra Ásia e entrando no Everest nos meus minutos finais de FastPass+ já com 2 atrações que eu adoro feitas e sem filas! De lá, segui pro Dinossaur e, enfim, fui almoçar no Tusker House (depois vou escrever em detalhes aqui). Depois do almoço, segui pra Pandora com todas as outras atrações que eu mais gosto feitas! Por conta do Fastpass+, fiz o Na’vi River Journey super rápido. E, mesmo esperando 2h30 na fila do Flight of Passage (que é absolutamente incrível, não consigo nem descrever), a minha estratégia deu tão certo que eu ainda consegui tirar fotos com Mickey e Minnie (peguei fila de 30min) e assistir de novo o Festival of the Lion King (que eu amo de paixão) antes do Rivers of Light!

Se você tiver alguma dúvida sobre o Fastpass+, comenta aqui que eu farei o possível pra esclarecer tudo!

Tale as Old as Time Afternoon Tea: o chá da tarde mais encantador de Londres

O chá da tarde é uma tradição britânica que eu, particularmente, adoro. Eu adoro lanchar, adoro uma mesa bem linda com chá e café e delícias para degustar! Como fã confessa do mundo criado por Walt Disney, eu estava doida para experimentar o Tale as Old as Time Afternoon Tea, servido no Town House Kensington. E pra comemorar hoje os 2 anos de blog, vim contar pra vocês como foi essa experiência gastronômica/encantada!

IMG_2315.JPG

A Bela e a Fera” é um dos meus filmes preferidos da Disney, e a Bela sempre foi a princesa com a qual mais me identificava: ela era a única sempre rodeada por livros! O Town House começou a servir este chá inspirado na história de Beauty and the Beast na época do lançamento do filme live action, em março de 2017. Rapidamente, este chá da tarde se tornou um absoluto sucesso, e praticamente impossível de reservar uma mesa sem muita antecedência. A princípio, duraria poucos meses, até que foi sendo prorrogado devido à enorme demanda; se eu não consegui ir em novembro de 2017, graças a Deus já foi prorrogado até pelo menos 31 de dezembro de 2018, e consegui reservar em tempo de ir com os meus pais em setembro passado!

Como o chá da tarde é muito farto (é possível conferir o menu aqui, e agora eles também contam com um menu festivo, que estará disponível entre 1º e 31 de dezembro deste ano), achei por bem reservar um horário no almoço (13h). Meu pai é diabético, então entrei em contato com o Town House por email perguntando se seria possível que somente eu na mesa degustasse o Tale as Old as Time Afternoon Tea, permitindo que tanto meu pai quanto a minha mãe escolhessem pratos do menu à la carte regular e não-temático. Muito prontamente, o restaurante me respondeu que não haveria nenhum problema e que, inclusive, poderiam preparar algo especial para atender às restrições alimentares caso eu quisesse. Tendo estudado bastante o menu, e sabendo do que o meu pai e a minha mãe gostam, respondi agradecendo e dizendo que não seria necessário, que eles ficariam satisfeitos em escolher algo que já fazia parte do cardápio.

Pois bem, chegou o dia, que foi o mesmo dia quando saímos de Paris para Londres de trem, e nos dirigimos para o almoço no Town House. The Kensington Hotel, onde fica o Town House, fica bem pertinho das estações de metrô South Kensington e também Glouscester Road. Chegando lá, nossa mesa já nos esperava, com biscoitinhos de marzipã decorados imitando o vestido de baile da Bela. Eu já comecei a ter palpitações ali.

Ao confirmar com a garçonete que somente eu degustaria o Afternoon Tea, meus pais receberam menus para que escolhessem seus respectivos pratos, muito bem servidos por sinal, mas pequenos diante da fartura que me foi servida!

Eu fiquei muito contente em ter decidido marcar o afternoon tea para as 13h porque era muita comida. MUITA. E eu, embora seja mais do que muito boa de garfo, não costumo aguentar comer grandes quantidades de comida depois das 17h. E é aqui que a gente começa a cantar mentalmente (ou não) a música Be Our Guest, que forneceu a maioria (se não todas) das referências para que esse afternoon tea fosse criado.

Primeiro, foi servido um hors d’oeuvres de entrada: uma mini torta recheada de ragú de carne, um arancini flambado e um mini-soufflé de queijo. Depois, uma seleção de sanduíches, recheados de salmão defumado, frango com cranberry, pepino com cream cheese, e maionese fresca com agrião, acompanhados de baguettes doces do tipo brioche. Quando eu terminei de comer meus sanduíches, me foi oferecido um “refil”, que eu recusei, porque era muita comida! Os sanduíches estavam deliciosos, mas eu seria incapaz de degustar as sobremesas (que já estavam na minha frente, pra me deixar ainda mais doida) caso comesse mais deles.

Para sobremesa, uma gelatina de baunilha com uma pétala de rosa comestível dentro, uma torta com ganache de chocolate no formato do Horloge (que, obviamente, dava pena de comer de tão lindo!), macarons de côco e chocolate, geleia de damasco com chocolate, e a mais esperada de todas: a mousse de chocolate branco “Try the grey stuff“, com direito à etiqueta escrita à mão com caligrafia perfeita.

A louça desse afternoon tea é de enlouquecer: a atenção aos detalhes, passando pela apresentação dos pratos até o sabor impecável, é tudo impressionante. A refeição completa custa £42 por pessoa, e, mesmo com o câmbio desfavorável, pra mim valeu cada centavo. A única coisa que poderia tornar a experiência ainda mais mágica seria a trilha sonora do filme tocando ao fundo! Mas eu compreendo que, como é um restaurante que não se dedica exclusivamente ao Tale as Old as Time Afternoon Tea e recebe um público diverso, talvez isso não seja mesmo possível. Fato é que foi inesquecível!

Tudo o que você precisa saber sobre a Disneyland Paris

Se tem alguém que ainda não sabe disso, eu sou #disneyfreak, com muito orgulho, com muito amor, e eu não perco nenhuma chance de visitar e vivenciar o mundo mágico pelo mundo!

22

Se meu destino certeiro de férias por muitos anos foi Orlando, pra aproveitar a Disney World ao máximo, nesses últimos tempos eu fui 2 vezes pra Disneyland Paris em pouco mais de um ano, em meio à tantos outros destinos que vocês tem acompanhado por aqui! Eu já tinha ido à Disneyland Paris em 2009, quando estive em Paris pela 1ª vez, e tinha gostado bastante dos parques mais “compactos”, que podem ser facilmente desfrutados em um único dia. Por isso, não deixei passar nenhuma das outras chances de voltar pra esse pequeno complexo mágico na Europa!

Se em 2017 eu já contei rapidamente por aqui sobre o dia que eu e marido passamos nos parques, hoje decidi fazer um post bem completo, explicando tudinho pra quem quiser aproveitar a Disneyland Paris e o Walt Disney Studios.

COMO CHEGAR

A Disneyland Paris fica em Marne la Vallée, a cerca de 40km do centro de Paris. Para quem estiver em Paris, o jeito mais simples de chegar é tomando o RER A (vermelho), descendo na estação final, Gare de Marne la Vallée Chéssy, que já é praticamente dentro da Disney. O bilhete de RER custa €7,60 por adulto/por trecho. Eu nunca usei o shuttle da Disney, mas sei que ele existe e que o transporte de ida e volta do centro de Paris custa cerca de €30. Também é possível ir de carro, mas eu também nunca tentei. O percurso em RER leva cerca de 45min, e sempre foi essa a minha opção escolhida.

INGRESSOS

Você pode optar por ingressos de 1 dia ou vários dias, e os preços variam de acordo com a sua opção. O ingresso de 1 dia para 2 parques, comprado no guichê, custa €99 para adultos e €83 para crianças. O pulo do gato na hora de comprar os ingressos é usar os guichês que ficam na entrada do Walt Disney Studios ao invés dos guichês principais da entrada da Disneyland, que estão sempre mais cheios!

PARQUES

O complexo europeu da Disney conta com dois parques: Disneyland Paris e Walt Disney Studios. Os horários de funcionamento de cada parque variam, então vale a pena conferir no site antes de planejar a sua visita, bem como conferir os horários atualizados do dia quando já estiver por lá. Eu costumo preferir começar o dia pelo Walt Disney Studios e depois seguir pra Disneyland Paris porque, em geral, o Walt Disney Studios fecha mais cedo do que a Disneyland. Como nas duas últimas vezes em que eu fui pra lá estava um frio congelante, eu não consegui ficar até tarde, então não fiquei pulando de um parque pro outro: aproveitei o Walt Disney Studios até umas 14h, e depois fui pra Disneyland, onde fiquei até umas 17h. Quando eu fui pra lá pela primeira vez, em 2009, era verão, então anoitecia mais tarde, estava calor, e era um quadro completamente diferente; naquele dia eu aproveitei até o último segundo!

BRINQUEDOS/RIDES

Eu falei ali em cima que esses parques são mais “compactos”, e agora é hora de explicar porquê: eles concentram, em um espaço menor, os principais brinquedos (inclusive “radicais”) que se encontram espalhados pela Disney World e pela Disneyland (a original, da Califórnia). É claro que não são todos os brinquedos, mas no Walt Disney World e na Disneyland Paris podemos brincar na Rock n Roller Coaster, na Tower of Terror, na Big Thunder Mountain e no Buzz Lightyear Laser Blast.

Pra quem já foi pra Disneyland ou pro Magic Kingdom, andar pela Disneyland Paris será muito fácil e familiar, porque a disposição do parque é praticamente idêntica àquela encontrada nos seus irmãos mais velhos. Mas não pense que os 3 parques são irmãos gêmeos: cada um tem as suas particularidades! O Castelo da Bela Adormecida de Paris tem várias surpresas para os visitantes, e vale a pena gastar alguns minutos do seu dia explorando cada cantinho dos 3 andares desse lindo Castelo. O Labirinto de Alice (Alice’s Curious Labyrinth) também merece a sua atenção. As atrações tradicionais como Piratas do Caribe, Mansão Mal Assombrada e It’s a Small World estão por lá para os fãs mais sedentos. E a montanha russa Indiana Jones and the Temple of Peril é uma das atrações exclusivas desse parque! Mas, pra mim, o melhor brinquedo do parque Disneyland Paris é a Star Wars Hyperspace Mountain, que é a versão mais nerd e super turbinada da Space Mountain!

Já o Walt Disney Studios seria a versão europeia do Hollywood Studios (que fica na Disney World, em Orlando), só que bem menor. Além disso, no Walt Disney Studios encontramos uma área inteirinha dedicada ao Ratatouille, enquanto apenas uma atração similar à existente em Paris será inaugurada no EPCOT de Orlando até 2021 (em tempo de comemorar os 50 anos de Walt Disney World). Outra área super legal do Walt Disney Studios é a Toy Story Playland, que já dá um gostinho da Toy Story Land que será inaugurada no final desse mês de junho de 2018 em Orlando.

PERSONAGENS

Mesmo em dias cheios (dessa última vez que eu fui, em março, os parques estavam bem cheios mesmo!), acho que os parques de Paris são menos alvoroçados do que os de Orlando, e vale a pena aproveitar a oportunidade para tirar fotos com seus personagens preferidos. Mickey, Minnie, Pluto, Darth Vader, princesas… todos estão por lá!

Pra não perder o seu personagem preferido, é importante pegar o timetable do parque assim que chegar (é também nesse folheto que você vai conferir os horários dos shows e atrações) e programar suas fotos especiais.

FASTPASS, SINGLE RIDER & WI-FI

O famoso “fura fila” da Disney está evoluindo muito rapidamente pelo mundo, e em Orlando o sistema já é todo digital, sendo possível agendar com antecedência pela internet. No complexo europeu, essa modernidade ainda não chegou, e o fastpass continua sendo o bom e velho papelzinho que a gente tem que ir na máquina buscar e planejar o dia de acordo. Estando sozinha, não usei nenhum dessas últimas vezes, até porque quase todas as rides tem fila de single rider. O wi-fi para guests foi instalado recentemente, e ainda não tava funcionando muito bem não.

MAGICAL MOMENT

Há uns anos atrás, a Walt Disney World lançou uma campanha que promovia “magical moments” para os guests: podia ser desde uma experiência com um personagem até mesmo passar uma noite na suíte do Castelo da Cinderella. Mesmo essa campanha tendo durado pouco tempo, eu adotei o termo pra vida, e não foram raras as vezes que vi “magical moments” acontecendo nos parques da Disney – fosse um fastpass ou uma foto especial capturada no momento perfeito. Dessa última vez, em março, meu magical moment foi uma situação inteira que se desenrolou na frente do Castelo da Bela Adormecida, proporcionada por uns cast members super atentos!

Como vocês já viram nas fotos, eu fui pro parque com o gorro mais legal do mundo, que é o Yoda usando orelinhas de Mickey. Naquele período, a Disneyland Paris estava celebrando a “Season of the Force“, e os parques estavam tomados por réplicas das naves de Star Wars. Não bastasse o sucesso que o meu gorro fez nos parques (sério: 1 em cada 3 pessoas me perguntava onde eu tinha achado aquele gorro, que eu comprei há uns 5 anos no Hollywood Studios), quando eu fui tirar aquela foto tradicional na frente do Castelo da Bela Adormecida, um cast member muito atento saiu correndo na minha direção, com um sabre de luz e gritando “YODA! YODA!”, me fazendo cair na risada. Isso originou uma sequência de fotos sensacional, que pode ser vista acima, na qual eu tentava equilibrar os risos com as poses remetentes ao universo de Star Wars.

A magia da Disney é contagiante, e eu amo esse universo! Se vocês tiverem alguma dúvida ou pergunta sobre o complexo da Disneyland Paris, deixem aí nos comentários que eu respondo com alegria!

Diário de Viagens: Anaheim & San Diego

Anaheim está a cerca de meia hora de Los Angeles, e a verdade é que não é fundamental ficar em um hotel por lá se você quer conhecer a Disneyland; dá tranquilamente pra ir e voltar dos parques da Disney ficando hospedado em LA. Só que eu sou SUPER DISNEY FREAK (mais sobre isso em um post futuro nesta mesma categoria!) e queria aproveitar ao máximo o complexo onde toda a magia Disney começou a se tornar realidade, então foi comum acordo que ficássemos 2 dias por lá! Pra gente, isso foi vantajoso porque 1) não precisávamos enfrentar o trânsito caótico de LA depois de cansar o dia inteiro nos parques, e 2) quando o Felipe ficou cansado demais da maratona de parques temáticos deu pra voltar pro hotel rapidinho pra tirar uma sonequinha. Escolhemos o Hilton Anaheim Convention Center pra essa etapa da viagem, que tem um Starbucks dentro e shuttle pros parques!

63

A Disney da Califórnia se resume a 2 parques: a Disneyland – onde tudo começou – e o Disney California Adventure. Entre os dois parques, fica o acesso à área de Downtown Disney, com restaurantes diversos, muitas lojas (tem até Sephora!) e também cinemas. Nós demos sorte e fomos pra lá justo no dia em que os parques ficariam abertos por 24h seguidas, dando início ao Monstruous Summer (ação pra promover o Monsters University). Ok, até que ponto foi sorte é discutível, já que os parques ficaram bem mais cheios do que o esperado.

No primeiro dia, fomos pro Disney California Adventure, que tem uma área inteira temática do filme “Carros”, chamada Cars Land, e o Paradise Pier, com roda gigante e tudo mais o que um píer californiano tem direito. Meus brinquedos favoritos foram, certamente, a Torre do Terror (eu adoro, eu me amarro!), o Toy Story Mania! (amor eterno, amor verdadeiro!), e as montanhas russas California Screamin’ e Radiator Springs Racers!

IMG_5486

De noite, rola no Paradise Pier o show World of Color, mas a gente (aka eu) optou por assistir ao Magical, o show de fogos da Disneyland. Nosso ingresso era o Park Hopper de 2 dias, então estávamos tranquilos quanto ao horário e mudança de parques. Eu não sei descrever a emoção de ver a Disneyland de noite. É linda demais! Aliás, todos os parques temáticos que já visitei parecem ganhar uma magia a mais de noite…

Como a Disney tava aberta por 24 horas, ainda demos uma passadinha em Downtown Disney nesse dia antes de voltar pro hotel pra visitar a World of Disney, loja que reúne muita muita muita merchandise dos parques e que me enlouquece.

O segundo dia foi dedicado só à Disneyland, e eu fiquei (de novo) super emocionada nesse parque, porque foi nele que o Walt Disney deu início a tudo o que me encanta nesse mundo. Pra completar a emoção, em frente à estátua “Partners” do Walt Disney com o Mickey na frente do castelo da Bela Adormecida, foi colocada uma placa onde se registra o dia do centenário do Walt Disney, o mesmo dia em que eu completei 12 anos de vida. Pois é, eu e Walt nascemos no dia 05 de dezembro! E isso explica muita coisa!

O parque estava muito cheio (ai, sábados), e já tínhamos ido aos clássicos Piratas do Caribe, Splash Mountain, e Space Mountain. De fato, já tínhamos conhecido o parque todo (o que é muito diferente de ir a todos os brinquedos), passando por todas as “lands” que o Walt Disney planejou. Adorei Toontown, onde ficam as casas de Minnie e Mickey! E a Minnie tava por lá tomando chá! Uma fofa ❤ Enfim. Como o sol tava muito forte e já estávamos cansados, o Felipe me convenceu a descansar um pouco no hotel (eu ficaria mais no parque, mas já passei da fase de gostar de curtir os parques sozinha).

85.JPG

Depois do descanso, fomos jantar no Downtown Disney. Recomendo o Napolini, que oferece massas maravilhosas e uma carta de vinhos bacana.

Depois de jantar, voltamos pra Disneyland, para noooossa alegriiiia! E aí andamos nos brinquedos que faltavam: a Matterhorn e o simulador Star Tours. A gente ia também no brinquedo Indiana Jones Adventure, mas eu tenho fobia de um certo animal que aparece na decoração do brinquedo, e aí eu resolvi que não queria ir de jeito nenhum, porque já era tarde da noite e fiquei com medo de ter pesadelo (#soudessas). Daí aproveitamos e assistimos o Fantasmic!, que é igual ao que acontece no Disney’s Hollywood Studios em Orlando, e que eu amo de paixão. O Fantasmic! mistura pirotecnia e jogo de águas com projeção de imagens, e eu fico sorrindo e com vontade de dançar só de lembrar da musiquinha que embala o espetáculo.

91b

Eu não queria sair mais de Anaheim de jeito nenhum! Mas era hora de seguir viagem e aproveitar San Diego! Depois de cerca de 1h40 de viagem de carro – e uma parada esperta em um dos view points na Pacific Highway pra observar a imensidão do Oceano Pacífico – chegamos na cidade.

92.JPG

San Diego era o único lugar onde não tínhamos muita certeza do que faríamos. E foi ótimo! As surpresas começaram com o hotel: sem querer, escolhemos um hotel da rede Ramada que manteve todas as características de quando foi construído na década de 60! Ok, nem todas as características, já que as suas instalações atendem aos padrões mínimos de uma cadeia internacional – mas não ao ponto de perder o seu arzinho vintage.

95.JPG

Um dos lugares que tentamos visitar foi o San Diego Chargers Qualcomm Stadium, já que o Felipe é fã de futebol americano. Mas demos com a cara na porta, já que estava fechado por conta do feriado.

96.JPG

Pois é. Coincidentemente, chegamos em San Diego num final de semana de  feriado: o Memorial Day! Daí tinha muita coisa fechada e a gente não sabia direito o que fazer. Resolvemos ir pra San Diego Harbor e andar sem rumo.

Foi uma grata surpresa descobrirmos por lá um porta aviões  (o USS Midway) que serve de museu e fica aberto à visitação! Logo quis visitar, porque achei oportunidade única!

Nem vi direito o tempo passar enquanto estávamos lá. Tinha tantos aviões pra ver, veteranos de guerra pra conversar, informações pra obter… e o dia tava lindo demais!

121.JPG

Do lado do USS Midway, fica uma escultura ENORME reproduzindo aquele beijo que ficou famoso no mundo inteiro quando a Segunda Guerra Mundial teve fim. Chamada Unconditional Surrender, a escultura não é em p&b, mas nas cores que seriam os uniformes do marinheiro e da enfermeira que protagonizaram a cena. Perdi a conta de quantos casais vimos tentando reproduzir a cena pra tirar fotos!

Ali pertinho de San Diego Harbor, fica o centro histórico da cidade, cheio de bons restaurantes! E, falando em comida, essa foi provavelmente a etapa mais gorda da viagem: fomos ao Applebee’s, ao Cheesecake Factory, e até no IHOP (International House Of Pancakes)! E, é claro, descobrimos também uns cantinhos de comida japonesa muito gostosos (será que é assim por toda a Califórnia?).

Ah! E pra quem quiser fazer compras em San Diego, recomendo o Fashion Valley. É um shopping a céu aberto, com lojas pra todos os gostos e bolsos!

Diário de Viagens: Orlando, sempre!

Entre 2008 e 2012, toda vez que me perguntavam onde eu ia passar as férias e eu respondia “Disney! Vou pra Orlando!”, as pessoas sempre me olhavam com cara de reprovação, me perguntavam “de novo?” ou “você não tem vontade de ir pra outros lugares?”, ou simplesmente diziam “você é maluca”. Nada disso nunca me incomodou, porque, por mais que eu tenha vontade de ir a vários lugares no mundo (na verdade, se eu pudesse, eu dava a volta ao mundo), Orlando é uma cidade pela qual eu tenho muito amor, e tenho certeza de que, quantas vezes me forem dadas as oportunidades, vou querer voltar pra lá. E, de 2004 até 2014, eu tive ótimas oportunidades.

felicidade plena!

felicidade plena no Magic Kingdom!

Como são muitos anos de amor por Orlando, resolvi fazer esse post mais geral, e depois pretendo postar sobre cada parque individualmente.

julho de 2004, com 14 aninhos

julho de 2004, com 14 aninhos

julho 2004 0034

a única vez que encontrei os Flintstones na Universal! Por que, Universal? Por quê?

Minha primeira viagem pra Orlando foi em julho de 2004, como parte do meu presente de 15 anos. Embora eu tenha sido bastante influenciada pela Mivó (nome carinhoso pelo qual eu chamava a minha avó), eu nunca tive aquela vontade indescritível que muitas crianças e adolescentes tem de ir à Disney. Na verdade, principalmente naquela época, que eu me achava muito roqueira, queria mesmo ir pra Londres. Mas acabei aceitando o presente e fui pra Orlando. E me apaixonei. Os parques temáticos são lugares mágicos, onde a gente só sente felicidade. Enquanto estava lá, tinha certeza de que não seria minha única visita, mas não sabia quando voltaria. Tive a oportunidade de voltar em janeiro de 2006, numa dessas viagens não-planejadas (foi assim: viajei numa terça e meus pais negociaram com a agência na quinta feira anterior) que dão muito certo. E, naquele inverno delícia de Orlando, pude confirmar meu amor por aquele lugar, e conferir atrações novas que não estavam lá um ano e meio antes – além de ver o Castelo da Cinderella especialmente decorado para a Happiest Celebration on Earth, a comemoração dos 50 anos da abertura da primeira Disneyland.

Happiest Celebration on Earth (2006)

Happiest Celebration on Earth (2006)

Em 2007, não fui a Orlando, e senti saudade. Quis voltar em janeiro de 2008, e fui. Mesmo tendo ficado muito doente e não tendo curtido alguns parques (naquele ano, não fui ao Sea World nem ao Busch Gardens), foi uma viagem especial. Aqui começa a mudança crucial na história das viagens da minha vida: em julho do mesmo ano, fiz outra viagem pra lá sem muito planejamento (dessa vez, viajei numa quinta e meus pais fecharam com a agência na segunda a noite), e foi um verão indescritível. Mesmo entre janeiro e julho, pude ir a novas atrações e até a um parque aquático completamente novo – e isso só me fazia ficar mais e mais apaixonada pelos parques.

com o Gênio em janeiro de 2008

com o Gênio em janeiro de 2008

julho de 2008

julho de 2008

Por conta dessas duas viagens no mesmo ano, e por ter ido todas as 4 vezes com a mesma agência, fui convidada pra ser guia assistente no janeiro seguinte. Eu não receberia nenhuma remuneração, mas também não pagaria nem a minha passagem nem a hospedagem (os ingressos pros parques da Disney eu paguei, mas os parques da Universal e do grupo Sea World/Busch Gardens emitiam cortesias para guias). Pra uma universitária de Relações Internacionais, me pareceu um grande negócio: afinal, eu estava tendo a oportunidade de viajar para um lugar que eu adorava tendo que arcar somente com os meus gastos lá. Então, aceitei e fui.

de uniforme e bandeirinha com o Pluto no Magic Kingdom

de uniforme e bandeirinha com o Pluto no Magic Kingdom

O que eu pensava que seria só uma temporada, acabou se estendendo pra julho de 2009, e também janeiro de 2010, e também julho de 2010 (um mês depois da abertura do Wizarding World of Harry Potter no Islands of Adventure), e janeiro de 2011, e julho de 2011, e janeiro de 2012, e janeiro de 2013, e janeiro de 2014! Em dezembro de 2010, fui com meus primos passar o réveillon lá (um sonho que eu tinha, porque sempre via fotos e vídeos dos parques decorados especialmente para os Holidays) e acabei virando guia deles desde o primeiro parque – o que eles amaram, porque não se davam nem ao trabalho de abrir os mapas. Ano passado, em outubro, fui com o Felipe e um casal de amigos nossos, e também o filhinho deles. E, em todas as vezes, sem exceção, eu me diverti demais: além de toda a sorte de poder ir pra lá com frequência, eu era ajudante de uma guia que é uma das melhores pessoas que eu conheço no mundo, que tem amor por mim como se fosse minha mãe, e sempre deixou que eu brincasse e aproveitasse tudo ao máximo. Sim, eu tinha o melhor “trabalho” do mundo! Foram, sem dúvida, os invernos e verões mais divertidos que eu podia ter enquanto estava na faculdade e no mestrado.

com meus eternos chefinhos em julho de 2009

com meus eternos chefinhos em julho de 2009

julho de 2011, com a Tininha que eu amo pra sempre

julho de 2011, com a Tininha que eu amo pra sempre e que é minha mamãe postiça!

A cidade de Orlando tem 8 parques temáticos principais: 4 da Disney (Magic Kingdom, EPCOT, Disney’s Hollywood Studios e Disney’s Animal Kingdom), 2 da Universal (Universal Studios e Islands of Adventure), Sea World, e Busch Gardens. No complexo Disney, temos também 2 parques aquáticos (Disney’s Blizzard Beach e Typhoon Lagoon), um centro de entretenimento noturno chamado Disney Springs (onde há um Cirque du Soleil permanente, com show exclusivo chamado La Nouba, restaurantes como Planet Hollywood, T-Rex e House of Blues, uma Lego Store imensa, e a World of Disney – porque, como se já não bastasse todas as mil lojinhas dentro dos parques, tem que ter mais uma, que é ENORME), campos de golfe e mini-golfe, e tudo mais quanto o gênio Walt Disney e seus imagineers (como são chamados os funcionários da Disney responsáveis pela criação e atualização dos parques e dependências dos complexos) puderam criar. Na Universal, ligando os parques, há o City Walk, recheado de lojas, boates e restaurantes (NBA City, Nascar, e o maior Hard Rock Café do mundo estão lá); a Universal agora também tem seu próprio parque aquático, o Volcano Bay, do qual só ouvi coisas boas. O Sea World, desde que abriu a Manta (uma montanha russa em que os aventureiros ficam na horizontal) em 2009, atrai muito mais do que crianças em busca da Shamu; além da Manta, há uma outra montanha russa no parque – a Kraken – que conta com um percurso impecável pra qualquer amante de montanha russa; além disso, desde 2008 podemos desfrutar do Aquatica, um parque aquático (como o nome sugere) onde podemos nos refrescar em meio a brinquedos multicoloridos e até mesmo tobogãs de vidro que permitem vermos golfinhos enquanto nadamos. Embora não fique em Orlando, mas em Tampa Bay (cerca de 1h15 de carro), o Busch Gardens é um parque que não fica fora das excursões (ainda bem!), e costuma ser o mais atrativo para aqueles que curtem adrenalina: são 5 montanhas russas (Cheetah Hunt, Montu, Kumba, SheiKra, Gwazi), o que preenche um dia inteiro de visitas, intercaladas com 3 brinquedos aquáticos (do tipo botes) que molham MUITO.

janeiro, 2009

janeiro, 2009

julho, 2009

julho, 2009

janeiro, 2010

janeiro, 2010

julho, 2010

julho, 2010

com a família e os amigos em dezembro de 2010

com a família e os amigos em dezembro de 2010

janeiro de 2011

janeiro, 2011

julho de 2011

julho, 2011

janeiro, 2012

janeiro, 2012

janeiro, 2014

janeiro, 2014

janeiro, 2014

janeiro, 2014

Além dos parques temáticos, Orlando oferece excelentes opções de compras: são dois outlets da rede Premium (um na Vineland Ave. e o outro na International Drive) onde encontramos marcas de luxo e fast fashion, o enorme Florida Mall, e o não tão conhecido Mall at Millenia (com lojas de luxo como Chanel, Burberry e Gucci e também Zara, Macy’s, Bloomingdale’s, Victoria’s Secret). Eu, particularmente, gosto mais do Mall at Millenia que, por ser menor e menos conhecido pelos turistas, está sempre mais organizado (lembrem-se: eu sempre fui pra Orlando em alta temporada, e lojas como Abercrombie, Hollister e Victoria’s Secret ficam sempre lotadas e, consequentemente, sem o estoque que muitas vezes gostaríamos que tivessem), embora o Florida Mall disponha de uma variedade incomparável de lojas. Seja nos outlets ou nos malls, ou no Wal Mart ou no Target (dois mercados que tem tudo o que podemos imaginar e mais um pouco), as oportunidades de compras são de enlouquecer até o mais sovino dos seres humanos, e eu não vi até hoje quem voltasse de Orlando com menos do que as duas malas que as companhias aéreas permitem cheias.

outubro, 2014

outubro, 2014

Em Orlando, a única preocupação que qualquer pessoa deve ter é com a diversão, e não há um dia sequer enquanto estamos lá que, dormindo tarde e acordando cedo (porque, pra curtir mesmo, tem que ser assim), a gente não sinta uma alegria incomparável. Particularmente, eu sinto uma alegria plena. Felicidade em plenitude. Não paro de sorrir. Se você nunca foi, programe-se e vá. Vá pelo menos uma vez na vida ser feliz em Orlando. Dificilmente você vai se arrepender.

das férias

Voltei de férias, minha gente. E que férias! Começamos com 9 dias em Orlando e seguimos pra Punta Cana, com direito a 5 dias em um resort all-inclusive maravilhoso!

E antes que alguém pergunte, mesmo que mentalmente, o que eu fui fazer em Orlando pela segunda vez nesse ano e pela décima quinta vez na vida, eu respondo: conhecer o Beco Diagonal, é claro!

IMG_0955

panorâmica do Beco Diagonal no parque Universal Studios

Convenci o Felipe de irmos pra Orlando e arrastei ele pra 3 (Magic Kingdom, EPCOT e Hollywood Studios) dos 4 parques da Disney, e dedicamos 3 dias pra curtirmos os dois parques da Universal (Universal Studios e Islands of Adventure). Mas como eu sou Disney Freak, e Disney Freak que se preza não deixa nenhum parque pra trás, fui pro Animal Kingdom com os nossos amigos que viajaram com a gente e também curti pra caramba, mesmo tendo ficado pouquinho por lá!

com os amigos no Animal Kingdom

com os amigos no Animal Kingdom

Curtimos tanto que Punta Cana foi ainda mais providencial do que pensávamos, porque ficamos mega cansados e os 5 dias de all-inclusive, sem nenhuma preocupação no paraíso, foram providenciais!

piscininha delícia em Punta Cana

piscininha delícia em Punta Cana do ladinho do meu amor ❤

Comecei a escrever esse post desde que chegamos, e ainda não consegui terminar! É que tava escrevendo detalhadamente sobre o que fizemos cada dia, mas tá ficando enorme, e, até que eu conseguisse postar tudo, capaz de já tá na hora de voltar pra Orlando xD então eu deixo vocês por enquanto com esse post pequenininho que dá sinal de vida, prometendo contar mais das nossas férias em breve – principalmente sobre o Beco Diagonal!

back in black!

O destino das férias foi, é claro, Orlando-FL. Surgiu mais uma oportunidade de ir curtir a cidade e os seus parques temáticos e eu, logicamente, não deixei a oportunidade escapar. Agradeço ao meu orientador, que ainda está na Suécia, pelas mini-férias que ele me proporcionou com esse ~sumiço~.

Hogwarts is my home! <3

Hogwarts is my home! ❤

Orlando estava fria demais nesse janeiro. Foram poucos os dias em que pude tirar os casacos e aproveitar o quentinho do sol. Mas isso não é de todo ruim, já que aqui em Niterói tá um forno, e estava um forno antes da viagem. Brasília também tava quente demais, e parece que continua assim. Sofro muito no calor, então tava bem feliz lá no friozinho.

Achei que tudo estava caro demais. É impressão minha, ou, junto com a subida do dólar, as coisas lá nos EUA também ficaram mais caras?! Sentia preguiça de comprar, e investi em poucas coisas que achava que valiam a pena. Exceto nos parques, é claro, porque eu não tenho discernimento nesse ponto e adoro comprar as mil bugigangas e quinquilharias que eles oferecem.

Me entupi de Butterbeer, mas não o tanto quanto queria. Sofri um bocado porque não pude participar da Harry Potter Celebration, que aconteceu enquanto eu estava lá. There’s no free lunch, e eu estava lá acompanhando um grupo como guia, não podia deixá-los e ir pros parques que eu queria.

eu nunca terei fotos suficientes em frente a esse Castelo lindo

eu nunca terei fotos suficientes em frente a esse Castelo lindo

No todo, foi bem divertido, e curti bastante. Mal posso esperar pra voltar – mas que seja sem grupo, porque já não aguento mais andar no It’s a Small World ou no Peter Pan. Além disso, o Fastpass Plus que a Disney inventou agora dificulta muito a vida de quem leva grupo, porque aumenta – em muito – as nossas responsabilidades. Quero voltar pra lá só com a minha família, e tá ótimo.

Mal cheguei e já fui ao cinema. Assisti FROZEN com a mamãe na quinta feira e fiquei apaixonada! Tô super viciada na trilha sonora e fico cantando Let It Go o dia inteiro. Queria ter assistido na estréia, mas não deu. Pelo menos já pude cortar esse filme da minha lista. Aliás, a lista de filmes pra 2014 já está extensa e eu já estou super atrasada. Ai ai.

aniversariantes do dia

Hoje seria aniversário de uma das grandes mentes que já passaram por esse mundo: Walt Disney!

DSC_0762

Walter Elias Disney nasceu no dia 05 de dezembro de 1901 em Chicago. Walt passou a maior parte da sua infância numa fazenda em Marceline, no estado do Missouri. Aos 16 anos, Walt começou a estudar arte; e, por não ter atingido a maioridade, necessária para entrar no Exército durante a Primeira Guerra Mundial, juntou-se à Cruz Vermelha, tendo passado um ano na França dirigindo ambulâncias da organização. Quando voltou aos EUA, matriculou-se na Escola de Artes de Kansas City. Depois, trabalhou em algumas agências publicitárias, tendo entrado, a seguir, para uma companhia cinematográfica, onde ajudava a fazer os cartazes de propaganda dos filmes.

Junto do irmão Roy e do amigo Ub Iwerks, Walt criou a produtora “Laugh-O-Gram”, animando contos de fadas, e exibindo os desenhos animados em um cinema local antes da projeção dos filmes. Em 1923, mudaram-se para Hollywood, onde contratou a distribuidora de filmes M.J. Wrinkler.

Depois de conseguir juntar dinheiro suficiente, comprar material, e contratar uma equipe a contento, Walt começou a fazer planos de uma série onde uma moça chamada Alice conviveria com personagens em cenário animado. Neste período, Walt conheceu sua futura esposa, Lillian Bounds Disney. Depois de Alice, Walt criou Oswald, um coelho que foi um grande sucesso. Por conta desse sucesso, era preciso reavaliar os contratos, e Walt foi para Nova Iorque.

Em NY, Walt foi surpreendido: o patrão para quem Walt desenhara Alice e Oswald roubou os seus personagens, a sua equipe de desenhistas, e todas as encomendas. Walt não desanimou, e enviou um telegrama à Roy dizendo que tudo ficaria bem e que não se preocupasse, pois ele já tinha em mente um personagem espetacular: Mickey Mouse.

"I only hope that we don't lose sight of one thing - that it all started with a mouse." - Walt Disney

“I only hope that we don’t lose sight of one thing – that it all started with a mouse.” – Walt Disney

No final da década de 1940, em uma viagem de negócios para Chicago, Walt rabiscou as suas primeiras ideias de um parque de diversões, onde os seus empregados poderiam se divertir com as suas famílias. Originalmente, Walt pensou em construir o parque em frente aos Estúdios Disney, mas sua ideia acabou se desenvolvendo e crescendo, dando origem à Disneyland, localizada em Anaheim, na Califórnia. Walt Disney passou 5 anos desenvolvendo a Disneyland e criou uma companhia subsidiária, a WED Enterprises, que deveria cuidar da produção e construção do parque. Um pequeno grupo de empregados dos Estúdios Disney se juntou ao projeto de desenvolvimento da Disneyland como engenheiros e planejadores, sendo apelidados de Imagineers (“imaginadores”).

Walt queria que a Disneyland fosse diferente de todas as coisas já vistas no mundo, e também queria que o parque tivesse um trem. No dia 17 de julho de 1955, aconteceu um preview ao vivo na tevê do que seria a Disneyland. Walt fez um pronunciamento, e disse:

 To all who come to this happy place; welcome. Disneyland is your land. Here age relives fond memories of the past …. and here youth may savor the challenge and promise of the future. Disneyland is dedicated to the ideals, the dreams and the hard facts that have created America … with the hope that it will be a source of joy and inspiration to all the world.

Já no início da década de 1960, o império da Disney já era um enorme sucesso, e a Walt Disney Productions já era a maior produtora de entretenimento familiar do mundo. Depois de tentar por algumas décadas, Walt conseguiu os direitos para transformar em filmes os livros de P.L. Traver sobre uma babá mágica, lançando Mary Poppins em 1964, e alcançando um sucesso nunca antes visto pela Disney.

No final do ano de 1965, Walt Disney anunciou os seus planos de desenvolver outra área temática de entretenimento, chamada Disney World, próximo à cidade de Orlando, na Flórida. Na Disney World, seria construído o Magic Kingdom, um parque temático maior e mais elaborado do que a Disneyland. Além do Magic Kingdom (que seria inaugurado apenas em 1971), campos de golfe e hotéis tipo resorts seriam construídos. No entanto, o coração da Disney World seria o Protótipo Experimental da Comunidade do Amanhã (Experimental Prototype Community of Tomorrow), conhecido como EPCOT (inaugurado em 1982).

Walt Disney morreu vítima de câncer de pulmão em Los Angeles no dia 15 de dezembro de 1966, dez dias após o seu aniversário. Walt transformou-se numa lenda por ter criado, junto da sua equipe, um universo que é referência para sucessivas gerações. Walt Disney era um visionário que acreditava na força dos sonhos, e estimulava a curiosidade por ter certeza de que ela leva à novos caminhos.

42b

Walt, tudo fez mais sentido pra mim quando descobri, há anos atrás, que compartilhávamos essa data. Um dia eu ainda passo esse nosso dia em um dos parques que você criou, e vou honrar esse dia, comemorando por nós dois.

coleção Disney na Colcci

Tá lá no blog da Colcci: “não, você não caiu no buraco do coelho e está alucinando”. A marca que sempre chama atenção na SPFW e que está presente em todo o Brasil acaba de lançar uma mini-coleção todinha de t-shirts estampadas com personagens da Disney. E o melhor: vários personagens “secundários” (não gosto muito desse título! #disneyfreak ama todo mundo do mesmo jeito hehehe) mereceram as suas próprias estampas! Irmãos Metralha, João Bafo de Onça, Capitão Gancho, Malévola, Cruela DeVil e muitos outros estampam essa linha de t-shirts maravilhosas, que chega nas lojas agora em novembro. A gente já falou aqui no blog sobre jeitos legais de usar t-shirts com estamparia geek, e acho que essas fotos da Colcci também servem de inspiração pra gente!

Eles já liberaram as fotos da campanha e um lookbook com as t-shirts. Essas fotos da campanha foram todas clicadas lá no Walt Disney World!!

t-shirts do Bambi e da Cruella DeVil, clicadas no EPCOT!

t-shirt da Alice e t-shirt do Bambi, no carrossel do Magic Kingdom (e eu pirei completamente nesse look com a t-shirt da Alice, quero essa saia amarela pra ontem)

t-shirt do Pinocchio clicada em Downtown Disney

camiseta do Bambi, clicada no hotel All Star Movies

duas t-shirts dedicadas à Rainha Má da Branca de Neve, clicadas no hotel All Star Movies (esse negócio amarelo aí atrás é uma máquina de refrigerante hehehe)

regata d’A Dama e o Vagabundo, clicadas em ? (não consegui identificar hihihi)

Já as fotos do lookbook estão ~padrão~, com um painel decorado pelos personagens Disney ao fundo.

01 02 03 04Eu já tô completamente apaixonada por várias das t-shirts da coleção, e quero logo ir numa Colcci ver tudo de perto. Ainda não sei os preços, mas imagino que fique entre R$100 e R$200 (ouch!!). Mas, como meu aniversário tá chegando, e o Natal também, quem sabe eu não consigo ganhar alguma de presente? (x

músicas clássicas da Disney

A Disney tem o dom de encantar gerações com suas histórias. E eu acho que não dá nem pra discutir um fato: a Disney tem muitas das melhores músicas que já embalaram filmes pela vida. E eu acho que a gente só se dá conta disso mesmo quando cresce e presta atenção de verdade nas músicas e em tudo o que elas tem pra dizer. Fazer uma seleção delas é tarefa dificílima, mas hoje escolhi algumas pra embalarem a nossa sexta feira.

1- Part of Your World (A Pequena Sereia)

  • Essa música é um verdadeiro exemplo de músicas que eu só fui entender de verdade depois de crescida. Podem me julgar e me chamar de lenta, eu não ligo, mas ela não fazia muito sentido pra mim quando eu tinha, sei lá, 3 anos, e vi “A Pequena Sereia” pela primeira vez.

2- A Dream is a Wish Your Heart Makes (Cinderella)

  • Eu sempre tive um pouco de preguiça da Cinderella, admito. Sempre preferi a Bella (A Bela e a Fera), a Jasmine (Aladdin), ou até mesmo a Branca de Neve. Mas essa música é muito, muito bonita. E, pra mim, traduz muito do espírito que o próprio Walt Disney sempre pregou e que sempre o motivou. If you can dream it, you can do it, gente.

3- A Whole New World (Aladdin)

  • Essa música, com essa história de amor e essa ideia de sair pelo mundo fazendo novas descobertas, sempre estampa um sorriso largo no meu rosto. Sempre quis um tapete mágico pra sair voando por aí pra ver o mundo.

4- Colors of the Wind (Pocahontas)

  • Pra mim, uma das melhores de longe. O blog Oh My Disney já analisou o quanto essa música é incrível, e eu deixo o link pra vocês aqui, porque eu não quero ser repetitiva.

5- Beauty and the Beast (A Bela e a Fera)

  • Como não amar?! Música and letra lindas num grau que não dá nem pra descrever. Eu, pelo menos, não consigo descrever.

6- You’ve Got a Friend in Me (Toy Story)

  • Uma música sobre amizade e parceria. Eu gosto tanto dessa música que sempre canto ela pros meus melhores amigos quando tô nos meus momentos de fofura extrema querendo dizer o quanto eu amo eles.

7- I See the Light (Enrolados)

  • Já pode considerar “Enrolados” um filme clássico da Disney? Acho que sim, né?! Afinal, é a história da Rapunzel… mais do que clássica. E essa música, minha gente, essa música é muito linda e muito emocionante, e o Zachary Levi cantando é muito muito amor ❤

8- Once Upon a Dream (A Bela Adormecida)

  • Eu acho que essa música é uma das mais belas músicas de amor na história da música, pra sempre. Presta atenção na história que essa música conta e me diz se eu não tô certa.

9- The Unbirthday Song (Alice no País das Maravilhas)

  • Essa música é simplesmente GENIAL! Aliás, todo o conceito de ~desaniversário~ é genial! Por mais celebrações de desaniversário nesse mundo.

10- Circle of Life (O Rei Leão)

  • O melhor ficou pro final. Gente, PELO AMOR DE DEUS, essa música é muito maravilhosa! Sempre fico arrepiada/emocionada/feliz/etc quando escuto. Já perdi a conta de quantas vezes assisti “O Rei Leão” e chorei logo na abertura por causa dessa música (isso sem contar o tanto que eu choro quando vou lá pra Disney e vou ao Festival of the Lion King e ouço a música ao vivo; ou mesmo quando vi o musical lá em Londres e também gastei uma caixa inteira de lenços de papel de tanto que eu chorava).

Eu gosto de músicas que tocam o meu coração. Quanto mais me emociona, mais eu presto atenção. E, sim, eu fico ouvindo essas músicas em playlist, ou então tiro uma tarde pra ficar no sofá vendo todos os meus Disney movies preferidos (porque #bolsistasofre mas eu também mereço um descanso) e cantando as músicas. Se você não faz isso, meu amigo, minha amiga, você não sabe o que está perdendo!

Marvel Vinylmation

Mais uma vez, a Disney me faz ~pirar o cabeção~ com coleções Vinylmation. Pra quem não conhece, Vinylmation é o nome (que combina Animation com Vinyl) dado para bonecos colecionáveis vendidos nos parques da Disney, nas Disney Stores e na loja online da Disney. Todos os bonecos tem o formato do Mickey, mas cada coleção tem um tema diferente. É das tranqueiras que eu mais gosto de comprar na Disney!

A coleção que me deixou maluca dessa vez é inspirada nos super heróis da Marvel. Olha só alguns dos ~Mickeys Vingadores~ disponíveis:

Thor

Thor

Black Widow

Black Widow

Capitão América e Hulk

Capitão América e Hulk

Homem Aranha

Homem Aranha

É demais pro meu coração. Quero todos, quero já, quero pra sempre!

Disney art by Katia Oloy

Outro dia tava fazendo a minha habitual ronda pelo blog Oh My Disney (o melhor blog pra quem é Disneyfreak, cheio de memes e coisas bacanas relacionadas à Disney) e me deparei com essas pinturas lindas das princesas da Disney:

disney-pricess-ariel disney-princess-aurora disney-princess-cinderella disney-princess-jasmine disney-princess-pocahontas disney-princess-snow-white

Lindas, né? Como a curiosidade não tem limites, corri lá no Disney Insider pra saber mais sobre a artista: Katia Oloy trabalha no departamento de Video Visual Development da Disney, e começou a trabalhar na empresa como estagiária. Aqui tem uma extensa entrevista com a artista, onde ela conta que seus personagens favoritos da Disney são Alice e Mickey Mouse!

Ela também desenhou alguns vilões da Disney com inspiração nos anos 20:

disney-art-yzma-1920s-fashion disney-art-1920s-fashion-inspired-by-ursula disney-art-1920s-fashion-inspired-by-captain-hook disney-art-1920s-fashion-inspired-by-cruella-de-vil disney-art-1920s-fashion-inspired-by-the-evil-queen

Fiquei encantada com o trabalho da Katia, e vou ficar de olho em futuras artes da sua autoria!

viajante geek: 10 dicas para curtir Orlando ao máximo

Eu dei muita sorte nessa vida de ter sido convidada pra ser guia pra Orlando quando tinha 18 pra 19 anos. Na época, eu já contabilizava 4 viagens pra cidade, e já conhecia bem os parques, mas continuava encantada com as muitas possibilidades de diversão que me eram oferecidas. É claro que eu agarrei a oportunidade, e tá difícil largar o osso mesmo tantos anos depois. De 2009 a 2013, já levei muitos grupos pra lá, e me diverti muito com todos eles.

~apenas guiando!~

bandeirinha em mãos: ~apenas~ guiando! (x

Tô querendo fazer uma série especial de posts sobre os parques aqui pro blog, mas vou dedicar o post do viajante geek dessa semana falando do destino a partir de 10 dicas pra quem quer curtir Orlando ao máximo.

  1. Programe-se para passar pelo menos um dia inteiro em cada parque temático: eles são enormes e são muitas atrações pra curtir, e você certamente deverá aproveitar tudo. Os parques aquáticos podem ser combinados a parques temáticos ou tardes de compras, mas, pra isso, programe dias extras. Dias de chegada e partida não devem incluir idas aos parques temáticos. É por isso que um programa com guia não costuma ter menos do que 14 dias. No período que compreende o Natal e o Reveillón, os parques ficam muito cheios. Se programar a sua primeira viagem para Orlando nessa época, procure ficar pelo menos uns 10 dias do Ano Novo por lá, pra aproveitar mais os parques, que já estarão mais vazios. E, independente da época, sente-se junto à World Showcase Lagoon em EPCOT pra observar o por do sol.
  2. Os hotéis dentro dos complexos são caros e nem sempre oferecem o melhor custo-benefício. Já fiquei em um hotel dentro da Disney em que tinha que andar o equivalente a uns 3 quarteirões pra comprar meu café da manhã, e a food court estava sempre cheia. Os hotéis parceiros da Disney ou da Universal, que ficam fora dos complexos, costumam oferecer café da manhã continental incluído na diária, e o padrão dos hotéis não varia muito (ok, os resorts da Disney e da Universal são temáticos, mas se você não é Disneyfreak não precisa dormir e acordar com Mickeys na sua frente, ou tomar banho num banheiro com azulejos do Mickey). Pessoalmente, gostei mais de ficar em hotéis parceiros do que num resort da Disney (e eu sou Disneyfreak assumida!). Além disso, se possível, dê preferência a hotéis que não tem múltiplas portas de entrada e onde a entrada para os quartos fique em corredores fechados.
  3. O clima em Orlando é bem seco o ano inteiro. As temperaturas do verão de Orlando são bem altas, variando geralmente entre os 33ºC e 40ºC (só que eu já peguei 45ºC na sombra, juro). Já no inverno, geralmente ficam entre os 14ºC e 22ºC, embora algumas frentes frias cheguem sem aviso e derrubem a temperatura pra menos de 10ºC (ou até 0ºC, mas com ínfimas chances de neve), ou massas de ar quente aumentem pra até 27ºC ou 30ºC. Sim, o clima é bem louco. Pro inverno, o segredo é levar (ou comprar lá, porque são muito baratas) roupas térmicas; pro verão, shorts e roupas bem leves, e uma capa de chuva sempre à mão. E, em qualquer estação, os seus melhores amigos serão: a garrafa de água, o protetor solar, e o protetor labial.
  4. Deixe a preguiça no Brasil: acorde cedo e chegue nos parques na hora em que eles abrem, e só saia na hora em que eles fecham. É o melhor jeito de curtir tudo – inclusive a iluminação noturna dos parques, que é de arrepiar. O Magic Kingdom, por exemplo, abre as 8 da manhã, e os personagens vão saudar os guests na entrada do parque, fazem countdown e tudo mais; é uma verdadeira festa, e você não vai nem se lembrar de que dormiu pouco. Magic Kingdom, EPCOT e Hollywood Studios tem shows noturnos que misturam pirotecnia e projeções de imagens que vão fazer você se emocionar (o show noturno em EPCOT é na World Showcase Lagoon que eu já mencionei ali em cima, então é só chegar um pouquinho mais cedo, sentar-se junto ao lago, e curtir a vista enquanto espera o início do IllumiNations). Não se esqueça de conferir os horários dessas atrações, bem como dos desfiles e shows nos timetables.
  5. Sempre que chegar aos parques, pegue um mapa e um timetable. Em seguida, marque um horário e um ponto de encontro na entrada do parque com aqueles que estão te acompanhando. Os parques são enormes, há muito o que fazer, e sem uma programação, coisas fantásticas (como o show de dublês Lights, Motors & Action no Hollywood Studios ou o divertido show do Beetlejuice na Universal Studios) podem ficar de fora do seu dia. Vigilância constante!
  6. Ao chegar em Orlando, vá o mais rápido possível ao Wal Mart mais próximo e compre uns snacks, água e capas de chuva. Os hotéis costumam dispor de frigobar e micro-ondas, e, como é permitido entrar nos parques com pequenos lanches, pode-se fazer uma economia bacana – e empregar os recursos escassos (também chamados de “dinheiro”, “Obamas”, ou “dólares”) em comprinhas. Wal Mart e Target são ótimos também pra comprar souvenires (chaveiros podem ser comprados por cerca de 3 dólares, enquanto, nos parques, custam o dobro ou o triplo).
  7. Se você não quer se estressar com absolutamente nada, compre um pacote numa agência da sua preferência e vá acompanhado por um guia. Se o seu guia for realmente bom, você disfrutará de confortos que fazem toda a diferença. Um exemplo clássico de conforto são os fastpasses (também conhecidos como “fura filas”, disponibilizados gratuitamente nos parques da Disney em atrações muito populares): os fastpasses são conseguidos com os ingressos de admissão aos parques, e, com eles, você terá uma hora específica naquele dia para entrar num determinado brinquedo ou atração numa fila mais rápida (por exemplo: Splash Mountain, 10:32am-11:32am); se você for desacompanhado de guia, terá que se preocupar em ir buscar fastpass e depois voltar pra outra atração, e esperar dar a hora do fastpass, e pode parecer uma barata tonta dentro do parque; se o seu guia for bacana e experiente (duas características importantes!), ele (ou ela) saberá administrar o tempo no parque de maneira que você aproveite os brinquedos sem ficar ziguezagueando pelo parque feito barata tonta, seguindo um roteiro que, no final das contas, você vai perceber que fez o parque fazer sentido.
  8. Sim, os parques fazem sentido. O Walt Disney não planejou o Magic Kingdom, por exemplo, de qualquer maneira: ele queria contar uma história para os visitantes. Se começar o passeio pela Tomorrowland, e der uma volta em círculo no parque, você terminará o dia passando pelo velho oeste em Frontierland e encontrando os Piratas do Caribe em Adventureland. Se, ao contrário, começar o dia em Adventureland, vai perceber que está numa viagem do tempo, chegando, ao final do dia, ao mundo do amanhã (Tomorrowland). Bem mais legal, né? É outro diferencial de ir pra Orlando acompanhado de um guia: porque temos (ui!) experiência, podemos seguir um roteiro dentro do parque de forma que você se encante ainda mais com a experiência, e até compartilhamos informações que nem sempre são amplamente divulgadas.
  9. Desde a abertura do Wizarding World of Harry Potter, em 2010, a Universal Orlando tem atraído muito mais visitantes do que nos anos anteriores a essa invenção maravilhosa (sim, eu sou apaixonada por Harry Potter e quase tive um troço de felicidade quando descobri que abriria uma área temática num dos meus parques favoritos de Orlando, e quase enfartei na primeira vez que fui lá), embora o complexo Disney ainda atraia mais visitantes. A lógica de todo mundo quando chega no Islands of Adventure é ir correndo pro Wizarding World. Não faça isso. Pensa comigo: se todo mundo corre pro Wizarding World, o restante do parque fica relativamente vazio. Andar na Incredible Hulk Coaster com 0 minutos de fila? E se aventurar no The Amazing Adventures of Spider Man esperando só 5 minutos? Eu já fiz isso – não uma, mas várias vezes. Por quê? Porque o Islands of Adventure tem MUITO a oferecer, e você vai aproveitar muito mais se deixar pra curtir o Wizarding World depois do meio dia, ou das 13 horas, quando os loucos que saíram correndo pra lá entupiram a área até essa hora começam a se dispersar pelo resto do parque – e formar filas de 1 hora no Hulk ou no Spider Man, ou no Popeye, ou no Jurassic Park, que você já curtiu antes. E você, esperto(a), vai aproveitar o Wizarding World menos cheio (porque, ainda assim, certamente estará cheio), e, de quebra, sendo persistente, verá as luzes do Castelo de Hogwarts e das lojas de Hogsmeade acesas quando a noite chegar (é tanta beleza que eu chorei de emoção nas vezes em que pude ficar lá até de noite).
  10. Acima de tudo, DIVIRTA-SE. Deixe os problemas e as preocupações no aeroporto internacional brasileiro em que você embarcar, e chegue em Orlando de coração aberto pra APROVEITAR! Volte a ser criança, brinque, tire muitas fotos. Pode até perder o senso do ridículo, e andar de orelhinhas da Minnie ou chapéu do Pateta. Em Orlando, o que importa mesmo é ser feliz! Quanto menos você se importar com o que os outros pensam, mais você vai curtir, e mais inesquecível se tornará a sua viagem. Capaz até de querer voltar de novo, e de novo, e de novo…

Eu não sei se virei guia porque era Disneyfreak, ou se virei Disneyfreak porque era guia. Só sei que quanto mais eu penso nos parques mais me dá vontade de voltar sempre e muito!