Game of Trones tour: Winterfell

Estamos na Irlanda do Norte! Chegamos ontem em Belfast e hoje foi dia de imersão total no universo de Game of Thrones, com um tour que durou o dia inteiro e que nos levou a vários cenários da série!

Pra quem não sabe, a série é gravada na sua maioria aqui na Irlanda do Norte, além de algumas locações na Espanha e em Malta. Além das locações externas, a série da HBO é gravada nos estúdios em Belfast. Por esse motivo, a base da equipe é em Belfast, por conta da proximidade com a maioria das locações.

Nós agendamos o nosso tour online com a Game of Thrones Tours e o pacote (transporte e passeios com guia) custa £40 por adulto para o tour WINTERFELL. Saímos de Belfast às 9h e chegamos às 17h30, e nosso guia, Robbie, era muito animado e empolgado com a série, e sabia um monte de coisas sobre os episódios e locações, além de informações turísticas não-relacionadas à Game of Thrones.

7583872080_img_3009
needle, a espada de Arya Stark
img_8470
a espada de Robb Stark, “King in the North!”
img_8471
longclaw, a espada de Jon Snow

Nossa primeira parada foi Inch Abbey, que é um mosteiro do século XII, onde algumas cenas importantes da série foram filmadas, como o momento em que Robb Stark é eleito o Rei do Norte (King in the North!). Foram disponibilizadas capas no melhor estilo Stark e também espadas, machados, escudos e banners da casa Stark para que pudéssemos entrar bem no clima.

De lá, seguimos para Castle Ward Estate, local usado na primeira temporada para filmar principalmente Winterfell. Caminhamos bastante por lá (3km de trilha!) para passarmos por outras locações da série, como o acampamento de Robb Stark, o Campo de Batalha de Baelor, etc.

Almoçamos no The Cuan em Strangford, que é um pub/hotel pertinho de Castle Ward, consequentemente frequentado pelos atores, produtores e crew da série em geral. Eu comi fish & chips, o marido comeu lasanha, e nós provamos a cerveja artesanal Hodor. Dentro do pub, há uma espada de Ned Stark (ice) na parede e, o mais legal, a primeira porta de madeira trabalhada por David Hogg, que produziu 10 portas de madeira, instaladas em lugares espalhados pela Irlanda do Norte relacionados à série.

7583872080_img_3102
local onde os Starks encontraram os filhotes de direwolf

Seguimos então para Tollymore Forest, onde andamos por mais 3km(!) para conhecer um pouco mais dessa floresta que serviu de cenário para vários momentos da série, como o acampamento de Tyrion e Jon a caminho da Muralha, a ponte onde os Starks descobrem a direwolf morta e seus filhotes, e também o local onde foi gravada a primeira cena de toda a série (onde um Patrulheiro da Noite encontra os corpos desmembrados pelos White Walkers).

7583872080_img_3094

Infelizmente, porque o clima não permitiu, nós não pudemos atravessar o Narrow Sea de balsa, entre Portaferry e Strangford, que está incluído nesse tour. Por outro lado, fomos privilegiados pois pudemos ver Winterfell sob neve e que nos fez entrar ainda mais no clima!

Day trip para Glasgow

Estamos na Escócia! Mais precisamente, em Edimburgo! Estou amando revisitar essa cidade linda na companhia do marido! E quem me segue lá no instagram tem visto as fotos (quase) em tempo real das nossas aventuras!

Hoje aproveitamos o dia pra fazermos mais uma day trip: dessa vez, para Glasgow. De novo, compramos bilhetes de ida e volta, que custam £12,75 por adulto. Saímos da estação Waverly em Edimburgo no trem das 10h em direção a estação Queen St em Glasgow, e voltamos no trem das 15h.

Como outras cidades européias, Glasgow está movimentada por conta do mercado de Natal, localizado bem no centro da cidade, e muito próximo à estação de trens.

Nós saímos um pouco do que talvez fosse um roteiro turístico tradicional e fomos caminhando até o estádio do Celtics, o Celtics Park. O estádio fica a pouco mais de 3km da estação de trem, e decidimos ir caminhando mesmo para conhecer mais lugares inusitados da cidade.

No caminho de ida, paramos para admirar o Glasgow Green, um grande parque que abriga o Palácio de Inverno da cidade. Na volta, caímos na risada com o muro da cervejaria Tennent Caledonian Brewery.

Decidimos voltar para o centro da cidade para almoçarmos, e escolhemos o Café Andaluzia. Optamos por pedir 4 tapas para dividirmos: peixe empanado, almôndegas, croquete de presunto e queijo, e vieiras com presunto serrano. Tudo estava muito saboroso e o serviço neste restaurante é bem rápido. Há uma promoção nos dias de semana em que paga-se £13,95 por 3 tapas.

Depois de almoçarmos, caminhamos um pouco pelo centro e passeamos pela George Square, que está tomada pela feira natalina, além de vermos The Glasgow Royal Concert Hall. Por fim, resolvemos provar os churros vendidos no mercado de Natal.

O trem que liga as duas cidades leva cerca de 40min para fazer o percurso, e é uma day trip bacana pra quem tiver um tempinho sobrando em Edimburgo!

Day trip pra Manchester

Aproveitando nossa estadia em Liverpool, decidimos visitar Manchester!

O trem que liga as duas cidades leva cerca de 30min para concluir cada trecho, e o bilhete de ida e volta para um adulto custa £13. Saímos da estação Liverpool Lime Street em direção à Manchester Victoria – ambas localizadas nos centros das respectivas cidades – no trem de 10h21.

Chegando em Manchester, nossa primeira parada foi o National Football Museum, que fica convenientemente em frente à estação de trem. Neste museu, são 3 andares dedicados à história do futebol inglês e também mundial. No 3º andar, há um espaço dedicado à exposições temporárias que, neste momento, exibe artes e memorabilia relacionada ao Pelé! A entrada no museu é gratuita, embora eles aceitem doações; há inclusive um pacote de doações no valor de £6 que dá direito a fotos e experiências interativas exclusivas.

Saímos do museu do futebol em busca de alimento e acabamos escolhendo o restaurante Las Iguanas para almoçar. O ambiente é muito bacana e, no cardápio, são muitas opções de pratos inspirados na culinária mexicana, brasileira e argentina. Comemos dadinhos de queijo de entrada, com gostinho de Brasil. Felipe pediu chilli con carne e eu pedi tacos. Pra sobremesa, experimentamos os churros con dulce de leche.

Depois de almoçarmos com calma, caminhamos tranquilamente pelas ruas, até decidirmos visitar a John Rylands Library, que também tem entrada gratuita. A enorme biblioteca, que agora integra o patrimônio da University of Manchester, foi construída por Victoria Rylands em homenagem ao seu esposo. Atualmente, há uma exibição de textos antigos relacionados à reforma protestante.

Nosso outro destino foi o People’s History Museum. Este museu tem 2 andares dedicados à história de luta do povo inglês para libertar-se do sistema opressor em que viviam, com entrada gratuita e seções interativas. No primeiro andar, a exibição contempla os anos pré-1945 e, no segundo andar, pós-1945.

Paramos para um café e andamos um pouco mais pelo centro da cidade, super movimentado também por conta do mercado de Natal que já acontece ali pertinho, e voltamos para Liverpool no trem de 16h35.

The Beatles Story em Liverpool

Já estamos em Liverpool, o 2º destino dessas nossas férias! Chegamos ontem por aqui e andamos um pouquinho pela cidade, passando pelo Christmas Market (aberto até 22 de dezembro) e por alguns pontos turísticos, como St John’s Gardens, St George’s Hall, e Central Library.

Mas hoje é que começamos a “turistar” de verdade, e dedicamos boa parte do nosso dia à história dos Beatles! Visitamos os dois locais de exposição de The Beatles Story: um no Albert Dock e o outro no Pier Head. Em ambas unidades encontramos a Fab4 Shop (recheadas de souvenires para todos os gostos e bolsos) e o Fab4 Café, e certamente é um passeio imperdível na cidade.

No The Beatles Story do Albert Dock fica a exposição principal, onde podemos ver extensivamente a história do Fab4, com detalhes da história de sucesso dos 4 garotos de Liverpool e muita memorabilia, além da reconstituição de vários lugares importantes na história dos Beatles, como Casbah Coffee ClubAbbey Road, Strawberry Fields, etc, além da reconstituição do Cavern Club, que é de emocionar. Esta é a maior exposição permanente exclusivamente dedicada à vida e obra dos Beatles.

Já no The Beatles Story do Pier Head, está acontecendo a exposição The British Invasion: How 1960s beat groups conquered America, que foca no sucesso dos Beatles nos Estados Unidos, e na influência que eles causaram na música norte-americana. Além disso, podemos aprender um pouco mais sobre outras bandas inglesas que fizeram parte daquele momento conhecido como “a invasão britânica”. Esta exposição especial está sendo apresentada pelo Grammy Museum, com fotos e memorabilia inédita.

O ingresso para The Beatles Story custa £15,95 por adulto e dá acesso aos dois locais de exposição, já incluindo audio guides para ambos. E, bem em frente ao Fab4 Café do Pier Head fica a estátua que homenageia os 4 garotos que marcaram a história da música mundial!

British Library: A History of Magic

Quem me segue no Instagram já viu que estamos em Londres! Já estava na hora de tirarmos férias de novo, e decidimos fazer um tour pelo Reino Unido, começando por essa cidade que eu amo!

Na verdade, nesta primeira semana, enquanto o marido passeia eu estou me dedicando intensivamente a uma nova formação profissional – mas vou falar mais sobre isso num próximo post!

Hoje quero contar pra vocês sobre a exposição Harry Potter: A History of Magic, que está acontecendo na British Library desde outubro e vai até fevereiro de 2018.

Os tickets precisam ser agendados com antecedência pelo site da British Library e custam £16 pra cada adulto. Nós agendamos a nossa visita pra ontem (terça) com entrada entre 17h30 e 18h00, e levamos cerca de 2h pra ver toda a exposição e comprar lembrancinhas. Não é permitido fotografar a exposição.

Harry Potter: A History of Magic comemora os 20 anos do lançamento do primeiro livro da série, “Pedra Filosofal”, trazendo ao conhecimento público desenhos nunca antes vistos feitos pela própria J. K. Rowling, bem como alguns manuscritos e também trechos inéditos que ficaram de fora das edições publicadas.

Além dos manuscritos e desenhos da autora da série que encanta bilhões pelo mundo, podemos apreciar algumas das artes de Jim Kay, o ilustrador que está dando cores à série de livros em novas edições. A primeira edição ilustrada foi publicada em 2015, seguida de “Câmara Secreta” em 2016, e acabou de ser publicada a versão ilustrada de “Prisioneiro de Azkaban”, o terceiro livro da série.

A exposição é dividida em seções que remetem às disciplinas ensinadas em Hogwarts, unindo os trabalhos de J. K. Rowling e Jim Kay à livros e manuscritos antigos e folclórico que explicam as origens de diversos elementos do mundo mágico, desde plantas e astros até as criaturas mágicas ou das trevas.

Ao final da exposição, ainda podemos apreciar uma das primeiras versões do roteiro do filme “Animais Fantásticos e Onde Habitam” com anotações de J. K. Rowling naquela que foi a sua primeira aventura como roteirista de cinema. A expectativa é de que esta nova série, que tem o mazizoologista Newt Scamandee como personagem principal, conte com 5 filmes ao todo. O próximo filme da série, “Os Crimes de Grindelwald”, tem estréia marcada para novembro de 2018.

É fácil chegar na British Library de metrô, já que as estações de Euston e King’s Cross/Sr. Pacras ficam bem próximas da enorme biblioteca.

Se você estiver com visita marcada pra Londres até fevereiro do ano que vem e for fã do mundo mágico criado por J. K. Rowling, você não pode perder essa exposição de jeito nenhum! E, se não for fã, mas estiver por Londres e tiver um tempinho livre, ainda assim recomendo fortemente a visita, pois é mágico ver como a autora da série de livros mais bem sucedida da história tinha tudo alinhado para seus 7 livros, fundamentando os argumentos e elementos do mundo mágico a partir do folclore encontrado em livros e manuscritos antigos e tradicionais.